Ministro brasileiro diz que Governo não pretende interromper fusão Embraer/Boeing

08-01-2019 (17h51)

Foto: Embraer
Foto: Embraer

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do Brasil (GSI), general Augusto Heleno, afirmou que o Governo não pensa interromper a fusão entre as fabricantes de aeronaves Embraer e Boeing, após dúvidas levantadas pelo Presidente, Jair Bolsonaro.

"Não se está a pensar em interromper essa negociação, não”, afirmou o general Augusto Heleno, citado pelo jornal Folha de S. Paulo.

“Isso envolve um património físico, um património aeronáutico. Dentro desse património aeronáutico, existe uma preocupação muito grande com o património tecnológico, que foi conseguido a duras penas ao longo de muitos anos e que nós não pretendemos perder. Mas isso pode ser equacionado”, acrescentou o ministro.

A declaração aconteceu três dias após o Presidente do país, Jair Bolsonaro, ter levantado dúvidas sobre a fusão entre as duas empresas.
Numa entrevista à saída da Base Aérea de Brasília na última sexta-feira, Bolsonaro foi questionado sobre o negócio e respondeu que a proposta atual poderia afetar os interesses do país.

"Seria muito boa essa fusão [da Embraer com a Boeing], mas nós não podemos [aceitar o acordo], como está na última proposta, não é? Daqui a cinco anos, tudo pode ser repassado para o outro lado. A preocupação é essa, é um património nosso", disse Bolsonaro, sem entrar em mais detalhes.

Na entrevista, Bolsonaro referia-se a uma opção de venda de ações que garantia à empresa brasileira o direito de desfazer-se totalmente dos 20% que teria da 'joint venture' que pretende criar com a Boeing para fabricação de aeronaves comerciais.

Após as declarações do Presidente brasileiro, as ações da Embraer negociadas na Bolsa de Valores brasileira caíram 5%.

Em dezembro, a Embraer e a Boeing anunciaram que aprovaram os termos da parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial, que ainda depende de aprovação do Governo brasileiro, que detém uma ação especial da Embraer ('golden share'), que lhe dá o direito de barrar este tipo de negociação.

A Embraer mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA (65%), em Alverca.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Brasil

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air Europa ‘refreia’ capacidade para São Paulo no próximo Inverno

25-06-2019 (16h00)

A Air Europa, companhia de aviação do grupo espanhol Globalia, indicou que vai ter um Boeing B787-8 Dreamliner a voar entre Madrid e São Paulo Guarulhos no próximo Inverno IATA, entre 27 de Outubro e 29 de Fevereiro, quando anteriormente previa ter o modelo com mais capacidade, o B787-9.

Brasil teve em Maio mais um mês de quedas de receitas e gastos turísticos

24-06-2019 (16h57)

Os gastos de turistas estrangeiros no Brasil caíram 2,5% ou 10,88 milhões de dólares (cerca de 9,5 milhões de euros ao câmbio de hoje) em Maio, ainda assim menos do que a queda dos gastos dos brasileiros em viagens e turismo no estrangeiro, que registaram uma quebra em 8,9% ou 144,23 milhões de dólares (126,8 milhões de euros).

Jorge Rebelo de Almeida confirma proposta do Vila Galé para o Palácio Rio Branco na Bahia

23-06-2019 (15h11)

O presidente do Grupo Vila Galé, Jorge Rebelo de Almeida, confirmou hoje que o grupo apresentou uma proposta para reabilitar o Palácio Rio Branco, em Salvador, capital do estado da Bahia, no âmbito da implementação do programa Revive naquele estado brasileiro.

Magda Nassar assume presidência da ABAV nacional

17-06-2019 (11h23)

A ex-presidente da Braztoa Magda Nassar é a nova presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens (ABAV) nacional, em substituição de Geraldo Rocha que decidiu afastar-se do cargo por motivos de saúde.

Governo português quer mais 50% de turistas brasileiros até 2021

13-06-2019 (15h17)

O Governo português quer que o número de turistas brasileiros que visita o país aumente para 1,5 milhões até 2021, disse à Lusa, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que assim fixou um objectivo de crescimento em 50% deste emissor, que disse continuar a “ser uma aposta estratégica para o turismo português”.

Ultimas Noticias

Noticias mais lidas