Hotelaria espanhola compensa em preço o menor crescimento da procura

23-01-2018 (15h30)

A hotelaria espanhola fechou 2017 com um ‘magro’ aumento das dormidas quando comparado com 2016, mas ainda assim em RevPAR teve um aumento bem mais próximo, porque acelerou em subida dos preços, com +6,4%, enquanto em 2016 tinha ficado em +4,5%.

Os dados publicados hoje pelo INE espanhol indicam que os hotéis e hostales espanhóis realizaram uma receita média de quartos de 58,7 euros por quarto disponível (RevPAR), com um aumento em 9,4% face a 2016, ‘puxado’ por um aumento do preço médio das diárias e 6,4%, para 87,3 euros.

Estas subidas contrastam em alguma medida com a evolução do número de dormidas, em que o crescimento ficou nuns ‘magros’ +2,7%, representando ainda assim um aumento em 8,868 milhões, para ligeiramente acima dos 340 milhões.

A penalizar a evolução das dormidas esteve, globalmente, a estada média, que caiu 1%, para 3,29 noites, reduzindo assim o crescimento que ocorreu em número de hóspedes, que foi em 3,7% ou 3,65 milhões, para 103,49 milhões.

Por mercados emissores, foi o doméstico que penalizou a evolução, ao ter um aumento das dormidas em apenas 0,7% ou 797,5 mil, para 115 milhões, com aumento o número de hóspedes em 1,4% ou 684,4 mil, para 50,22 milhões, mas queda da estada média em 0,7%, para 2,29 noites.

Dos mercados internacionais os estabelecimentos espanhóis tiveram um aumento do número de hóspedes bem mais robusto, em 5,9% ou 2,97 milhões, para 53,269 milhões, mas também uma queda da estada média mais forte, em 2,1%, para 4,22 noites, pelo que o aumento relativo do número dormidas acabou por ficar em 3,7%, embora em valor absoluto atinja mais 8,07 milhões, para 225 milhões.

Os dados do INE espanhol indicam que ainda assim a taxa média de ocupação dos quartos subiu 2,33% (+6,12% em 2016), contando para esse efeito com uma moderação do aumento da oferta de quartos de +0,88% em 2016 para 0,27% no ano passado.

A taxa de ocupação deu assim um contributo para a evolução positiva da RevPAR da hotelaria espanhola em 2017, mas os dados mostram que o principal impulsionador foi o factor preço, com subidas de 5% ou mais em todas as categorias.

O aumento em 5% foi precisamente nos topo de gama, os 5-estrelas-ouro, que em valor absoluto fizeram, no entanto, o maior aumento, em 9,1 euros, para 190,4 euros.

Os 4-estrelas ouro, que são a categoria com mais quartos em Espanha, por sua vez, aumentaram no ano passado o preço médio em 6,1% ou 5,4 euros, para 93,8 euros, e os 3-estrelas ouro, segunda categoria com mais quartos, subiram 7,8% ou 5,2 euros, para 71,6 euros.

Nas categorias mais económicas de hotéis, os 2 e 1-estrela ouro, as subidas foram, respectivamente, em 5,9% ou 3,3 euros, para 59 euros, e em 5,4% ou três euros, para 58,4 euros.

Nos hostales, os de 3 e 2-estrelas prata subiram o preço médio em 6,4% ou 3,1 euros, para 51,9, e os de 1-estrela prata foram os ‘campeões’ dos aumentos, com +12,1% ou mais 5,1 euros, para 47,2 euros.

Em RevPAR, ou receita de quartos por quarto disponível, os 5-estrelas tiveram a subida mais moderada, em 4,5% ou 5,7 euros, para 132,1 euros, que aponta para que tenham registado uma queda da taxa de ocupação em cerca de 0,5 pontos, para aproximadamente 69,2%.

Nas restantes categorias, a única que também teve aumento da RevPAR de apenas um dígito foi a dos 4-estrelas ouro, com +7,4% ou mais 4,9 euros, para 71 euros, limitado por uma progressão da ocupação média em apenas cerca de 0,8 pontos para aproximadamente 75,9%.

Os 3-estrelas ouro tiveram uma subida em 11,3% ou 5,2 euros, para 51,3 euros, os 4-estrelas ouro tiveram +11,6% ou mais 3,3 euros, para 31,8 euros, e os 1-estrela ouro tiveram +10,9% ou mais 2,6 euros, para 26,4 euros.

Os hostales tiveram as subidas mais fortes da RevPAR, com +14,9% ou mais 2,8 euros nos 3 e 2-estrelas prata, para 18,8 euros, e +26,8% ou mais 4,1 euros nos 1-estrela prata, para 19,4 euros,

Estas unidades, além de terem feito os aumentos de preços mais fortes também foram as que tiveram subidas da taxa de ocupação média mais fortes, em cerca de 2,5 pontos nos 3 e 2-estrelas, para 41%, e em cerca de 4,4 pontos 1-estrela, para 41,5%.

Os hotéis de 3-estrelas ouro tiveram uma taxa média de 71,9%, mais cerca de 1,6 pontos que em 2016, os 2-estrelas ouro tiveram 53,6%, em alta de cerca de 2,8 pontos, e os 1-estrela ouro tiveram 45,1%, mais cerca de 1,7 pontos que em 2016.

 

Para ler mais clique:

Queda da estada média ‘corta’ crescimento do mercado português na hotelaria espanhola para 1,7%

Hotelaria espanhola fecha 2017 com mais 2,7% de dormidas

 

Clique para mais notícias: Espanha

Clique para mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vueling vai voar Lisboa – Valência no próximo Verão

12-12-2018 (17h00)

A Vueling, companhia de aviação do grupo IAG, de que fazem parte também a Iberia e a British Airways, vai voar três vezes por semana entre Lisboa e Valência no próximo Verão.

Voos entre Espanha e Reino Unido têm a terceira maior oferta de lugares de avião

07-12-2018 (18h01)

Os voos entre Espanha e o Reino Unido somaram 605.260 lugares na semana começada a 3 de Dezembro, o terceiro maior total em ligações entre dois países, depois dos voos entre os Estados Unidos e o Canadá, com 711.980 lugares, e entre os Estados Unidos e o México, com 697.442.

Iberia cresce 14,3% em Novembro e consolida liderança em crescimento de tráfego no IAG

05-12-2018 (17h41)

A espanhola Iberia foi uma vez mais em Novembro a companhia do IAG com o crescimento mais forte do tráfego, com um aumento em 14,3%, mais do dobro do aumento médio do grupo do qual fazem parte também a British Airways, a Aer Lingus e a Vueling.

Seguranças do Aeroporto de Madrid vão estar em greve no dia 21 de Dezembro

04-12-2018 (15h55)

O sindicato Alternativa Sindical convocou os profissionais de segurança da empresa Eulen no Aeroporto de Madrid-Barajas para uma greve no dia 21 de Dezembro.

Mercado emissor português sobressai em Espanha com crescimento em 21,5% em Outubro

03-12-2018 (15h43)

Espanha teve em Outubro um aumento em 21,5% do número de turistas residentes em Portugal, no que foi a segunda variação mais forte do mês entre os principais emissores, inferior apenas aos +23,4% de chegadas dos Estados Unidos.