Azul cresce 18,4% em Fevereiro apesar de estagnação em voos internacionais

07-03-2019 (14h24)

Imagem: Embraer
Imagem: Embraer

A companhia de aviação brasileira Azul, futura accionista da TAP, informou que em Fevereiro, época alta no Brasil, teve um crescimento do tráfego em RPK (passageiros x quilómetros voados) em 18,4%, proporcionado por um aumento em 24,4% em voos domésticos, porque em internacionais esteve próximo da estagnação.

A informação da companhia mostra aliás que em resultado dessa estagnação, com o crescimento do tráfego a ficar em 1,3%, a taxa média de ocupação dos seus voos internacionais caiu 4,7 pontos, para 78%.

A taxa média global da rede ainda assim subiu um ponto em Fevereiro, para 81,1%, pelo aumento de 2,9 pontos, para 82,1%, na rede doméstica, a qual concentrou 77,5% do seu tráfego total, mais 3,7 pontos que no mês homólogo de 2018.

No conjunto dos primeiros dois meses deste ano, a Azul está com um crescimento médio do tráfego em 15,6%, que não evita uma queda da taxa média de ocupação em 0,6 pontos, para 82,4%, porque fez um aumento de capacidade em 16,4%.

O sector dos voos internacionais foi o causador dessa queda da ocupação média, com um decréscimo de 4,4 pontos, para 83%, porque para um aumento de capacidade em 12,4% teve um crescimento do tráfego de apenas 6,8%, que fontes da aviação comentar poder reflectir a entrada da LATAM nos voos entre São Paulo e Lisboa, em concorrência com a TAP, que também voa de Guarulhos para Lisboa, e a Azul, que voa de Viracopos, Campinas, estado de São Paulo.

Em voos domésticos no primeiro bimestre, a Azul, que se apresenta como “a maior companhia aérea do Brasil em números de cidades atendidas, com 821 voos diários e 110 destinos”, teve um crescimento do tráfego em 18,7% e uma subida da taxa de ocupação em 0,7 pontos, para 82,3%.

O CEO da Azul, John Rodgerson, citado em comunicado sobre a evolução do tráfego em Fevereiro, afirmou que na companhia estão “bastante animados com os resultados decorrentes da adição de A320neos em nossa frota”.

“Fechamos o mês com 24 aeronaves de nova geração e continuaremos focados em acelerar nosso plano de transformação da frota”, acrescenta a declaração.

 

Clique para mais notícias: Azul

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Embratur já tem novo presidente, o 3º nomeado por Bolsonaro

21-05-2019 (16h21)

O empresário pernambucano Gilson Machado Neto é a mais recente escolha do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para liderar a Embratur, organismo que tem a seu cargo a promoção internacional do Brasil.

Air Europa avança para criação de companhia de aviação no Brasil

21-05-2019 (14h33)

A Air Europa, que é a companhia espanhola com mais rotas para o Brasil, está a avançar com a criação de uma subsidiária no Brasil, de acordo com a imprensa brasileira, que indica que já entregou à Junta Comercial de São Paulo um pedido para operar voos domésticos no Brasil.

TAP volta a ter a queda mais forte de vendas de bilhetes pelas agências corporate brasileiras

16-05-2019 (23h04)

A TAP foi a companhia que teve a mais forte quebra do número de bilhetes vendidos pelas agências de viagens corporate brasileiras membros da ABRACORP no primeiro trimestre, com um decréscimo em 28%, que compara com uma quebra média das vendas de voos internacionais pelas suas 29 associadas de 0,6%.

Avianca Brasil suspensa do BSP

16-05-2019 (21h16)

A IATA comunicou ao mercado brasileiro que suspendeu do BSP a Avianca Brasil, marca sob a qual operava a Ocean Air, e, de acordo com o “Panrotas”, recomendou às agências de viagens que liquidem directamente com a equipa comercial da companhia todas as contas em aberto, incluindo vendas pendentes e reclamações de reembolso, assim como quaisquer transacções futuras.

Embraer perde mais 23,3% no primeiro trimestre

15-05-2019 (17h17)

A Embraer, fabricante brasileira de aviões, entre os quais os E190 e E195 utilizados pela TAP Express, teve um prejuízo de 160,8 milhões de reais (35,8 milhões de euros) no primeiro trimestre, +23,3% que no período homólogo de 2018.