Turismo de Portugal quer maior estada média dos chineses em Portugal

31-08-2019 (15h04)

Imagem: Beijing Capital Airlines
Imagem: Beijing Capital Airlines

Um dos objectivos do Turismo de Portugal relativamente ao novo voo da Beijing Capital para Lisboa, que começou ontem, é "aumentar a estadia média" do turista chinês em Portugal, declarou Filipe Silva, administrador do Turismo de Portugal, na inauguração da rota aérea Lisboa - Xi'an - Pequim.

O responsável salientou também “a parte de compras, que é bastante sensível e apelativa”, acrescentando que “Portugal está cada vez mais capacitado não só na oferta de compras adaptadas ao turista chinês, mas também nas próprias condições em termos de 'tax free' [compras livres de impostos], que é um elemento que valorizam bastante”.

Dados do INE indicam que no primeiro semestre os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram alojados 194,4 mil turistas residentes na China, que realizaram praticamente 301 mil dormidas.

Em número de turistas, Portugal teve um aumento da procura chinesa em 18,4%, mas em dormidas o aumento ficou em 15,9%, por efeito de um decréscimo da estada média em 2,1%, para 1,55 noites, muito aquémdo que foi referido pelo administrador do Turismo de Portugal que, segundo a Lusa, disse que a estada média “pode variar de programas 'tailor-made' de três, cinco ou sete noites” sobretudo em grupos.

A ligação inaugural do novo voo da Beijing Capital para Lisboa aterrou em Lisboa pelas 17h41 de sexta-feira, com 202 pessoas, e o regresso do avião à China partiu às 22h58, com 177 passageiros, disse à Lusa uma representante da Beijing Capital Airlines.

Presentes na cerimónia inaugural estiveram representantes da Embaixada da República Popular da China em Lisboa, da Beijing Capital Airlines e da ANA Aeroportos.

No primeiro ano que voou para Portugal, a Capital Airlines transportou mais de 80 mil passageiros, segundo dados da empresa, que indicam ainda uma taxa média de ocupação do voo de 80% nos meses mais fracos, enquanto na época alta superou os 95%.

A Capital Airlines é detida em parte pelo grupo chinês HNA, que enfrenta uma grave crise de liquidez, depois de ter fechado 2017 com uma dívida de 598 mil milhões de yuan (cerca de 77 mil milhões de euros).

Em Dezembro passado, no entanto, o outro accionista do grupo, a firma estatal Beijing Tourism Group, aumentou a sua participação na companhia aérea, através de uma injecção de capital e aquisição de parte das acções detidas pela HNA.

 

Clique para mais notícias: Beijing Capital

Clique para mais notícias: China

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Macau atraiu em 2019 mais visitantes portugueses

21-01-2020 (16h21)

A região de Macau, que é o destino de jogo líder mundial, terminou 2019 com um aumento do número de visitantes residentes em Portugal em 2,4%, com subida do número de turistas, ou seja, dos visitantes que pernoitaram pelo menos uma noite, em 5,7%.

Governo australiano vai investir 1,24 mil milhões de euros no turismo

17-01-2020 (11h58)

O primeiro-ministro australiano Scott Morrison anunciou hoje o investimento de 1,24 mil milhões de euros no turismo, remetendo para a próxima semana os detalhes do plano de recuperação que tem como objectivo dar “um grande impulso” ao turismo na Austrália, país assolado por uma vaga de incêndios que dura há quatro meses.

Dados preliminares indicam número recorde de visitantes a Macau

15-01-2020 (18h56)

De acordo com dados preliminares fornecidos pelo Governo da Região Administrativa de Macau, a cidade recebeu mais de 39,4 milhões de visitantes em 2019, um aumento de 10,1% em relação ao ano de 2018.

Air Macau inaugura quinto voo diário para Pequim

13-01-2020 (15h13)

A companhia de aviação Air Macau inaugurou hoje uma nova ligação para Pequim-Daxing, o novo e segundo aeroporto internacional de Pequim, elevando para cinco o número de voos diários para a capital chinesa.

Estudo mostra divergências sobre aplicação de taxa turística em Macau

10-01-2020 (12h05)

A esmagadora maioria dos residentes em Macau concorda com a criação uma taxa turística no território, enquanto 80% dos operadores do sector estão contra, de acordo com um estudo promovido pelo Governo do território.

Noticias mais lidas