Alemães e russos fazem cair turismo europeu nas Caraíbas

16-07-2018 (16h36)

Imagem: www.godominicanrepublic.com
Imagem: www.godominicanrepublic.com

Com menos 41 mil turistas que há um ano, Alemanha e Rússia foram os emissores responsáveis por uma queda no primeiro semestre do número de turistas residentes na Europa na Dominicana, que teve no pólo oposto principalmente os aumentos de turistas residentes em França e Portugal.

Os dados publicados pelo Banco Central da República Dominicana indicam que o país bateu a marca dos três milhões de turistas estrangeiros não residentes no primeiro semestre, com um aumento em 5% ou 144,9 mil, que se ficou a dever essencialmente aos seus dois maiores emissores, os Estados Unido, com mais 94,5 mil (+8,1%, para 1,259 milhões), e o Canadá, com mais 37,6 mil (+7,1%, para 570,3 mil).

Esses dois emissores bastaram para que a Dominicana tivesse crescimento do número de turistas estrangeiros não residentes, para o qual também tiveram contributos significativos a Argentina, com um aumento em 37,7% ou 33,3 mil, para 121,8 mil, e o Brasil, com +41,8% ou mais 17,8 mil, para 60,4 mil.

Mas ‘a destoar’ estiveram as chegadas de residentes na Europa, que baixaram 2,4% ou 16,4 mil, para 677,1 mil, principalmente pelas quebras das chegadas de residentes na Alemanha, em 19,6% ou 27,7 mil, para 113,6 mil, e Rússia em 11,5% ou 13,5 mil, para 104,6 mil, a que se somaram também quedas significativas da Suécia (menos 4,4 mil ou -31,2%, para 9,8 mil) e de Espanha (menos 2,4 mil ou -3,3%, para 70 mil).

Assim, o balanço das chegadas da Europa no primeiro semestre só não foi mais negativo pelos aumentos principalmente de França, maior emissor europeu, com 131,3 mil, e com o maior aumento no semestre, em 8,1 mil (+6,6%) e Portugal, que proporcionou o segundo maior aumento do período, com mais 7,3 mil (+74%, para 17,2 mil).

Os dados do Banco Central da Dominicana mostram que o país teve também aumentos expressivos das chegadas de turistas residentes na Ucrânia (ais 3,8 mil ou +84%, para 8,4 mil), Polónia (mais 3,2 mil ou +26,8%, para 15 mil), e República Checa (mais 2,3 mil ou +107,2%, para 4,5 mil).

 

Para ler mais clique:

Chegadas de turistas portugueses a Punta Cana aumentam 95% no 1º semestre

 

Clique para mais notícias: Dominicana

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Caraíbas

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turistas portugueses na Dominicana voltaram em 2018 a ser mais de 40 mil

16-01-2019 (17h50)

A República Dominicana recebeu 40,5 mil turistas residente em Portugal em 2018, que foi assim o segundo ano em que teve mais de 40 mil turistas residentes em Portugal, depois de em 2009 ter atingido os 42,7 mil, que se mantém o recorde anual.

Portugal foi o 2º emissor europeu que mais cresceu para a Dominicana em 2018

16-01-2019 (17h48)

Portugal, com mais 9.188 turistas na Dominicana em 2018, teve o segundo maior aumento do ano entre 25 emissores europeus, atrás apenas de Inglaterra, de onde o destino teve um aumento de 9.980 turistas.

Finnair vai voar de Helsínquia para Sapporo e Punta Cana

15-01-2019 (15h09)

A Finnair, que voa para Lisboa e tem programado voar também para o Porto no próximo Verão a partir de Helsínquia, vai inaugurar em Dezembro duas novas rotas de e para a capital finlandesa, nomeadamente Sapporo e Punta Cana.

Novo resort de luxo da Meliá em Cayo Santa Maria (Cuba) já abriu

18-12-2018 (17h37)

A Meliá já abriu o seu novo resort de luxo em Cayo Santa Maria, o 5-estrelas Paradisus Los Cayos, um hotel que alguns agentes de viagens e operadores turísticos portugueses e espanhóis tiveram a oportunidade de visitar durante uma famtrip a Cuba em Novembro.

Turismo internacional na Dominicana cresce sobretudo pelos residentes na América do Norte

17-12-2018 (16h21)

A República Dominicana, um dos destinos mais procurados nas Caraíbas, registou até Novembro um aumento de 245,5 mil turistas estrangeiros, com mais 243,1 mil residentes em países da América do Norte, que representaram 58,4% das chegadas totais, +2,1 pontos no período homólogo de 2017.