Primeiro ano dos voos Lisboa – Pequim garante perspectiva de “crescimento futuro” – Beijing Capital Airlines

26-07-2018 (12h12)

A Beijing Capital Airlines anunciou que transportou mais de 80 mil passageiros no primeiro ano de operação da rota Lisboa – Pequim, com 80% de ocupação na época baixa e 95% na época alta, o que é uma “garantia de uma perspectiva positiva de crescimento futuro”.

Nos dias 25 e 26 de Julho do ano passado, a companhia aérea inaugurou as rotas entre Pequim e Lisboa e entre Lisboa e Pequim, respectivamente, ligações que a companhia aérea encara como "uma conquista importante para o relacionamento China - Portugal, enriquecendo a cooperação entre as duas nações em diversos campos", segundo um comunicado.

Os resultados do primeiro ano de operação "permitiram-nos adquirir uma compreensão mais profunda do mercado para estar em excelente posição no fortalecimento das ligações entre a China e Portugal", diz a transportadora.

A Beijing Capital Airlines destaca que os seus voos entre a capital portuguesa e a capital chinesa, operados três vezes por semana, possibilitam conexão em Pequim com os seus voos para Macau, inaugurados a 25 de Julho do ano passado.

A companhia aérea do grupo HNA, também accionista da Azul e da TAP, apresenta-se como a maior companhia de aviação de dimensão média na China, com 79 aviões a operar 49 rotas internacionais para 26 cidades em 13 países da Europa, América do Norte, Japão, Coreia do Sul e Sudeste Asiático.

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256.735, segundo dados das autoridades portuguesas, que atribuem o aumento à abertura da ligação aérea directa.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), os turistas chineses foram responsáveis por 415.882 dormidas em Portugal, mais 109.240 que em 2016.

O Banco de Portugal, única fonte reconhecida internacionalmente de dados da balança das viagens e turismo, de acordo com dados consultados pelo PressTUR, indicou que os turistas chineses despenderam em Portugal 129,58 milhões de euros em 2017, com um aumento em 79,9% ou 57,57 milhões relativamente a 2016.

A China entrou assim para o Top20 dos emissores para Portugal em receitas turísticas, em 18º, quando em 2016 tinha sido 20º e em 2015, 23º.

A China é já o maior emissor mundial de turistas e, segundo dados do Governo chinês, 129 milhões de chineses viajaram para o estrangeiro em 2017, mais 5,7% do que no ano anterior.

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: China

Clique para ver mais: Beijing Capital Airlines

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Tufão obriga a cancelamento de mais de 100 voos em Tóquio

08-08-2018 (12h30)

Mais de 100 voos foram hoje cancelados em dois dos principais aeroportos de Tóquio, devido à aproximação de um tufão da capital japonesa e com a chuva a começar a fustigar a cidade.

Aeroporto de Macau atinge recorde mensal de passageiros em Julho

02-08-2018 (14h01)

O Aeroporto Internacional de Macau anunciou hoje em comunicado que em Julho atingiu novos recordes, com 5,7 mil voos e 740 mil passageiros.

Casinos de Macau completam 24 meses seguidos de recuperação das receitas de jogo

01-08-2018 (15h41)

Os Casinos de Macau, que são a maior indústria de jogo a nível mundial, tiveram em Julho o 24º mês consecutivo de aumento das receitas brutas de jogo, com uma subida face a 2017 em 10,3% ou 2.363 milhões de patacas (292,3 milhões de euros), ficando, no entanto, ainda 4.158 milhões de patacas (514,3milhões de euros), abaixo de Julho de 2012.

Hotelaria de Macau recebeu mais de 6,8 milhões de hóspedes no primeiro semestre

30-07-2018 (10h31)

Os hotéis e pensões de Macau receberam mais de 6,8 milhões de hóspedes no primeiro semestre, mais 7,8% que no período homólogo de 2017, indicam dados oficiais hoje divulgados.

Macau recebe mais 15,4% de turistas portugueses em Junho

23-07-2018 (15h46)

Macau teve em Junho um aumento das chegadas de turistas portugueses em 15,4%, segundo os dados dos seus Serviços de Estatística e Censos (DSEC), que, relativamente ao acumulado do ano indicam que ainda se regista uma queda, em 3,8%.