CEO da TAP defende direito a sonhar com liderar tráfego entre a Europa e a América do Norte

20-06-2018 (17h57)

Foto: TAP
Foto: TAP

Embora tenha pela frente concorrentes como a British Airways, que ainda em 4 de Maio começou a voar de Londres-Heathrow para Nashville, sua 26ª cidade nos Estados Unidos, o CEO da TAP reivindicou hoje no Porto o direito a da companhia a “sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

“Os EUA são um dos maiores mercados do mundo, onde nós temos uma vantagem de custo enorme, um accionista que conhece o mercado como ninguém e parceiros fenomenais”, argumentou Antonoaldo Neves para concluir que “então a TAP não tem porque não sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

O executivo falava durante uma sessão de balanço da operação da companhia aérea no Porto, durante a qual comentou ainda que “se fala muito da China e da Ásia, mas isso é para daqui a dez anos”, e que a companhia portuguesa “ainda tem muito que conquistar na América do Norte”, onde “ainda está a começar”.

“Queremos que os EUA um dia cheguem a 15/20% da TAP. Temos um plano de longo prazo para isso e vamos conseguir chegar lá, justamente pela vantagem de custo [a “localização estratégica” de Portugal permite poupanças consideráveis, nomeadamente em combustível] e pelo conhecimento que temos desse mercado”, referiu.

A declaração de Antonoaldo Neves citada pela Lusa não deixa perceber se se estava a referir a 15/20% da operação da TAP em capacidade medida em ASK (do inglês para lugares x quilómetros voados) e tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), como é mais comum entre as companhias de rede, à excepção entre outras da TAP, ou em número de passageiros e lugares disponíveis.

Os dados do IAG, que junta a British Airways, considerada a líder europeia em ligações transatlânticas, a Iberia, a Aer Lingus e a Vueling, mostram que as rotas da América do Norte representaram, em 2017, quase 30% (29,6%) da sua capacidade total em ASK e também do seu tráfego em passageiros (29,5%), enquanto em número de passageiros, com 10,93 milhões, representaram apenas 8%.

Antonoaldo Neves, na mesma sessão, destacou que os EUA, onde alegadamente o accionista David Neeleman está a preparar a criação de uma nova companhia (para ler mais clique: David Neeleman prepara criação de nova companhia de aviação nos EUA, Airline Weekly), “já cresceram muito desde o processo de privatização” da TAP, passando de um mercado que representava 4% da operação a terceiro maior actualmente, e respondem hoje por “aproximadamente 10%” das vendas.

“Triplicamos o tamanho dos EUA dentro das nossas vendas, e em cima de uma base muito maior, porque a TAP hoje é muito maior do que em 2014”, salientou, para logo acrescentar que, ainda assim, a operação naquele mercado é “muito pequena” e vai absorver um forte investimento da companhia “ao longo dos próximos cinco anos”, acentuou o executivo.

“Nós somos dominantes no Brasil, mas na América do Norte não, ainda temos uma operação muito pequena e precisamos de ser relevantes”, sustentou Antonoalo Neves.

O balanço de 2017 da companhia indicava que a América do Norte foi uma região que se destacou pelo maior crescimento no tráfego, com um aumento em cerca de 47% face a 2016.

O documento dizia ainda que a América do Norte representou “cerca de 11% da oferta agregada da TAP” e assinalava o recomeço das “operações para Toronto, um destino com uma comunidade portuguesa importante, e para onde a TAP havia interrompido operação em meados da década de 90, anteriormente à implementação, na Companhia, da actual estratégia de Hub & Spoke”.

Ainda segundo o Relatório e Contas publicado pela TAP, para este ano estava previsto serem “exploradas novas oportunidades no Brasil, sem comprometer, contudo, a posição da Companhia no mercado norte-americano”, relativamente ao qual dizia apenas que “nos Estados Unidos, a TAP utilizará os actuais acordos de code-share com companhias aéreas parceiras para aprofundar a penetração nos destinos offline e fortalecer a posição da Companhia na América do Norte”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Continua:

CEO da TAP garante aposta no Porto e ironiza: “a concorrência que se cuide”

Antonoaldo Neves reconhece pontualidade como “problema gravíssimo” da TAP

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Canadá é a origem/destino de passageiros com o aumento mais forte em Lisboa

20-07-2018 (16h54)

O Aeroporto de Lisboa teve no primeiro semestre um aumento quase para o dobro do número de passageiros em voos de/para o Canadá, que foi assim a origem/destino com o crescimento mais forte do período, embora em valor absoluto os maiores aumentos tenham sido nas ligações com a Alemanha, com Espanha, com França e com o Brasil.

CEO da Azul prevê joint-venture com a TAP até ao fim do ano

19-07-2018 (16h14)

O CEO da companhia brasileira Azul, de que o accionista da TAP David Neeleman é fundador e presidente, afirmou que as negociações com a TAP para a criação de uma joint-venture para voos transatlânticos ainda estão a decorrer e que prevê chegar a acordo no final deste ano.

David Neeleman encomenda 60 aviões A220 para a sua nova companhia aérea

18-07-2018 (16h39)

A nova companhia aérea norte-americana de David Neeleman, accionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway, encomendou à Airbus 60 aviões A220-300, que deverá começar a receber em 2021, altura em que o empresário prevê ter já reunido “uma equipa de gestão de classe mundial”.

MSC Cruzeiros anuncia novo terminal de cruzeiros em PortMiami

11-07-2018 (17h36)

A MSC Cruzeiros e o município de Miami-Dade assinaram um Memorando de Entendimento para a construção de um novo terminal de cruzeiros em PortMiami, que poderá receber os novos navios da classe World, que têm capacidade para 7.000 hóspedes.

Curio Collection by Hilton inaugura hotel na Costa Rica

11-07-2018 (16h02)

A marca de hotéis de luxo Curio Collecion by Hilton inaugurou um hotel em San José, na Costa Rica, instalado num edifício construído em 1930, com jardins interiores e um ‘rooftop piano bar’ com vista para o Teatro Nacional e para a cidade.