Voos da América Latina asseguram quase metade do crescimento de tráfego do IAG até Setembro

07-10-2019 (16h34)

O IAG, tradicionalmente líder no transporte aéreo de passageiros entre a Europa e a América do Norte, pela força da British Airways e do seu hub de Londres Heathrow, está a assentar o seu crescimento este ano principalmente nos voos de/para a América Latina, em que a sua companhia líder é a espanhola Iberia.

Estas tendências transparecem nos dados de tráfego do IAG publicados hoje, os quais mostram que 47,8% do seu crescimento de tráfego em RPK (do inglês para passageiros x quilómetros voados) foi gerado nas linhas da América Latina, que assim passaram de valer 16,3% para 18% do seu tráfego total, enquanto os sectores líderes reduziram o seu ‘peso’, de 27% para 26,1% no caso dos internacionais intra-europeus, nos quais a Vueling tem especial ‘peso’, e de 29,7% para 29,1% nas linhas da América do Norte, nas quais a líder é a British Airways.

Daí que a companhia britânica se mantenha líder no grupo, ‘valendo’ 54,2% do seu tráfego total nos primeiros nove meses deste ano, mas menos que os 56,2% do período homólogo de 2018, enquanto a Iberia sobe de 21,3% para 22,3%.

Nos primeiros nove meses deste ano o IAG teve um crescimento do tráfego em 5,6% ou 11.563 milhões de RPK, 40,1% dos quais na Iberia, que cresceu 10,6% ou 4.637 milhões de RPK, enquanto a British Airways ‘valeu’ 18,6%, com um aumento em 1,9% ou 2.151 milhões de RPK.

A segunda maior contribuição para o crescimento do IAG nos primeiros nove meses deste ano foi da Level, companhia leisure criada pelo grupo para concorrer nos voos low cost de longo curso e que começou a voar de Barcelona em 1 de Junho de 2017, com um aumento do tráfego em 109,3% ou 2.969 milhões de RPK, ou seja, 25,7% do crescimento do grupo.

A contribuição da Vueling foi em cerca de 10,4%, com um aumento do tráfego em 4,8% ou 1.199 milhões de RPK, mas a Vueling, como companhia de voos de curto e médio cursos, tem menos influência com a ponderação pelas distâncias voadas, enquanto em número de passageiros embarcados valeu 37,4% do aumento do grupo, com +6,2% ou mais 1,575 milhões, para 27 milhões.

A Aer Lingus, que também opera voos de longo curso, nomeadamente para a América do Norte, segmento em que tem algum ‘peso’, contribuiu com 8,5% do crescimento do tráfego em RPK, ao registar um aumento em 5,5% ou 986 milhões de RPK.

 

Para ler mais clique:

IAG só cresce em Setembro em voos da América Latina e domésticos

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Wamos Air vai passar a voar para Cancun em A330

05-12-2019 (13h41)

A companhia de aviação espanhola Wamos Air, antiga Pullmantur Air, comprada pela sociedade de investimentos Springwater, que em Portugal comprou a antiga Espírito Santo Viagens, actualmente Wamos Portugal, vai passar a voar a rota Madrid - Cancun em Airbus A330-200, em lugar do Boeing B747-400.

Espanha recebe menos turistas em Outubro, mas mantém crescimento no ano

02-12-2019 (17h14)

Espanha teve este mês de Outubro uma quebra do turismo internacional em 0,3%, mas ainda assim no conjunto dos primeiros dez meses do ano mantém crescimento em 1,1%, que significa um aumento em 805 mil, atingindo um total de 74,72 milhões, para o qual Portugal é o emissor europeu que mais contribui.

Catalunha é líder destacado dos destinos espanhóis, apesar da instabilidade política

02-12-2019 (17h00)

A Catalunha, que tem sido palco de distúrbios e confrontações com independentistas, mantém-se ainda assim o destino espanhol líder em recepção de turistas e, inclusivamente, com crescimento, mesmo que modesto.

Gabriel Subías deixa posição de CEO da Ávoris

02-12-2019 (12h17)

Gabriel Subías deixou o cargo de CEO da Ávoris, divisão de viagens do Grupo Barceló, um cargo que ocupava desde 2011 e que passa a ser desempenhado provisoriamente por Vicente Fenollar Molina, director financeiro do Grupo Barceló.

Ávoris e Barceló escolhem Gabriel Subías para liderar novo grupo

25-11-2019 (16h37)

Gabriel Subías, arquitecto da malograda Orizonia e, mais recentemente, da Àvoris do grupo Barceló, foi escolhido para liderar a organização resultante da fusão com a Globalia da família Hidalgo, formalizada hoje e que a imprensa espanhola augura atinge os 3.700 milhões de euros de vendas.

Noticias mais lidas