Queda de yields da Lufthansa na América do Sul agravou-se para 20,1% no 2º trimestre

30-07-2019 (16h32)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O grupo Lufthansa indicou hoje que a queda de preços dos voos de/para a América do Sul, cujo principal mercado é o Brasil, que por sua vez é o mercado com mais peso nas receitas da TAP, agravou-se no segundo trimestre.

O grupo especificou que o yield, que é o preço médio por quilómetro voado, caiu 20,1% excluindo flutuações cambiais no segundo trimestre, quando no primeiro trimestre a quebra tinha sido de 18,7%, tendo, pois, uma queda média no semestre em 19,5%.

Os dados publicados pelo grupo indicam que, ainda assim, o yield a câmbios constantes da totalidade seus voos transatlânticos, incluindo América do Norte e do Sul, teve quedas de apenas 3,7% no segundo trimestre e 4,8% no conjunto do semestre, porque nos voos de/para a América do Norte as quedas de yield a câmbios constantes foram de apenas 0,5% no segundo trimestre e 1,6% no semestre.

Desta forma a evolução negativa do yield nos voos transatlânticos foi idêntica à ocorrida nas linhas intra-europeias, que segundo o grupo Lufthansa foi de 4,8% a câmbios constantes no semestre e de 3,5% no segundo trimestre.

Porém, enquanto as Américas representam apenas 33% das receitas de tráfego do grupo Lufthansa, a Europa representa 41%.

Acresce que nos voos das Américas a queda do yield foi compensada, pelo menos parcialmente, por ganhos de taxa de ocupação, com subidas de 2,4 pontos no segundo trimestre e dois pontos no conjunto do semestre, enquanto na Europa a queda do yield foi agravada por quedas de ocupação, de 0,4 pontos no segundo trimestre e 0,7 pontos no semestre.

E adicionalmente acresce que na ‘vida real’, ou seja, com as variações cambiais que se verificaram no semestre, a queda do yield nas Américas ficou em 1,6%, enquanto na Europa foi de 3,7%.

Os voos de/para Ásia e Pacífico e Médio Oriente e África, que representaram, respectivamente, 19% e 7% das receitas de tráfego no semestre, tiveram aumentos de yield a câmbios constantes no segundo trimestre em 1% e 2,3%, respectivamente.

No semestre o yield dos voos da Ásia e Pacífico subiu 1,4%, mas o dos voos do Médio Oriente e África baixou 1,8%.

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Presidente da República repudia suspensão pela Venezuela dos voos da TAP

18-02-2020 (17h26)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, declarou que a decisão da Venezuela de suspender os voos da TAP por 90 dias de “totalmente incompreensível” e que “não pode deixar de ser repudiada”.

TAP reencaminha passageiros que voavam hoje para Caracas para outras companhias

18-02-2020 (14h57)

A TAP está a reencaminhar os passageiros que voavam hoje para Caracas para outras companhias aéreas, depois de ter sido suspensa pelo Governo venezuelano durante 90 dias, indicou fonte oficial da empresa à Lusa.

TAP acrescenta mais cinco destinos nos Estados Unidos em code-share com a JetBlue

13-02-2020 (15h40)

A TAP vai acrescentar cinco novos destinos nos Estados Unidos em voos da JetBlue, companhia fundada pelo seu accionista de referência, David Neeleman, a partir de Boston, para onde tem voos directos de Lisboa.

Neeleman anuncia “the World’s Nicest Airline”… que não é a TAP nem a Azul

10-02-2020 (14h54)

O accionista de referência da TAP David Neeleman confirmou publicamente o lançamento da sua mais nova companhia de aviação, baptizada Breeze Airways e que descreveu como “the World’s Nicest Airline”.

Boeing revela quebra de 44% das vendas de aviões comerciais em 2019

29-01-2020 (16h39)

O fabricante norte-americano de aviões Boeing revelou hoje uma quebra das receitas com aviões comerciais em 44% ou 25.244 milhões de dólares, bem como uma degradação dos resultados de operações da divisão em cerca de 14,5 milhões de dólares, de um lucro de 7.830 milhões em 2018 para um prejuízo de 6.657 milhões em 2019.

Noticias mais lidas