Airbnb entrega 13,5 milhões de euros de taxas turísticas em França

31-01-2018 (16h27)

O Airbnb recolheu em França 13,5 milhões de euros de taxas turísticas em nome dos seus anfitriões ao longo do ano de 2017, ficando Paris com mais de metade do valor, cerca de 6,9 milhões.

As taxas turísticas que o Airbnb vai entregar em Nice ascendem a 860 mil euros e em Marselha chegam aos 790 mil euros, segundo avança a imprensa francesa.

As notícias indicam que os 13,5 milhões de euros que a plataforma de alojamento particular vai entregar às autarquias francesas são quase o dobro do valor recolhido em 2016, que foi de 7,3 milhões de euros.


Clique para mais notícias: Airbnb

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TUI compra startup tecnológica italiana Musement

17-09-2018 (12h39)

O Grupo TUI comprou a startup tecnológica italiana Musement, especializada no negócio da venda de excursões, passeios e actividades, com oferta em cerca de 1.100 cidades.

Empresa norte-americana revela participação na Thomas Cook

17-09-2018 (12h25)

A empresa de investimento norte-americana Capital Group Companies divulgou que tem uma participação de 5,2% na Thomas Cook, enviando um sinal positivo aos investidores após um Verão mais fraco, que provocou vendas de acções do operador turístico britânico.

Tribunal italiano condena proprietário de empresa de “fake reviews”

13-09-2018 (18h10)

O Tribunal Criminal de Lecce condenou o proprietário da PromoSalento, empresa que vendia pacotes de “fake reviews” a estabelecimentos de hospitalidade em Itália, a nove meses de prisão e ao pagamento de 8.000 euros.

Brussels Airlines lança programa de Stop Over na Bélgica

13-09-2018 (17h12)

A companhia de aviação Brussels Airlines lançou o programa Belgium Stop Over, que possibilita aos seus clientes a viajar para outros destinos, via Bruxelas, uma paragem até cinco dias na Bélgica sem custos adicionais.

Ryanair rejeita previsão de "caos" na greve de 28 de Setembro

13-09-2018 (12h05)

A Ryanair recusou hoje que a greve marcada por tripulantes de cabine de cinco países, incluindo Portugal, provocará “caos” na companhia, visto ter “experiência” a lidar com estas paralisações e esperar que “a maioria” destes funcionários trabalhe.