Turquia atingiu em Novembro passado o recorde anual de 37,5 milhões de visitantes estrangeiros

02-01-2019 (17h42)

A um mês do fim de 2018, a Turquia já tinha mais quase 700 mil euros que no seu anterior melhor ano de sempre, o de 2014, atingindo o total de 37,5 milhões, +22,2% ou mais 6,8 milhões que nos 11 meses de Janeiro a Novembro de 2017.

Dados do Ministério turco da Cultura e do Turismo recolhidos pelo PressTUR indicam que o maior contributo para o crescimento em relação a 2017 veio da Rússia, com um aumento de visitantes na Turquia em 26,2% ou 1,2 milhões, seguida pela Alemanha, com +25,6% ou mais 882,2 mil, pelo Reino Unido, com +36,5% ou mais 590,9 mil, pela Bulgária, com +29,1% ou mais 491,2 mil, e pela Polónia, com +119,3% ou mais 344,8 mil.

A Rússia estabeleceu-se assim como o primeiro emissor para a Turquia, com 5,86 milhões de visitantes entre Janeiro e Novembro do ano passado, seguida pela Alemanha, com 4,33 milhões, pelo Reino Unido, com 2,21 milhões, pela Bulgária, com 2,18 milhões, e pela Geórgia, com 1,93 milhões, que foi o único dos cinco maiores emissores a evoluir em quebra no ano passado, com um decréscimo de 14,3% ou 321,5 mil.

Esta foi a tendência do 6º maior emissor nos primeiros onze meses de 2018, o Irão, com uma descida em 18,2% ou 420,4 mil, para 1,89 milhões, a qual não impede que o aumento médio do Top10 tenha atingido 15,8%, significando um aumento de cerca de 3,1 milhões, ainda que também da Ucrânia, 7º maior emissor, o aumento também tenha sido ‘magro’ em relação à média, em 7,8%, para 1,35 milhões.

Do Iraque, 8º maior emissor, a Turquia recebeu 1,08 milhões de visitantes, em alta de 30,7% ou 255,1 mil, da Holanda recebeu 980,5 mil, em alta de 27,3% ou 210,3 mil, e do Azerbaijão recebeu 802,8 mil, em alta de 12,6% ou 89,6 mil.

Os dados do Ministério turco da Cultura e do Turismo especificam que dos 37,5 milhões de visitantes não residentes recebidos pelo país até Novembro, inclusive, 44,1% ou 16,57 milhões chegaram de países europeus, dos quais teve um aumento médio em 32,6% que significou mais 4,07 milhões que no período homólogo de 2017.

Da Ásia o aumento foi em 13,1% ou 842,4 mil, para 7,25 milhões, sobressaindo o aumento das chegadas de residentes na China, em 67,1% ou 148,5 mil, para 369,9 mil.

Os dados oficiais indicam aliás para um conjunto de 94 mercados emissores, que apenas três apresentam quebras de chegadas à Turquia nos primeiro onze meses de 2018, os Emirados Árabes Unidos (-8,5% ou menos 3,5 mil, para37,8 mil) além da Geórgia e do Irão.

 

Clique para mais notícias: Turquia

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Macau quer atrair mais convenções, congressos e exposições

17-01-2019 (14h07)

O Governo de Macau pretende tornar o território mais competitivo na atracção de mais convenções, congressos e exposições, o segmento MICE, apesar das melhorias neste sector nos últimos anos, anunciou hoje o secretário para a Economia e Finanças daquela região.

TAP prevê ter “em breve” voos em code-share Lisboa – Pequim, via Xi’an, diz Miguel Frasquilho

15-01-2019 (17h17)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, disse hoje que a companhia prevê ter “em breve”, previsivelmente “em Fevereiro ou Março”, um acordo de code-share com a Beijing Capital Airlines para vender os seus voos entre Lisboa e Pequim, via Xi’An.

Finnair vai voar de Helsínquia para Sapporo e Punta Cana

15-01-2019 (15h09)

A Finnair, que voa para Lisboa e tem programado voar também para o Porto no próximo Verão a partir de Helsínquia, vai inaugurar em Dezembro duas novas rotas de e para a capital finlandesa, nomeadamente Sapporo e Punta Cana.

Aeroporto Internacional de Macau quer reduzir as emissões de CO2 em 30% até 2028

15-01-2019 (14h38)

O Aeroporto Internacional de Macau anunciou hoje a intenção de reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) em 30% por movimento até 2028.

Aeroporto de Macau prevê fechar receitas de 2018 acima de 540 milhões de euros

10-01-2019 (16h03)

O aeroporto internacional de Macau (MIA) indicou esperar receitas superiores a cinco mil milhões de patacas (cerca de 540 milhões de euros) em 2018, ano em que bateu o recorde do número de passageiros.