Boeing admite "erros" nos acidentes mortais dos 737 Max perante o Senado dos EUA

30-10-2019 (14h19)

Foto: Ross Parmly / Unsplash
Foto: Ross Parmly / Unsplash

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, admitiu esta terça-feira que a empresa cometeu "erros" nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia, ao falar perante o Senado norte-americano.

"Sabemos que cometemos erros e que estávamos errados. Somos culpados disso", afirmou esta terça-feira Dennis Muilenburg, citado pela agência Efe, perante o Comité do Comércio do Senado norte-americano.

Foi a primeira vez que a Boeing reconheceu no Congresso norte-americano ter cometido erros que estiveram na origem dos acidentes que resultaram na morte de centenas de pessoas e que custaram milhares de milhões de dólares à empresa com sede em Chicago, nos Estados Unidos.

"Em meu nome e no nome da Boeing, sentimos muito. Lamentamos profundamente", disse também Dennis Muilenburg, numa audiência na qual estiveram presentes alguns familiares de vítimas mortais dos acidentes.

O primeiro testemunho do presidente executivo da Boeing no Congresso norte-americano ocorre exactamente um ano depois do acidente de um avião 737 Max 8 da companhia aérea indonésia Lion Air, que provocou 189 mortos, incluindo todos os passageiros e tripulantes.

Cinco meses depois, um avião do mesmo modelo da Ethiopian Airlines caiu em circunstâncias semelhantes, causando a morte de 157 pessoas.

Desde então, todos os Boeing 737 Max 8 foram retirados de circulação em todo o mundo.

Uma investigação indonésia concluiu que a queda do voo da Lion Air, que matou 189 pessoas há um ano, se deveu a uma combinação de falhas no projecto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

O relatório final do acidente, divulgado em 25 de Outubro, refere que o voo 610 da Lion Air, que ligava a capital da Indonésia à ilha de Sumatra, caiu porque os pilotos nunca foram informados sobre como responder rapidamente a falhas no sistema de controlo automatizado do jato Boeing 737 Max 8.

O avião mergulhou no mar de Java apenas 13 minutos após levantar voo, em 29 de Outubro de 2018.

Segundo o Comité Nacional de Segurança em Transportes da Indonésia, o sistema automatizado, conhecido como MCAS, contava com um único sensor de “ângulo de ataque” que fornecia informações erradas, empurrando automaticamente o nariz do avião para baixo.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Boeing tem “esperança” que aviões 737 MAX voltem a voar ainda este ano

 

Clique para ver mais: Boeing

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP acrescenta Lisboa-Montreal e Ponta Delgada-Boston às novidades para 2020

19-11-2019 (12h37)

A TAP, que ontem assinou um acordo para uma nova rota para Maceió, anunciou hoje que também vai inaugurar em 2020 ligações entre Lisboa e Montreal, no Canadá, e entre Ponta Delgada e Boston, nos Estados Unidos, todas operadas em aviões A321 Long Range.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

Air Transat prolonga operação dos voos Faro – Toronto mais seis meses em 2020

30-10-2019 (23h10)

A companhia de aviação canadiana Air Transat vai prolongar por mais seis meses a operação dos voos Faro – Toronto no próximo ano, anunciou a Associação Turismo do Algarve (ATA).

Presidente da Boeing reconhece responsabilidade nos acidentes mortais com 737 Max 8

30-10-2019 (22h14)

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, reconheceu esta quarta-feira perante o Congresso americano a sua responsabilidade e a da empresa nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia.

Delta reforça rota sazonal Lisboa – Boston no próximo Verão

29-10-2019 (10h38)

A Delta Air Lines, que vai deixar de operar a ligação sazonal Ponta Delgada - Nova Iorque em 2020, anunciou um reforço da sua rota sazonal Lisboa - Boston no próximo Verão, ao prolongar a sua operação por mais quase um mês.

Noticias mais lidas