EUA querem que requerentes de vistos revelem contactos e redes sociais

02-04-2018 (14h14)

Foto: Diana Fernandes
Foto: Diana Fernandes

O Departamento de Estado norte-americano está a propôr que as pessoas que querem visitar os Estados Unidos forneçam as respectivas identidades nas redes sociais, os números telefónicos e endereços de correio electrónico.

Esta medida deve afectar cerca de dez milhões de pessoas por ano que desejam obter um visto de turista ou que querem migrar para os Estados Unidos. Viajantes diplomáticos ou funcionários governamentais não serão afectados por esta medida.

O programa de isenção de vistos (em que o requerente tem de preencher a Autorização Eletrónica de Viagem designada como ESTA), que abrange cerca de 40 países, dos quais 30 são na Europa (entre os quais Portugal), não é mencionado na proposta.

A ESTA, preenchida antecipadamente na internet, permite aos requerentes permanecerem 90 dias nos Estados Unidos sem terem de passar pelo procedimento para obter um visto.

Após o anúncio de sexta-feira, dia 30 de Março, a proposta do Departamento de Estado norte-americano vai ter um período de consulta pública de 60 dias para eventuais modificações, que devem ser aprovadas a 29 de Maio.

As pessoas potencialmente visadas por esta proposta terão de indicar em que redes sociais estão inscritas e fornecer “as identidades utilizadas (…) nestas plataformas durante os cinco anos anteriores à data do pedido”, de acordo com o documento citado pelas agências internacionais.

Os requerentes também terão de fornecer dados, também relativos aos últimos cinco anos, sobre os seus números telefónicos, endereços de ‘e-mail’ e viagens ao estrangeiro.

A aplicação destes requisitos foi mencionada pela primeira vez no ano passado no âmbito de uma estratégia que tem como base, segundo classificou o presidente norte-americano, Donald Trump, uma "verificação minuciosa" das pessoas que desejam entrar no Estados Unidos.

As organizações de direitos civis criticaram fortemente estes requisitos, em nome da protecção da vida privada.

No último ano fiscal, cerca de 559.536 pessoas solicitaram um visto de imigração e outras 9,7 milhões pediram outras formas de vistos para visitar os Estados Unidos.

(PressTUR com Lusa)

 

Clique para mais notícias: Estados Unidos

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Grupo Lufthansa lança tarifa sem bagagem de porão para rotas da América do Norte

22-05-2018 (16h32)

As companhias aéreas Lufthansa, Swiss, Brussels Airlines e Austrian Airlines lançaram uma nova tarifa “light” para as suas rotas da América do Norte, para passageiros que queiram viajar só com bagagem de mão.

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro mostram ‘deserção’ do Reino Unido e Brasil

22-05-2018 (15h59)

Os portugueses despenderam mais 70,5 milhões de euros em viagens e turismo no estrangeiro no primeiro trimestre deste ano, ultrapassando os mil milhões, mesmo com quebras acentuadas das despesas no Reino Unido e no Brasil, que tiveram quebras de 30,67 milhões (-25,7%) e de 10,52 milhões (-29,7%), respectivamente, concluiu o PressTUR a partir de dados do Banco de Portugal.

Estados Unidos sobe a 2º maior mercado para a Hotelbeds

22-05-2018 (15h39)

Os Estados Unidos, que tiveram o quinto maior aumento de gastos turísticos em Portugal no mês de Março, subiram a 2º maior mercado em volume de reservas para o grupo Hotelbeds, tirando a posição a Espanha.

Hi Fly voa de Paris para Los Angeles e Novas Iorque JFK para a Norwegian

22-05-2018 (11h48)

A Norwegian, considerada pioneira dos voos low cost intercontinentais, contratou à Hi Fly, companhia de aviação portuguesa da família Mirpuri, voos de Paris Charles de Gaulle para Los Angeles e para Nova Iorque JFK.

LATAM Airlines aumenta lucro operacional em 50,1%, com yield em alta de 6,2%

09-05-2018 (11h30)

O LATAM Airlines, grupo constituído pela integração da companhia de aviação brasileira TAM na chilena LAN, informou hoje que fechou o primeiro trimestre com um aumento do lucro operacional em 50,1%, impulsionado por um aumento da receita unitária em 7% que, por sua vez, reflecte um aumento do yield (preço médio por quilómetro voado) em 6,2%.