Hotelaria espanhola sobe RevPAR por redução de capacidade e aumento do preço

23-03-2018 (16h11)

Barcelona
Barcelona

5-estrelas foram excepção com queda em 2,4%

A hotelaria espanhola, que em Fevereiro teve um aumento das dormidas em apenas 1%, alcançou ainda assim um aumento da RevPAR média em 5,4%, com amentos em todas as categorias à excepção dos topo de gama 5-estrelas ouro, que tiveram uma queda em 2,4%.

Dados do INE espanhol consultados pelo PressTUR indicam que em Fevereiro a hotelaria teve -0,2% de quartos no mercado, o que, associado ao aumento, ainda que ‘magro’, das dormidas, lhe proporcionou um subida da taxa de ocupação média em 1,1 pontos, para 59,17%.

Também em ocupação os 5-estrelas ouro foram excepção, tendo uma queda de 1,3 pontos, para 63,75%, que também reflecte um aumento da capacidade em número de quartos em 1,9%, para 81 mil.

Os 4-estrelas ouro, que tiveram 46,4% dos total de quartos disponíveis, apesar de um aumento da capacidade em 1,1%, para 534,1 mil quartos, a taxa de ocupação subiu 0,68 pontos, para 68,77%.

A subida de ocupação mais forte do mês entre os estabelecimentos da categoria ouro deu-se nos 3-estrelas, que também são a segunda categoria com mais peso na oferta (22,9% do total d quartos, com 263,2 mil), com +1,7 pontos, para 62,5%, para a qual também contribuiu uma descida do número de quartos disponíveis em 2,9%, para 263,2 mil.

Nos 2-estrelas ouro, 3ª categoria com mais ‘peso’ no sector (7,4% dos quartos, com um total de 84,6 mil), a ocupação subiu um ponto, para 43,8%, também ajudada pela redução do número de quartos disponíveis em 2,1%.

A evolução em alta da ocupação das categorias com mais quartos à excepção dos 5-estrelas foi acompanhada por aumento generalizado dos preços, o mais forte dos quais nos 2-estrelas ouro, em 5,5%, para 55 euros, seguindo-se os 3 e 4-estrelas ouro, ambos com +4,5%, para 63,92 e para 88,95 euros.

Já nos 5-estrelas, que ao contrário dos outras categorias ouro teve queda da ocupação, a subida do preço ficou em 1%, para 175,5 euros.

Os topo de gama tiveram assim uma queda da RevPAR em 2,4% em Fevereiro, para 108,5 euros, que contrasta com aumentos em 5,5% nos 4-estrelas ouro, para 60,7 euros, em 6,3% nos 3-estrelas ouro, para 39,1 euros, e em 7,2% nos 2-estrelas ouro, para 23,94 euros.

 

Para ver mais clique:

Mercado português está a crescer a dois dígitos na hotelaria espanhola

 

Clique para mais notícias: Hotelaria espanhola

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

‘Rotas espanholas’ suspensas pela TAP tiveram quedas de passageiros em Julho e Agosto

09-10-2018 (15h10)

As três ‘rotas espanholas’ que a TAP vai suspender a partir de dia 28, início do chamado Inverno IATA, época baixa da aviação, Vigo, Corunha e Oviedo, segundo dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, tiveram crescimento do número de passageiros em 5,2% nos primeiros oito meses deste ano, mas com quebras em Julho e Agosto, últimos meses de que há dados.

Quebra da hotelaria espanhola já ultrapassa 1,5 milhões de dormidas

25-09-2018 (15h09)

A hotelaria espanhola teve em Agosto, tradicionalmente o mês de mais actividade, a terceira quebra de dormidas consecutiva provocada pelo decréscimo dos mercados internacionais.

Dormidas de portugueses na hotelaria espanhola ‘disparam’ 14% em Agosto

25-09-2018 (12h17)

Os portugueses foram os turistas com aumento mais forte das dormidas na hotelaria espanhola em Agosto, o principal mês de férias em Portugal, por aumentos simultaneamente do número de hóspedes e da estada média.

Barceló procura compradores para a Ávoris

17-09-2018 (13h41)

O Grupo Barceló está a procurar compradores para a Ávoris Reinventing Travel, a sua divisão de organização e comercialização de viagens, com marcas como B the travel brand, Jolidey ou Orbest, que avaliou em 350 milhões de euros.

eDreams Odigeo refinancia dívida de 425 milhões de euros

17-09-2018 (12h34)

O grupo eDreams Odigeo conseguiu refinanciar a sua dívida de 425 milhões de euros, com um acordo que “coloca a empresa numa posição muito mais forte, com maior flexibilidade”, de acordo com o seu director financeiro, David Elízaga.