Delta Air Lines declara subida do lucro em 21,5% no 3º trimestre

10-10-2019 (16h43)

Foto: Delta Air Lines
Foto: Delta Air Lines

A norte-americana Delta Air Lines, segunda maior companhia de aviação do mundo, com voos para Lisboa e Açores, comunicou hoje ter alcançado um aumento de lucros no terceiro trimestre em 21,5% com subida da receita operacional em 6,5% e aumento do custo operacional em 3,4%.

A companhia, que indicou ter registado um aumento da margem operacional em 2,5 pontos ou 18,2%, para 16,3%, informou que os proveitos elevaram-se a 12.554 milhões de dólares (11,4 mil milhões de euros ao câmbio de hoje) e o lucro líquido ascendeu a 1.506 milhões (1,37 mil milhões de euros).

A informação sobre os proveitos especifica que o crescimento foi alcançado com uma subida das receitas de passagens em 6% ou 614 milhões de dólares, para 11.410 milhões, quebra das receitas e carga em 17% ou 37 milhões, para 189 milhões e aumento de ‘outras’ receitas em 3% ou 30 milhões, para 961 milhões.

Relativamente aos custos operacionais, a informação mostra que salários e outros encargos com pessoal se mantém a sua maior rubrica de custos, com 2.884 milhões de dólares, +5% ou mais 131 milhões que no período homólogo de 2018, tanto mais quantos os gastos com combustível baixaram 10% ou 259 milhões, para 2.239 milhões.

A informação indica ainda entre outros gastos de 900 milhões com transportadoras regionais excluindo fuel (+2% ou mais 15 milhões que no 3º trimestre de 2018), 685 milhões com contratação de serviços (+22% ou mais 123 milhões), 631 milhões em amortizações e provisões (+10% ou mais 58 milhões) e 539 milhões em comissões de vendas de passagens e outros encargos com vendas (+1% ou mais quatro milhões).

A companhia teve assim 2.071 milhões de dólares de resultado operacional, com um aumento em 26% ou 426 milhões e nos nove meses desde o início do ano regista um aumento em 25% ou 1.046 milhões, para 5.219 milhões, com os proveitos a subirem 6% ou 1.872 milhões, para 35.568 milhões, enquanto os encargos sobem 3% ou 826 milhões, para 30.349 milhões.

A companhia indicou que no conjunto dos primeiros nove meses deste ano teve um crescimento do tráfego de passageiros em RPM (passageiros x milhas voadas) em 5,6% e com uma subida em 0,7% do yield (receita por passageiro voado uma milha), levando a um aumento em 1,8% da receita por lugar voado uma milha, uma vez que além da subida do yield teve uma melhoria da taxa de ocupação em 0,9 pontos, para 86,5%.

 

Clique para mais notícias: Delta Air Lines

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP acrescenta Lisboa-Montreal e Ponta Delgada-Boston às novidades para 2020

19-11-2019 (12h37)

A TAP, que ontem assinou um acordo para uma nova rota para Maceió, anunciou hoje que também vai inaugurar em 2020 ligações entre Lisboa e Montreal, no Canadá, e entre Ponta Delgada e Boston, nos Estados Unidos, todas operadas em aviões A321 Long Range.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

Air Transat prolonga operação dos voos Faro – Toronto mais seis meses em 2020

30-10-2019 (23h10)

A companhia de aviação canadiana Air Transat vai prolongar por mais seis meses a operação dos voos Faro – Toronto no próximo ano, anunciou a Associação Turismo do Algarve (ATA).

Presidente da Boeing reconhece responsabilidade nos acidentes mortais com 737 Max 8

30-10-2019 (22h14)

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, reconheceu esta quarta-feira perante o Congresso americano a sua responsabilidade e a da empresa nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia.

Boeing admite "erros" nos acidentes mortais dos 737 Max perante o Senado dos EUA

30-10-2019 (14h19)

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, admitiu esta terça-feira que a empresa cometeu "erros" nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia, ao falar perante o Senado norte-americano.

Noticias mais lidas