Brasil foi o destino com a maior queda de gastos turísticos dos portugueses em 2018

21-02-2019 (16h37)

O Brasil, que enfrentou vários desafios em 2018, nomeadamente uma sucessão presidencial turbulenta, foi o país que teve a maior quebra de gastos turísticos dos portugueses, entre 61 com dados publicados pelo Banco de Portugal, mas conseguiu ainda assim manter-se no Top10 dos destinos.

Os dados consultados pelo PressTUR mostram que o Brasil, que em 2014 ainda tinha sido o 6º país com maior montante de gastos dos portugueses em turismo contabilizados pelo Banco de Portugal, com 124,57 milhões de euros, caiu no ano passado para 10º, com 92,82 milhões, menos 23,98 milhões (-20,5%) que em 2017.

Depois do Brasil, a segunda maior queda do ano ocorreu com a Irlanda, com menos 6,55 milhões de euros (-11,3%, para 51,17 milhões), e seguiram-se Angola, com menos 5,3 milhões (-12,5%, para 37,2 milhões), Canadá, com menos 1,88 milhões (-6,2%, para 28,33 milhões), Moçambique, com menos 1,22 milhões (-6,2%, para 18,53 milhões), e Colômbia, com menos 1,11 milhões (-15,5%, para 6,04 milhões).

Os dados recolhidos pelo PressTUR mostram que no ano passado apenas tiveram queda de gastos turísticos dos portugueses 16 de 61 destinos com dados publicados pelo Banco de Portugal e que apenas em seis essas quedas foram superiores a um milhão de euros.

Quanto aos aumentos, os destinos com maiores aumentos relativos, uma medida que ‘favorece’ os que têm menores valores absolutos, pois pequenos aumentos levam a grande variações, a Nigéria liderou, com um aumento em 169,2%, para 0,7 milhões de euros, que a posicionou como 61º destino.

Seguiram-se os aumentos de gastos na Tunísia, na Turquia e no Egipto, três destinos que começaram a recuperar no ano passado depois de anos turbulentos.

Os gastos de turistas portugueses na Tunísia subiram 154,3%, para 10,53 milhões de euros, o aumento na Turquia foi em 129,8%, para 14,43 milhões, e no Egipto foi em 116%, para 4,06 milhões.

A Tunísia, que foi o 26º destino com mais gastos dos portugueses em 2014, no ano passado ainda ficou em 36º, a Turquia que foi 17º em 2014 ficou no ano passado em 29º, e o Egipto que em 2014 caiu para 60º, no ano passado subiu para 44º.

As outras variações mais fortes do ano de 2018 foram dos gastos em São Tomé e Príncipe, em 72,7%, para 11,66 milhões, Rússia, em 70,9%, para 24,12 milhões, Lituânia, em 67%, para 3,69 milhões, Chipre, em 65,5%, para 5,46 milhões, Estónia, em 64,7%, para 2,8 milhões, Marrocos, em 52,3%, para 35,54 milhões, e Malta, em 51,9%, para 10,57 milhões.

 

Para ler mais clique:

Espanha já fica com praticamente 30% dos gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro completam 72 meses consecutivos de aumentos

 

Clique para mais notícias: Balança portuguesa das Viagens e Turismo

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Embratur já tem novo presidente, o 3º nomeado por Bolsonaro

21-05-2019 (16h21)

O empresário pernambucano Gilson Machado Neto é a mais recente escolha do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para liderar a Embratur, organismo que tem a seu cargo a promoção internacional do Brasil.

Air Europa avança para criação de companhia de aviação no Brasil

21-05-2019 (14h33)

A Air Europa, que é a companhia espanhola com mais rotas para o Brasil, está a avançar com a criação de uma subsidiária no Brasil, de acordo com a imprensa brasileira, que indica que já entregou à Junta Comercial de São Paulo um pedido para operar voos domésticos no Brasil.

TAP volta a ter a queda mais forte de vendas de bilhetes pelas agências corporate brasileiras

16-05-2019 (23h04)

A TAP foi a companhia que teve a mais forte quebra do número de bilhetes vendidos pelas agências de viagens corporate brasileiras membros da ABRACORP no primeiro trimestre, com um decréscimo em 28%, que compara com uma quebra média das vendas de voos internacionais pelas suas 29 associadas de 0,6%.

Avianca Brasil suspensa do BSP

16-05-2019 (21h16)

A IATA comunicou ao mercado brasileiro que suspendeu do BSP a Avianca Brasil, marca sob a qual operava a Ocean Air, e, de acordo com o “Panrotas”, recomendou às agências de viagens que liquidem directamente com a equipa comercial da companhia todas as contas em aberto, incluindo vendas pendentes e reclamações de reembolso, assim como quaisquer transacções futuras.

Embraer perde mais 23,3% no primeiro trimestre

15-05-2019 (17h17)

A Embraer, fabricante brasileira de aviões, entre os quais os E190 e E195 utilizados pela TAP Express, teve um prejuízo de 160,8 milhões de reais (35,8 milhões de euros) no primeiro trimestre, +23,3% que no período homólogo de 2018.