Companhias aéreas querem controlo de passageiros mais rápido e menos taxas

06-03-2018 (17h25)

O’Leary aponta Lisboa como uma das cidades onde a concorrência é estrangulada

As maiores companhias de aviação da União Europeia (UE) reclamaram hoje menos impostos e mais investimento público para o sector, com aeroportos mais eficientes em vez de obras de arquitectura que aumentam as tarifas.

“Os nossos clientes querem menos palácios de mármore”, declarou o presidente da companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair, Michael O'Leary, na reunião anual da associação europeia Airlines for Europe (A4E), que reúne 15 companhias aéreas que concentram 75% do tráfego de passageiros na UE, entre elas a TAP.

O'Leary, que fez idêntica crítica ao projecto da ANA/Vinci para o aeroporto do Montijo, afirmou que “os aeroportos tomam decisões sem consultar as companhias aéreas” e cobram por novas infra-estruturas, o que acaba por reflectir-se nas tarifas aplicadas aos passageiros.

Segundo a agência EFE, citada pela Lusa, o presidente da Ryanair atacou também a cultura de monopólio dos aeroportos em “muitas cidades” e apontou Lisboa, Amesterdão ou Varsóvia como casos onde, em sua opinião, se impede que surjam aeroportos secundários que tornariam o sector mais competitivo.

As companhias aéreas lançaram também um apelo para que até ao Verão se consiga uma maior fluidez nos postos de controlo fronteiriço dos aeroportos, uma vez que o reforço das regras de controlo de identidade e a insuficiência de meios levaram a “um aumento de 300%” do número de atrasos em voos no ano passado, disse Thomas Reynaert, director da associação.

“Com o período estival muito preenchido a aproximar-se, temos de aprender com a experiência inaceitável do ano passado, em particular nas fronteiras europeias”, afirmou Thomas Reynaert, presidente da associação.

As companhias aéreas reclamam mais investimento em sistemas de controlo automático de passaportes e mais pessoal.

Outra das exigências passa pela eliminação de 6.000 milhões de euros em taxas que os passageiros pagaram em 2017, o que para o presidente da britânica easyJet, Johan Lundgren, aumentaria a actividade económica e permitira criar empregos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair aposta em mais falências de concorrentes e na recepção dos Boeing B737-MAX

22-10-2018 (13h42)

Custos de voo mais competitivos e aeroportos mais dispostos a baixar preços são duas das tendências com que a Ryanair conta para contrariar nos próximos tempos a descida de lucros que contabilizou no semestre terminado a 30 de Setembro em que o seu lucro, incluindo encargos de lançamento da Laudamotion, caiu 11% ou 141,8 milhões de euros, para 1.150,7 milhões.

Ryanair lucrou menos 53,9 milhões de euros este Verão

22-10-2018 (12h52)

A low cost Ryanair, uma das companhias de aviação mais lucrativas do mundo, teve este Verão uma quebra do lucro de 53,9 milhões de euros, embora os impostos sobre lucros tivessem baixado 30 milhões de euros, porque o resultado operacional caiu 82,2 milhões, incluindo encargos de início da nova subsidiária austríaca Laudamotion.

Dominicana supera os cinco milhões de turistas até Setembro, apesar de queda dos emissores europeus

19-10-2018 (18h07)

A República Dominicana teve este Verão (Junho a Setembro) um aumento das chegadas de turistas não residentes em 6,9%, embora da parte da Europa tivesse uma queda em 6,4%, inclusivamente mais forte que a queda média nos nove meses de Janeiro a Setembro, que foi de 4%.

Sindicato belga alerta para mais greves se “a Ryanair não mudar”

19-10-2018 (17h22)

O sindicato belga CNE, que representa tripulantes de cabina da Ryanair, ameaçou organizar vários dias de greve antes do final do ano se a companhia “não mudar radicalmente de posição e atitude”.

Grupo Air France KLM anuncia 44 novas rotas este Inverno IATA 2017/2018

18-10-2018 (18h11)

O grupo Air France KLM, nº 1 da aviação europeia em tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), anunciou hoje que este Inverno IATA, que vai de dia 28 de Outubro a 30 de Março, terá 44 novas rotas e uma frota mais moderna e com cabinas novas.