CTP está “muito pessimista em relação ao aeroporto” de Lisboa – Francisco Calheiros

27-10-2018 (18h08)

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, disse hoje estar “muito pessimista” em relação à solução aeroportuária para Lisboa, considerando que o projecto do Montijo está “a resvalar para 2023” e ainda pode “complicar mais”.

“O aeroporto [de Lisboa] esgotou. É a nossa principal prioridade e as notícias que temos não são boas”, começou por dizer Francisco Calheiros, na convenção do grupo de agências de viagens Go4Travel, a decorrer este fim-de-semana no hotel Vila Galé, em Coimbra.

“Se tudo tivesse corrido bem teríamos o Montijo a funcionar em 2022. As coisas não correram bem, provavelmente já estamos a resvalar para 2023. E eu penso que as coisas ainda se vão complicar mais”, enfatizou o presidente da CTP, justificando a sua apreensão com o facto de ainda não estar fechado “o acordo com a Força Aérea”, resolvido o “impacto na sustentabilidade”, “as contrapartidas camarárias” e “o acordo com a Vinci”.

A Agência Lusa noticiou hoje que continua por entregar o “novo Estudo de Impacte Ambiental” do projecto do aeroporto do Montijo, três meses depois de ter encerrado, a pedido da ANA Aeroportos de Portugal, o primeiro processo de avaliação (clique para ler: “Novo Estudo de Impacte Ambiental” para o aeroporto do Montijo ainda está por entregar – APA).

O constrangimento da capacidade aeroportuária em Lisboa, assim como a falta de mão-de-obra, são entraves ao crescimento do sector do turismo em Portugal, de acordo com o presidente da CTP, Francisco Calheiros, que considera que “estamos numa fase de fim de ciclo”.

“Não era possível continuar a crescer como estavamos a crescer. Houve de facto um abrandamento este ano”, disse o presidente da CTP, sublinhando que, porém, “o que mais desceu foi o mercado inglês e foi muito compensado brasileiros, americanos, chineses, que são turistas mais interessantes para nós, porque têm maior estadia média e, sobretudo, gastam mais”.

Por outro lado, em dez anos, entre 2002 e 2012, “crescemos 15%”, e entre 2012 e 2017, em cinco anos, “crescemos 46%”, o triplo do crescimento em metade do tempo, acrescentou Francisco Calheiros, argumentando que manter este ritmo de crescimento “não é sustentável”.

 

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Confirmadas mais duas explosões no Sri Lanka

21-04-2019 (11h26)

O ministro da Defesa do Sri Lanka, Ruwan Wijewardene, confirmou à imprensa que ocorreram mais duas explosões no país, nas áreas de Dehiwela e Dematagoda.

Atentados matam 156 no Sri Lanka um deles um turista português

21-04-2019 (10h18)

Atentados bombistas hoje de manhã contra três igrejas e três hotéis no Sri Lanka provocaram 156 mortos, entre os quais 35 estrangeiros, sendo um português, segundo informação da cônsul de Portugal em Colombo, Preenie Pine.

DECO recebeu mais de quatro mil queixas relativas a transporte aéreo em 2018

19-04-2019 (18h19)

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) recebeu mais de quatro mil reclamações relacionadas com transportes aéreos em 2018 e, no primeiro trimestre deste ano, elevam-se a 674.

Passes sociais no Algarve vão custar entre 14 e 40 euros

19-04-2019 (17h50)

Os passes dos transportes públicos no Algarve vão ter preços entre 14 e 40 euros, representando uma redução superior a 80% relativamente ao tarifário actualmente em vigor, anunciou hoje a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

Agência que fretou autocarro acidentado no Caniço garante todo o apoio às vítimas e familiares

19-04-2019 (17h40)

A agência de viagens Travel One, que fretou o autocarro que se despistou na quarta-feira provocando 29 mortos em Caniço, concelho de Santa Cruz, Madeira, assegurou estar “a envidar esforços para que seja prestado todo o apoio às vítimas e aos seus entes próximos neste momento difícil e de dor”.