Falta de slots impede Vueling de voar Bilbau - Lisboa no ‘pico’ do Verão

19-02-2018 (15h04)

A rota Bilbau - Lisboa que a Vueling, low cost espanhola do IAG vai iniciar a 26 de Março, com dois voos por semana, estará suspensa no ‘pico’ do Verão por falta de capacidade do Aeroporto da capital portuguesa, segundo informação da companhia de aviação.

Uma informação publicada no website da Vueling sobre o lançamento da rota Lisboa - Bilbau, na qual competirá com a TAP, a companhia escreve que não estará operacional entre 1 de Junho e 26 de Setembro “não por vontade da companhia, mas por falta de slots (faixas horárias de aterragem e descolagem) no aeroporto de Lisboa, que está no limite da sua capacidade operacional” (para ler mais no website da Vueling clique aqui).

A Vueling, segunda maior companhia em número de passageiros nos aeroportos espanhóis, com 34,787 milhões em 2017, apenas superada pela Ryanair, com 44,01 milhões, em Bilbau foi a nº 1, com 1,7 milhões de passageiros.

Portugal, por sua vez, foi a 6ª principal origem/destino internacional, com 83,5 mil passageiros, 77,9 mil deles em voos TAP.

A low cost do IAG indicou aos sistemas globais de reservas ter programado voar entre Bilbau e Lisboa duas vezes por semana, às segundas e sextas, a partir de 26 de Março, em Airbus A320.

Em horas locais, as partidas de Bilbau (voo VY2700) são às 14h50, com chegada a Lisboa prevista para as 15h25.

As partidas de Lisboa (voo VY2701), por sua vez, são às 16h05, com chegada ao Aeroporto de Bilbau às 18h40.

Além da nova rota de Bilbau, a Vueling também avançou com o lançamento da rota Palma de Maiorca - Lisboa, a partir de 2 de Junho, também duas vezes por semana em Airbus A320.

Em Palma de Maiorca a companhia líder em 2017 em número de passageiros foi a Ryanair, com 4,087 milhões, seguida pela então subsidiária austríaca da Air Berlin, a Niki, com 3,6 milhões, e, depois, a Vueling, com 2,23 milhões.

Portugal, por sua vez, foi a 18ª maior origem/destino internacional, com 87,8 mil passageiros.

A programação desta rota avançada pela Vueling indica que terá voos às quartas e Sábados.

Em horas locais, às quartas o voo sai de Palma às 19h15 para chegar a Lisboa às 20h15 e aos Sábados sai às 19h55 e tem chegada prevista para as 20h55.

As partidas de Lisboa são às 20h50, às quartas, e às 21h35, aos Sábados, com chegadas respectivamente às 23h50 e 00h30 do dia seguinte.

 

Clique para mais notícias: Vueling

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

‘Rotas espanholas’ suspensas pela TAP tiveram quedas de passageiros em Julho e Agosto

09-10-2018 (15h10)

As três ‘rotas espanholas’ que a TAP vai suspender a partir de dia 28, início do chamado Inverno IATA, época baixa da aviação, Vigo, Corunha e Oviedo, segundo dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, tiveram crescimento do número de passageiros em 5,2% nos primeiros oito meses deste ano, mas com quebras em Julho e Agosto, últimos meses de que há dados.

Quebra da hotelaria espanhola já ultrapassa 1,5 milhões de dormidas

25-09-2018 (15h09)

A hotelaria espanhola teve em Agosto, tradicionalmente o mês de mais actividade, a terceira quebra de dormidas consecutiva provocada pelo decréscimo dos mercados internacionais.

Dormidas de portugueses na hotelaria espanhola ‘disparam’ 14% em Agosto

25-09-2018 (12h17)

Os portugueses foram os turistas com aumento mais forte das dormidas na hotelaria espanhola em Agosto, o principal mês de férias em Portugal, por aumentos simultaneamente do número de hóspedes e da estada média.

Barceló procura compradores para a Ávoris

17-09-2018 (13h41)

O Grupo Barceló está a procurar compradores para a Ávoris Reinventing Travel, a sua divisão de organização e comercialização de viagens, com marcas como B the travel brand, Jolidey ou Orbest, que avaliou em 350 milhões de euros.

eDreams Odigeo refinancia dívida de 425 milhões de euros

17-09-2018 (12h34)

O grupo eDreams Odigeo conseguiu refinanciar a sua dívida de 425 milhões de euros, com um acordo que “coloca a empresa numa posição muito mais forte, com maior flexibilidade”, de acordo com o seu director financeiro, David Elízaga.