Boeing suspende entregas de aviões 737 MAX mas produção continua

15-03-2019 (10h13)

O fabricante norte-americano Boeing suspendeu a entrega de aeronaves 737 MAX, modelo do avião que caiu na Etiópia no Domingo, mas garantiu que a produção continua.

“Suspendemos as entregas do 737 MAX até encontrarmos uma solução”, disse um porta-voz da Boeing.

O porta-voz da empresa descartou a possibilidade de reduzir o ritmo de produção ou fechar temporariamente as fábricas.

“Estamos a avaliar as nossas capacidades e vamos ver onde é que os aviões que saem da linha de montagem vão ser armazenados”, referiu.

A Boeing produz actualmente 52 aviões MAX por mês e tinha previsto aumentar para 57 em Junho.

A queda do avião da Ethiopian Airlines, que tinha como destino Nairobi, capital do Quénia, ocorreu minutos depois de ter descolado, e provocou a morte aos 157 ocupantes da aeronave.

Em Outubro do ano passado, um Boeing 737 MAX 8 da companhia Lion Air despenhou-se na Indonésia, 12 minutos após a descolagem, segundo uma das caixas negras devido a falha no sistema automático, causando 189 mortos.

Dois dias depois do acidente na Etiópia, a Agência Europeia de Segurança Aérea (EASA) proibiu o modelo 737 MAX 8 e 9 de operar no continente europeu (clique para ler: Agência de Segurança Aérea Europeia interdita voos dos B737 MAX 8 e 9 na Europa).

As duas caixas negras do avião Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines serão analisadas em França, indicou o organismo francês de Investigação de Acidentes Aéreos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Boeing

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

DZT passa na Green Globe Certification pelo sexto ano consecutivo

22-03-2019 (18h33)

A Agência Nacional Alemã de Turismo, DZT, passou na certificação anual da Green Globe, dedicada à sustentabilidade na indústria do turismo, pelo sexto ano consecutivo.

Grupo TAP tem prejuízo de 118 milhões de euros em “ano necessário”

22-03-2019 (18h06)

O Grupo TAP passou de um lucro de 21,2 milhões de euros em 2017 para um prejuízo de 118 milhões de euros em 2018, um ano de transformação necessária para preparar o futuro, segundo descreveram hoje Miguel Frasquilho, Antonoaldo Neves e David Neeleman.

TAP quer acabar com “dependência” do Brasil através da diversificação de mercados

22-03-2019 (16h42)

A TAP está a trabalhar na diversificação de mercados para acabar com a “dependência” do Brasil, um mercado que representa quase 25% das vendas totais da companhia e que no ano passado teve uma quebra de receitas de 10%, em euros.

Brexit: Governo aprova campanha para promover Algarve e Madeira no Reino Unido

22-03-2019 (15h24)

O ministro Adjunto e da Economia anunciou uma campanha turística especial para promover o Algarve a Madeira no Reino Unido, dois destinos em relação aos quais percebeu haver uma “preocupação maior” com o ‘Brexit’.

TAP vai investir “cada vez mais” nas vendas directas

22-03-2019 (15h13)

As vendas da TAP através dos seus canais directos, como o seu website e o contact center, representaram 41% das vendas da companhia aérea em 2018, e o objectivo é chegar a 50%, disse hoje Raffael Quintas, Chief Financial Officer (CFO) da companhia.