Governo brasileiro diz que não vai vetar acordo entre a Boeing e Embraer

11-01-2019 (13h14)

Foto: Embraer
Foto: Embraer

O Governo brasileiro disse que não exercerá o poder de veto no acordo entre a empresa aeronáutica norte-americana Boeing e a brasileira Embraer, para a criação de uma nova empresa de aviação comercial que absorve a brasileira.

"O Presidente [Jair Bolsonaro] foi informado de que foram avaliados minuciosamente os diversos cenários e que a proposta final preserva a soberania e os interesses nacionais. Diante disso, não será exercido o poder de veto ao negócio", afirma o comunicado emitido pelo Governo do Brasil, acrescentando que a decisão foi tomada após uma reunião que decorreu ontem no Palácio do Planalto, em Brasília.

Em Julho passado, a Boeing e a Embraer, que é a terceira maior fabricante de aeronaves do mundo e líder no segmento de aeronaves para voos regionais, assinaram um acordo preliminar para a formação de uma 'joint venture', uma nova empresa na área de aviação comercial, avaliada em 4,75 mil milhões de dólares (cerca de 4,17 mil milhões de euros), detida em 80% pela Boeing.

Porém, as negociações entre as duas empresas estiveram paralisadas por ordem da justiça brasileira.

O acordo precisava da aprovação do Governo brasileiro, que é dono de uma ‘golden share’ (acção especial), que dá poder de veto em decisões estratégicas sobre a Embraer, como a transferência do controlo de acções da empresa.

A Embraer mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA (65%), em Alverca, distrito de Lisboa.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Brasil

Clique para ver mais: Embraer

Clique para ver mais: Boeing

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

GOL reduz capacidade no mercado doméstico brasileiro sem deixar de crescer

07-06-2019 (09h59)

A GOL, maior companhia de aviação brasileira em passageiros transportados em voos domésticos, indicou que em Maio teve um crescimento do tráfego em RPK (passageiros x quilómetros voados) neste mercado em 7%, apesar de ter reduzido a capacidade em ASK (lugares x quilómetros voados) em 0,5%.

Governo português quer mais 50% de turistas brasileiros até 2021

13-06-2019 (15h17)

O Governo português quer que o número de turistas brasileiros que visita o país aumente para 1,5 milhões até 2021, disse à Lusa, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que assim fixou um objectivo de crescimento em 50% deste emissor, que disse continuar a “ser uma aposta estratégica para o turismo português”.

Avianca Brasil forçada a suspender voos

27-05-2019 (17h57)

A autoridade brasileira da aviação ANAC anunciou que decidiu suspender a totalidade das operações da companhia aérea Avianca Brasil, do grupo de Efromovich, para “garantir a segurança dos passageiros”, segundo informa no seu website.

Magda Nassar assume presidência da ABAV nacional

17-06-2019 (11h23)

A ex-presidente da Braztoa Magda Nassar é a nova presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens (ABAV) nacional, em substituição de Geraldo Rocha que decidiu afastar-se do cargo por motivos de saúde.

Azul comunica às agências de viagens que tem “nova política de remuneração em voos internacionais”

28-05-2019 (18h17)

A Azul, companhia de aviação brasileira do ‘universo’ David Neeleman, como a TAP, comunicou hoje às agências de viagens que em voos internacionais deverão “cobrar a RAV [de Remuneração da Agência de Viagens] nos mesmos percentuais da DU”, pois esta taxa deixará de ser aplicada nesses voos.

Noticias mais lidas