Anúncio da substituição do CEO da TAP ‘acelerou’ ontem

11-01-2018 (12h50)

Fernando Pinto (Foto: TAP)
Fernando Pinto (Foto: TAP)

Antonoaldo Neves é “o sucessor lógico” de Fernando Pinto, foi com esta frase que Trey Urbahn, actual Chief Strategist da TAP e um dos homens de confiança de David Neeleman, lançou em fins de Agosto a substituição da liderança executiva cujo anúncio ‘acelerou’ ontem, com o alargamento da reunião do Management Team a quadros superiores.

“O Chief Executive Officer, Fernando Pinto, convida-o a participar em reunião do Management Team da TAP”, dizia o email que ontem de manhã chegou aos computadores de vários quadros superiores da companhia, confirmando para grande parte deles que se trataria do anúncio por Fernando Pinto de que a Assembleia Geral da companhia marcada para 31 de Janeiro iria ser o ‘ponto final’ da liderança executiva da TAP, que se viu ‘forçado’ a assumir em finais de 2000 quando havia um acordo tácito e não público com o então presidente Norberto Pilar para que fosse apenas 1 de Janeiro de 2001.

O que se passou foi que Fernando Pinto e os outros ex-Varig que com ele vieram para Lisboa, Michael Conoly, Luiz Mór e Manoel Torres, se viram confrontados com uma greve dos tripulantes de cabina ‘em cima’ de um Congresso da APAVT, em que a Associação anunciou ter ganho uma providência cautelar relativamente a comissões que iria custar milhões.

Embora sem o desejar, Fernando Pinto e os outros gestores, que planeavam passar os últimos meses de 2000 a conhecer melhor a TAP, viram-se na contingência a terem que ‘pôr as mãos na massa’ desde logo, com Luiz Mór a embarcar para Fortaleza onde se foi encontrar com os dirigentes da APAVT e iniciou um processo de aproximação entre as duas entidades.

O fim desse ciclo foi naturalmente a privatização da companhia, com a ironia de que ao que tudo indica foi Fernando Pinto que ‘cativou’ David Neeleman para a TAP e que defendeu essa opção perante o Governo, em detrimento de German Efromovich, embora em público sempre tivesse mantido o discurso de que a privatização era matéria do accionista e não da gestão.

Os sinais de que a mudança não iria fazer-se esperar é que pouco depois de resolvida a privatização, os dois homens de confiança de Fernando Pinto que restavam na gestão executiva, Manoel Torres e Luiz Mór, foram relegados para funções sem poder executivo, o primeiro deles poucos meses antes do seu falecimento e o segundo ‘oficiosamente’ em meados de Dezembro.

E nessa altura também já a substituição de Fernando Pinto estava em marcha. Começou em finais de Agosto, lançada por Trey Urbahn, que foi nos primeiros tempos o principal homem de confiança de David Neeleman da TAP, ao ponto de ser a ele que todos os gestores de áreas operacionais tinham que reportar e que depois da chegada de Antonoaldo Neves à companhia e de o substituir como Chief Commercial Officer manteve-se no topo da gestão executiva, como Chief Strategy Officer (clique para ler: Trey Urbahn vai manter-se na TAP como Chief Strategy Officer).

Antonoaldo Neves é “o sucessor lógico” de Fernando Pinto, anunciou Trey Urbahn ao FlightGlobal e embora alguns sectores da empresa não quisessem acreditar, alegando que Humberto Pedrosa iria “peitar” David Neeleman e ‘bater o pé’ por Fernando Pinto, que alegadamente seria o preferido pelo Governo português.

Mas era mesmo disso que se tratava, de investir o ex-presidente da Azul em CEO em lugar de Fernando Pinto, e o Governo português não estava minimamente interessado em contrariar a escolha de Neeleman, como o administrador designado pelo Executivo Diogo Lacerda Machado deixou claro durante o Congresso da APAVT que decorreu em finais de Novembro em Macau.

“Admito que Antonoaldo Neves no futuro possa ser uma opção por parte dos privados [para liderar a TAP] e não quero crer que haja qualquer problema por parte do Estado”, disse então Diogo Lacerda Machado, num intervalo do Congresso.

Estava assim ‘aberto’ um caminho que Fernando Pinto também viria a assumir publicamente a 19 de Dezembro, durante o almoço que tradicionalmente a companhia realiza pelo Natal com a imprensa, ao afirmar: “olhando para 2018 e vendo que a empresa está no bom caminho, eu estou absolutamente realizado”.

Curiosamente ou coerentemente, a mesma mensagem que hoje transmitiu aos trabalhadores, em que escreveu: “o meu sentimento hoje é de absoluta realização profissional e pessoal. De missão cumprida. A empresa está no bom caminho e sinto-me plenamente realizado”.

 

Para ler mais clique: Veja aqui a mensagem de despedida de Fernando Pinto de CEO da TAP

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Fernando Pinto

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Alemães e norte-americanos crescem para mais do dobro nos cruzeiros em Lisboa

23-05-2018 (16h09)

Os alemães foram os turistas que mais contribuíram para o crescimento dos cruzeiros em Lisboa no primeiro quadrimestre, com um aumento em 165,9% ou 22 mil face ao período homólogo de 2017, seguindo-se os turistas dos Estados Unidos, que foram +105,5% ou mais 7,2 mil que há um ano.

AHP aponta quebras de ocupação em Março nos hotéis do Algarve, Madeira, Açores e Leiria - Fátima - Templários

23-05-2018 (14h58)

Quatro regiões turísticas portuguesas, entre as quais a maior, o Algarve, e a 3ª maior, a Madeira, tiveram quebras de ocupação da hotelaria em Março, de acordo com o barómetro da AHP, associação da hotelaria portuguesa, ainda que este ano Março compare favoravelmente com o de 2017, pois foi o mês da Páscoa, que no ano passado foi em Abril.

Três maiores emissores ‘custaram’ quase 790 mil dormidas à hotelaria espanhola até Abril

23-05-2018 (14h15)

Reino Unido, Alemanha e França, os três maiores emissores para a hotelaria espanhola, foram também os principais causadores da sua quebra de dormidas no primeiro quadrimestre, com menos quase 790 mil dormidas que no período homólogo de 2017, representando um decréscimo médio em 3,1%.

Portugal é o mercado onde a Delta está a fazer o aumento mais forte da sua oferta

23-05-2018 (13h29)

A Delta Air Lines tem este Verão 7.432 lugares por semana em voos entre Portugal e Estado Unidos, o que representa um aumento de capacidade de 216% face ao ano passado, afirmaram hoje em Lisboa os executivos da transportadora Corneel Koster e Frederic Schenk.

Delta está “empolgada” com o potencial dos Açores

23-05-2018 (13h23)

“Lançámos Ponta Delgada porque estamos muito empolgados com o que os Açores têm para oferecer”, afirmou hoje em Lisboa Corneel Koster, vice-presidente sénior da Delta Air Lines para Europa, Médio Oriente, África e Índia.