Lisboa subiu este ano a destino internacional mais pesquisado no Brasil

19-07-2018 (16h54)

Lisboa é o destino internacional mais pesquisado no Brasil em 2018, segundo a imprensa brasileira, que cita uma pesquisa do portal Skyscanner.

As notícias referem que mais "buscado" que Lisboa só mesmo São Paulo, a maior metrópole brasileira, que ainda assim está com um ligeiro decréscimo do número de buscas em 2%, enquanto Lisboa regista um aumento em 8%.

Lisboa subiu assim de 3º a 2º destino nacional ou internacional mais buscado no Brasil, trocando com o Rio de Janeiro, que baixou para 3º global, com uma quebra do número de buscas em 22%, que se poderá explicar pelos receios causados pela violência.

A evolução do interesse por Lisboa indicada na pesquisa do Skyscanner está em linha com os dados do tráfego aéreo nos aeroportos portugueses a que o PressTUR teve acesso, bem como com os dados da hotelaria portuguesa publicados pelo INE.

Dados do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso indicam que o Brasil é a 5ª principal origem/destino no primeiro semestre, com 901,8 mil passageiros, o que regista o 4º maior aumento, com mais 138 mil que no período homólogo do ano passado (+18,1%), sabendo-se que mais de 50% dos passageiros são do mercado brasileiro.

Na hotelaria, por sua vez, os dados do INE cotam o Brasil como o país emissor com o segundo maior aumento do número de hospedes e dormidas no alojamento turístico português, respectivamente com mais quase 41 mil clientes (+12,6%, para 365,6 mil) e mais 95,3 mil pernoitas (+12,6%, para 853,4 mil).

Adicionalmente, dados entretanto divulgados pelo Turismo de Portugal colocam o Brasil como o emissor nº 1 para a hotelaria de Lisboa em número de dormidas, com 489,3 mil, mais cerca de 500 que as pernoitas de residentes em França, que lidera em número de hóspedes, com 193,9 mil, enquanto do Brasil são 181,6 mil.

Só depois surgem Miami e Nova Iorque, duas das cidades tradicionalmente mais buscadas pelos brasileiros, nomeadamente para compras, mas isso era quando o real estava valorizado em relação ao dólar, ao contrário do que acontece actualmente.

Ainda assim ambas estão com aumento das buscas, em 2% e em 10%, respectivamente.

Fortaleza, capital do Ceará surge na 7ª posição e é o destino do Nordeste brasileiro mais buscado, ainda que registe um decréscimo em 1%, enquanto Salvador, capital da Bahia, que vem na posição seguinte, tem um aumento em 12%.

A ‘vizinha' Santiago do Chile é no ranking do Skyscanner o 8º destino mais buscado, por um aumento das buscas em 37%, que é o mais forte do Top10 e que é interpretado como resultado dos ‘ajustamentos' que os brasileiros estão a fazer às suas viagens internacionais em consequência da valorização do dólar.

A seguir a Santiago surgem Paris, que estava em 5º no ano passado mas tem uma queda do número de buscas em 14%, e a capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, fecha o Top 10, duas posições acima do ranking de 2017, por um aumento das buscas em 5%.

A perspectiva transmitida pela imprensa brasileira é de que "Alta do dólar muda ranking dos destinos mais buscados pelos brasileiros", como titulava o "Diário do Nordeste".

A revista "Veja", além da Skyscanner, cita também uma pesquisa da Kayak, a partir da qual conclui que "destinos na América Latina, em especial Santiago e Buenos Aires, se transformam nos locais mais buscados por turistas do Brasil para fugir da alta do dólar".

A conclusão é que "o interesse dos brasileiros pela Europa caiu nos últimos tempos", pela desvalorização do real face ao dólar e ao euro, se bem que, como acrescenta, o estudo da Kayak "para identificar os dez destinos nacionais e internacionais que mais cresceram em percentagem de buscas no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2017" identificou duas cidades europeias, "Lisboa (em quarto da lista) e Roma (em décimo)".

Nesse ranking, especifica, a capital do Chile, Santiago, lidera "com 75% de aumento em relação a 2017", seguindo-se Buenos Aires, com 59%, e Cancun, com 54%.

E de seguida está Lisboa, também com aumento acima de 50%, com +51%, seguida por Boston, com +39%, Nova Iorque, com +39%, Lima, com +34%, Las Vegas, com +29%, Orlando, com +26%, e Roma, com +21%.

 

Para ler o artigo do Panrotas: Busca por destinos internacionais cresce mesmo com alta do dólar

Para ler o artigo da Veja clique: Viagens para a Europa perdem espaço entre turistas brasileiros

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CVC ultrapassou os cinco milhões de passageiros embarcados no primeiro semestre

14-08-2018 (17h56)

O grupo brasileiro CVC Corp, que engloba agências de viagens e operadores turísticos e vende viagens de lazer e corporativas, superou no primeiro semestre os cinco milhões de passageiros embarcados, com um aumento em 30,8% em relação ao período homólogo de 2017.

Queda da ocupação dos voos do grupo LATAM acentua-se em Julho

08-08-2018 (16h34)

O grupo LATAM, que tem programado ter voos da sua subsidiária LATAM Brasil (antiga TAM) entre São Paulo e Lisboa a partir de inícios de Setembro, teve em Julho uma queda da taxa de ocupação média dos seus voos em 2,1 pontos, para 84%, sobressaindo o decréscimo de 3,2 pontos em voos internacionais, para 84,6%.

Aigle Azur aumenta número de voos entre Viracopos e Paris Orly

07-08-2018 (10h59)

A Aigle Azur, detida maioritariamente pelo grupo chinês HNA e por David Neeleman, também accionista da TAP, vai reforçar a sua oferta de voos entre Paris Orly e Viracopos, no interior do estado de São Paulo.

British Airways já vende novos voos em Dreamliner Londres Heathrow - São Paulo Guarulhos

20-07-2018 (12h34)

A British Airways, maior companhia de aviação do IAG, já abriu as reservas para os dois novos voos entre Londres Heathrow e São Paulo Guarulhos em Boeing Dreamliner B787-9, que iniciará a 1 de Novembro.

CEO da Azul prevê joint-venture com a TAP até ao fim do ano

19-07-2018 (16h14)

O CEO da companhia brasileira Azul, de que o accionista da TAP David Neeleman é fundador e presidente, afirmou que as negociações com a TAP para a criação de uma joint-venture para voos transatlânticos ainda estão a decorrer e que prevê chegar a acordo no final deste ano.