GOL suspende voos em Boeing 737 Max 8 após acidente na Etiópia

12-03-2019 (10h26)

Imagem: Boeing
Imagem: Boeing

A companhia aérea brasileira GOL suspendeu temporariamente o uso dos seus sete aviões Boeing 737 Max 8, utilizados em voos internacionais de longo curso, após o acidente na Etiópia.

"Os clientes com viagens previstas nessas aeronaves serão reacomodados em voos da empresa ou de outras companhias aéreas. A central de atendimento da GOL fará contacto proativo para a realização destes ajustes", avançou a transportadora em comunicado.

A decisão foi partilhada no website da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) brasileira.

"A ANAC tem acompanhado as notícias do acidente que lamentavelmente ocorreu neste final de semana com uma aeronave da empresa Ethiopian Airlines, e mantém contacto com a empresa fabricante da aeronave, com a autoridade que originalmente a certificou, bem como com a GOL para avaliar as medidas que podem vir a serem adotadas", escreveu a agência.

A GOL tem sete aeronaves do modelo 737 Max 8 que operam, maioritariamente, em rotas para os Estados Unidos, América do Sul e Caraíbas.

A queda de um Boeing 737 Max 8 da Ethiopian Airlines no Domingo, quatro meses depois de um acidente semelhante com um avião da Lion Air na Indonésia, levou vários países e companhias a suspenderem os voos com estes aviões.

A autoridade de aviação civil chinesa solicitou às companhias da China que suspendessem os voos do Boeing 737 Max 8 até à confirmação das autoridades norte-americanas e da Boeing "das medidas tomadas para garantir efetivamente a segurança dos voos".

Também a Indonésia, cuja companhia Lion Air perdeu um Boeing 737 Max em 29 de outubro de 2018, com 189 pessoas a bordo, decidiu proibir que os aviões desse modelo voassem no país.

Na Etiópia, após o trágico acidente do voo ET302, no Domingo, em que morreram 157 pessoas, a Ethiopian Airlines decidiu imobilizar toda sua frota de Boeing 737 Max "até novo aviso".

A Boeing entregou quatro aviões à empresa etíope, que encomendou outros 29.

Porém, a maior parte das companhias aéreas continua a explorar os seus Boeing 737 Max 8.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Senado brasileiro aprova medida que retira limite ao investimento estrangeiro nas companhias aéreas brasileiras

23-05-2019 (09h07)

O Senado brasileiro aprovou na quarta-feira uma medida provisória que autoriza o investimento de até 100% de capital estrangeiro nas companhias aéreas instaladas no país, noticiou a imprensa local.

Voos entre Espanha e o Brasil crescem 11,7% impulsionados pelos voos LATAM de Barcelona

22-05-2019 (16h33)

O movimento de passageiros em voos entre Espanha e o Brasil cresceu 11,7% no primeiro quadrimestre, atingindo um total de 366,6 mil, com o crescimento a ser impulsionado principalmente pelas ligações com o Aeroporto de Barcelona El Prat, cuja principal operadora é a LATAM Brasil (antiga TAM).

Embratur já tem novo presidente, o 3º nomeado por Bolsonaro

21-05-2019 (16h21)

O empresário pernambucano Gilson Machado Neto é a mais recente escolha do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para liderar a Embratur, organismo que tem a seu cargo a promoção internacional do Brasil.

Air Europa avança para criação de companhia de aviação no Brasil

21-05-2019 (14h33)

A Air Europa, que é a companhia espanhola com mais rotas para o Brasil, está a avançar com a criação de uma subsidiária no Brasil, de acordo com a imprensa brasileira, que indica que já entregou à Junta Comercial de São Paulo um pedido para operar voos domésticos no Brasil.

TAP volta a ter a queda mais forte de vendas de bilhetes pelas agências corporate brasileiras

16-05-2019 (23h04)

A TAP foi a companhia que teve a mais forte quebra do número de bilhetes vendidos pelas agências de viagens corporate brasileiras membros da ABRACORP no primeiro trimestre, com um decréscimo em 28%, que compara com uma quebra média das vendas de voos internacionais pelas suas 29 associadas de 0,6%.

Noticias mais lidas