Casinos de Macau beneficiam do crescimento do turismo

02-01-2019 (15h45)

Os Casinos de Macau somaram em 2018 o terceiro maior montante anual de receitas brutas de jogo de sempre, que analistas citados pela imprensa internacional atribuem ao crescimento do chamado "jogo recreativo", referindo-se a turistas que aproveitam para desfrutar de estarem no maior pólo mundial de jogo.

A informação divulgada pela Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos indica que a receita bruta de jogo dos Casinos do território voltou no ano passado a superar as 300 mil milhões de patacas, o que já não acontecia desde 2014.

Com o total de 302.846 milhões de patacas (32,6 mil milhões de euros ao câmbio de hoje), as receitas brutas dos Casinos tiveram em 2018 um crescimento médio em 14% relativamente a 2017, que significou um aumento de 37,1 mil milhões de patacas (quatro mil milhões de euros).

Esse montante, porém, ainda ficou 57,9 mil milhões de patacas abaixo do total do ano de 2013, em que foi atingido o recorde de 360,7 mil milhões de patacas (38,89 mil milhões de euros).

A seguir a esse ano recorde, seguiram-se quebras em 2014 (-2,6%), 2015 (-34,3%) e 2016 (-3,3%), ano em que as receitas ficaram 137,5 mil milhões de patacas (14,8 mil milhões de euros) abaixo do ano recorde de 2013.

Desde então, com a recuperação iniciada há 26 meses, desde Agosto de 2016, a quebra face ao ano recorde já se reduziu em quase 58%, para 57,9 mil milhões de patacas (6,2mil milhões de euros), que analistas têm atribuído a recuperação do mercado de jogadores VIP, e, sobretudo, a impulso do "mercado de massa", identificado com o turismo, cujos dados mais recentes, relativos aos 11 meses de Janeiro a Novembro de 2018, indicam um aumento de hóspedes na hotelaria em 7,5%, atingindo um total de 12,85 milhões.

A informação da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos de Macau especifica que no passado mês de Dezembro, as receitas brutas dos Casinos de Macau elevaram-se a 26.468 milhões de patacas (2,85 mil milhões de euros), com um aumento em 16,6% ou 3,7 mil milhões patacas (406,3 milhões de euros) em relação a Dezembro de 2017.

Os Casinos de Macau ‘despediram-se' assim de 2018 com o terceiro maior montante de receitas brutas de jogo num mês de Dezembro, depois de 33.460 milhões de patacas em 2013 e 28.245 milhões em 2012, e 44,3% ou 8,1 mil milhões de patacas relativamente a Dezembro de 2015.

 

Clique para mais notícias: Casinos de Macau

Clique para mais notícias: Macau

Clique para mais notícias: Ásia&Pacífico

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Macau quer atrair mais convenções, congressos e exposições

17-01-2019 (14h07)

O Governo de Macau pretende tornar o território mais competitivo na atracção de mais convenções, congressos e exposições, o segmento MICE, apesar das melhorias neste sector nos últimos anos, anunciou hoje o secretário para a Economia e Finanças daquela região.

TAP prevê ter “em breve” voos em code-share Lisboa – Pequim, via Xi’an, diz Miguel Frasquilho

15-01-2019 (17h17)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, disse hoje que a companhia prevê ter “em breve”, previsivelmente “em Fevereiro ou Março”, um acordo de code-share com a Beijing Capital Airlines para vender os seus voos entre Lisboa e Pequim, via Xi’An.

Finnair vai voar de Helsínquia para Sapporo e Punta Cana

15-01-2019 (15h09)

A Finnair, que voa para Lisboa e tem programado voar também para o Porto no próximo Verão a partir de Helsínquia, vai inaugurar em Dezembro duas novas rotas de e para a capital finlandesa, nomeadamente Sapporo e Punta Cana.

Aeroporto Internacional de Macau quer reduzir as emissões de CO2 em 30% até 2028

15-01-2019 (14h38)

O Aeroporto Internacional de Macau anunciou hoje a intenção de reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) em 30% por movimento até 2028.

Aeroporto de Macau prevê fechar receitas de 2018 acima de 540 milhões de euros

10-01-2019 (16h03)

O aeroporto internacional de Macau (MIA) indicou esperar receitas superiores a cinco mil milhões de patacas (cerca de 540 milhões de euros) em 2018, ano em que bateu o recorde do número de passageiros.