EUA barram entrada a ex-chefe da diplomacia da UE e ex-secretário-geral da NATO

25-06-2018 (13h39)

Foto: Diana Fernandes
Foto: Diana Fernandes

O espanhol Javier Solana, ex-chefe da diplomacia da União Europeia e ex-secretário-geral da NATO, foi impedido de entrar nos Estados Unidos, por constar da ‘lista negra’ devido às suas viagens ao Irão, segundo o jornal “El País”.

“As normas de imigração impostas pela Administração Trump parecem ter transformado em suspeitos figuras tão prestigiadas como Javier Solana, secretário-geral da NATO entre 1995 e 1999 e Alto Representante da Política Externa e de Segurança da UE entre 1999 e 2009”, escreveu no Domingo o diário espanhol na sua edição electrónica.

A notícia do “El País” explica que, apesar de os cidadãos espanhóis não precisarem de visto para se entrarem nos Estados Unidos por período inferior a 90 dias, tal não significa que não possam ser impedidos de entrar na fronteira e que, “para evitar surpresas”, os viajantes são aconselhados a obter, antes de embarcarem no avião, uma autorização electrónica de viagem que, não dando direito a entrar no país, reduz as probabilidades de haver problemas no controlo fronteiriço.

“Solana não superou este primeiro filtro, pelo que não pôde assistir a um ato da Brookings Institution que tinha agendado nos Estados Unidos”, refere o jornal.

Embora não tenham querido comentar o caso de Solana, fontes da Embaixada dos Estados Unidos da América em Madrid citadas pelo diário espanhol disseram que o sistema alfandegário norte-americano rejeita automaticamente os pedidos de pessoas que tenham visitado nos últimos anos países incluídos por Trump na ‘lista negra’ — Irão, Iraque, Síria, Sudão, Líbia, Somália e Iémen —, o que não significa que não possam entrar no país, mas apenas que terão de obter um visto, como se fossem cidadãos de um país obrigado a tal requisito.

Javier Solana, por sua vez, desvalorizou o incidente e confirmou que já entregou o pedido de visto.

Enquanto chefe da diplomacia da UE, Solana foi um dos primeiros impulsionadores do acordo nuclear com o Irão, do qual há pouco tempo o presidente dos EUA Donal Trump retirou o país.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: América

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

A321neo LR da TAP terão uma das melhores executivas em aviões narrowbody no mercado transatlântico

13-11-2018 (16h46)

Com poltronas totalmente reclináveis (lie-flat beds), até ficarem na horizontal, a TAP vai ter um dos melhores produtos business no competitivo mercado de voos transatlânticos, de acordo com o portal especializado em aviação “AirlineGeeks”.

LEVEL programa mais rotas transatlânticas de Barcelona no próximo Verão

09-11-2018 (10h59)

A LEVEL, a mais recente marca de aviação do IAG que opera com código, aviões e tripulantes da Iberia, indicou aos sistemas globais de reservas que vai voar de Barcelona também para o principal aeroporto de Nova Iorque, o JFK, e para a capital chilena, Santiago do Chile.

Iberia programa mais cinco voos por semana para a América do Sul

26-10-2018 (12h33)

A companhia de aviação espanhola Iberia, líder em ligações entre a América do Sul e a Europa, vai reforçar três dessas rotas com mais cinco voos por semana no próximo Verão, uma delas o Rio de Janeiro, que passa a ter voo diário e a contar com uma média de 180 mil lugares por ano.

Travelport nomeia Luís Carlos Vargas da Silva para director regional na América Latina

15-10-2018 (12h52)

Luís Carlos Vargas da Silva, que nos últimos 18 meses desempenhou interinamente as funções de vice-presidente e director-geral da Travelport para a América Latina, foi nomeado para o cargo de director regional da empresa na América Latina.

LATAM aumenta capacidade em 8% em Setembro e sofre queda acentuada da ocupação dos voos

10-10-2018 (19h58)

O grupo LATAM, formado pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, informou hoje que embora tendo aumentado a sua capacidade (em ASK, lugares x quilómetros voados) em 8% em Setembro, o crescimento do tráfego (em RPK, passageiros x quilómetros voados) ficou em 2,4% o que acarretou uma queda da taxa de ocupação em 4,5 pontos, para 81,9%.