Voos da América Latina asseguram quase metade do crescimento de tráfego do IAG até Setembro

07-10-2019 (16h34)

O IAG, tradicionalmente líder no transporte aéreo de passageiros entre a Europa e a América do Norte, pela força da British Airways e do seu hub de Londres Heathrow, está a assentar o seu crescimento este ano principalmente nos voos de/para a América Latina, em que a sua companhia líder é a espanhola Iberia.

Estas tendências transparecem nos dados de tráfego do IAG publicados hoje, os quais mostram que 47,8% do seu crescimento de tráfego em RPK (do inglês para passageiros x quilómetros voados) foi gerado nas linhas da América Latina, que assim passaram de valer 16,3% para 18% do seu tráfego total, enquanto os sectores líderes reduziram o seu ‘peso’, de 27% para 26,1% no caso dos internacionais intra-europeus, nos quais a Vueling tem especial ‘peso’, e de 29,7% para 29,1% nas linhas da América do Norte, nas quais a líder é a British Airways.

Daí que a companhia britânica se mantenha líder no grupo, ‘valendo’ 54,2% do seu tráfego total nos primeiros nove meses deste ano, mas menos que os 56,2% do período homólogo de 2018, enquanto a Iberia sobe de 21,3% para 22,3%.

Nos primeiros nove meses deste ano o IAG teve um crescimento do tráfego em 5,6% ou 11.563 milhões de RPK, 40,1% dos quais na Iberia, que cresceu 10,6% ou 4.637 milhões de RPK, enquanto a British Airways ‘valeu’ 18,6%, com um aumento em 1,9% ou 2.151 milhões de RPK.

A segunda maior contribuição para o crescimento do IAG nos primeiros nove meses deste ano foi da Level, companhia leisure criada pelo grupo para concorrer nos voos low cost de longo curso e que começou a voar de Barcelona em 1 de Junho de 2017, com um aumento do tráfego em 109,3% ou 2.969 milhões de RPK, ou seja, 25,7% do crescimento do grupo.

A contribuição da Vueling foi em cerca de 10,4%, com um aumento do tráfego em 4,8% ou 1.199 milhões de RPK, mas a Vueling, como companhia de voos de curto e médio cursos, tem menos influência com a ponderação pelas distâncias voadas, enquanto em número de passageiros embarcados valeu 37,4% do aumento do grupo, com +6,2% ou mais 1,575 milhões, para 27 milhões.

A Aer Lingus, que também opera voos de longo curso, nomeadamente para a América do Norte, segmento em que tem algum ‘peso’, contribuiu com 8,5% do crescimento do tráfego em RPK, ao registar um aumento em 5,5% ou 986 milhões de RPK.

 

Para ler mais clique:

IAG só cresce em Setembro em voos da América Latina e domésticos

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP acrescenta Lisboa-Montreal e Ponta Delgada-Boston às novidades para 2020

19-11-2019 (12h37)

A TAP, que ontem assinou um acordo para uma nova rota para Maceió, anunciou hoje que também vai inaugurar em 2020 ligações entre Lisboa e Montreal, no Canadá, e entre Ponta Delgada e Boston, nos Estados Unidos, todas operadas em aviões A321 Long Range.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

Air Transat prolonga operação dos voos Faro – Toronto mais seis meses em 2020

30-10-2019 (23h10)

A companhia de aviação canadiana Air Transat vai prolongar por mais seis meses a operação dos voos Faro – Toronto no próximo ano, anunciou a Associação Turismo do Algarve (ATA).

Presidente da Boeing reconhece responsabilidade nos acidentes mortais com 737 Max 8

30-10-2019 (22h14)

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, reconheceu esta quarta-feira perante o Congresso americano a sua responsabilidade e a da empresa nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia.

Boeing admite "erros" nos acidentes mortais dos 737 Max perante o Senado dos EUA

30-10-2019 (14h19)

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, admitiu esta terça-feira que a empresa cometeu "erros" nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia, ao falar perante o Senado norte-americano.

Noticias mais lidas