Casinos de Macau completam 24 meses seguidos de recuperação das receitas de jogo

01-08-2018 (15h41)

Os Casinos de Macau, que são a maior indústria de jogo a nível mundial, tiveram em Julho o 24º mês consecutivo de aumento das receitas brutas de jogo, com uma subida face a 2017 em 10,3% ou 2.363 milhões de patacas (292,3 milhões de euros), ficando, no entanto, ainda 4.158 milhões de patacas (514,3milhões de euros), abaixo de Julho de 2012.

Analistas citados pela imprensa internacional realçam que os Casinos de Macau enfrentaram em Julho factores adversos, como por exemplo ter sido um mês com menos um domingo que em 2017, bem como ter sido o mês em que se disputou na Rússia o Mundial de Futebol.

Ainda assim, as receitas brutas de jogo dos Casinos de Macau subiram 10,3% em Julho, que foi assim o 5º mês consecutivo de aumento a dois dígitos, contribuindo para que no conjunto dos primeiros sete meses deste ano o maior centro mundial de jogo registe um aumento médio das receitas brutas de jogo em 17,5%, representando uma subida de 26.204 milhões de patacas (3,2 mil milhões de euros) em relação ao período homólogo de 2017.

O montante  total de receitas brutas de jogo dos Casinos de Macau este ano eleva-se, assim, a 175.544 milhões de patacas (21,7 mil milhões de euros), que é o montante mais elevado para este período do ano desde o ano de 2014, relativamente ao qual ainda ficou quase 46 mil milhões de patacas (5,68 mil milhões de euros) abaixo.

Porém, nos primeiros sete meses de 2016 essa quebra estava em 95,9 mil milhões de patacas (11,87 mil milhões de euros), o que significa que com a recuperação iniciada em Agosto de 2015, os Casinos já anularam quase metade da diferença.

E de acordo com analistas citados pela imprensa internacional, com a particularidade de a recuperação estar a contar com uma contribuição mais forte do que designam por jogadores recreativos, referindo-se a turistas que aproveitam estarem no maior centro mundial de jogo para testarem a sorte.

Essa evolução, desejada pelas autoridades locais, até pelo efeito multiplicador na economia de Macau, não significa no entanto que a maioria das receitas não estejam dependentes dos clientes de alto valor aquisitivo em jogos organizados por junkets profissionais, os mais importantes dos quais cotados em Hong Kong.

 

Clique para mais notícias: Macau

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Macau recebe mais de 3,5 milhões de visitantes em Fevereiro

22-03-2019 (14h56)

Macau, que no final do ano passado inaugurou a maior travessia marítima do mundo que conecta Macau, Hong Kong e Zhuhai, recebeu mais de 3,5 milhões de visitantes em Fevereiro, mês no qual se celebrou a chegada do Ano Novo Chinês.

Travelport e Japan Airlines juntam-se para criar um GDS líder no Japão

19-03-2019 (18h25)

A Travelport e a Japan Airlines assinaram um acordo para lançar uma joint venture que visa desenvolver um GDS líder no Japão, através da integração das plataformas Travelport Japan e a Axess International Network.

HNA vende participação na TAP à Azul e ao fundo norte-americano Global Aviation Ventures

15-03-2019 (13h02)

O conglomerado chinês HNA vendeu a participação de 9% que detinha na TAP através do consórcio Atlantic Gateway à companhia aérea brasileira Azul e ao fundo norte-americano Global Aviation Ventures.

Turistas portugueses “são bastante valiosos” para Macau, Alexis Tam

12-03-2019 (23h55)

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam, afirmou que os turistas portugueses “são bastate valiosos” devido ao elevado tempo médio de permanência no território, que foi o mais elevado entre os principais mercados europeus em 2018, segundo dados consultados pelo PressTUR.

“Mistura das culturas é o que faz Macau diferente”, Maria Helena de Senna Fernandes

12-03-2019 (18h43)

Macau está a apostar na diversificação dos seus atractivos e a herança portuguesa vai continuar a ter um papel importante, porque a “mistura das culturas é o que faz Macau diferente”, disse ao PressTUR a directora dos Serviços de Turismo de Macau, Maria Helena de Senna Fernandes.