Vendas para a Tunísia decorrem a bom ritmo – Solférias, Sonhando e Soltrópico

22-06-2018 (11h24)

Os operadores turísticos Solférias, Sonhando e Soltrópico, que este ano retomaram as operações charter para a Tunísia, com voos para Djerba e Monastir, estão satisfeitos com o desempenho das vendas e destacam que a oferta diversificada, muito além da praia, é o trunfo do destino.

“As vendas estão muito bem”, afirmou Dário Brilha, do operador Solférias, perspectivando que as operações deverão manter-se no próximo ano.

Dário Brilha, que falava aos jornalistas em Lisboa, num roadshow de apresentação da Tunísia que também passou pelo Porto e Coimbra esta semana, acrescentou que só nas partidas em Junho e em Setembro, “as pontas da operação”, é que ainda estão com “alguma dificuldade”, mas “o grosso da operação tem estado a correr muito bem”.

Paulo Paulos, do operador turístico Sonhando, salientou por sua vez que as vendas estão “a correr bem, mas tem capacidade para correr melhor porque o destino tem esse potencialidade”.

“É um destino fantástico. Há uns anos muitos portugueses visitaram a Tunísia e agora esperamos que voltem”, disse Paulo Paulos, destacando a atractividade do destino “não só pelas praias, mas a gastronomia, a simpatia das pessoas. Há uma série de actividades que valem muito a pena. Passar uma noite sob um manto de estrelas no deserto é fantástico”.

A sua perspectiva é que a realização das apresentações da Tunísia para agentes de viagens esta semana tenha um impacto nas vendas, uma vez que os agentes de viagens “são um dos elos mais importantes de todas as nossas operações, porque são eles que vão falar com os clientes, e nós estamos lá para dar todo o apoio que eles precisarem”.

Sobre a oferta charter programada pelos operadores para a Tunísia, o director operacional da Soltrópico, Fernando Bandrés, declarou que a sua confiança no destino é “maior que a capacidade que colocámos”.

“Até tínhamos previsto uma operação maior que aquela que acabámos por colocar. [Algo] muito condicionado também pela disponibilidade do aeroporto de Lisboa em relação aos charters e à pouca disponibilidade de slots”, disse Fernando Bandrés.

Há espaço “para continuar a crescer”, disse o executivo, para salientar que “se as vendas continuam a este ritmo e no próximo ano temos mais facilidade a intenção seria também fazer crescer o produto charter”.

“É um destino que não é só praia, é cultura, gastronomia, golfe, Spa. E a um preço relativamente acessível e a duas horas e meia de voo de Portugal. É um produto que se vende muito bem para famílias”, acrescentou Fernando Bandrés.

Além dos voos regulares da Tunisair, a programação charter dos operadores inclui voos para a Ilha de Djerba, que começaram a 4 de Junho e decorrem até 10 de Setembro com uma partida por semana de Lisboa, e voos para Monastir, uma vez por semana do Porto, entre 17 de Julho a 18 de Setembro.

 

Ver também:

Chegada de turistas portugueses à Tunísia aumenta 51% até Junho

 

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Tunísia

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TACV programa voos para Dakar a partir de DezembroTitulo

15-11-2018 (11h00)

A companhia de aviação cabo-verdiana Cabo Verde Airlines (TACV) vai começar a voar entre a ilha do Sal e a capital do Senegal, Dakar, a partir de 9 de Dezembro, duas vezes por semana, com o seu Boeing B757.

Angola quer mais aposta em lodges e resorts - Ministra

14-11-2018 (17h45)

A ministra do Turismo de Angola, Ângela Bragança, defendeu hoje que Luanda já tem suficientes hotéis de cinco estrelas, sendo necessária apostar nos lodges e nos resorts para aumentar o fluxo turístico para o país.

Presidente da TAAG está seguro que fluxo de passageiros entre Portugal e Angola vai aumentar

14-11-2018 (16h46)

Com o ‘desanuviamento' das relações entre Portugal e Angola, "não tenho dúvida nenhuma de que vai haver aumento de fluxo de passageiros entre Luanda e Lisboa", afirmou ao PressTUR o presidente da companhia de aviação angolana TAAG, Rui Carreira.

TAAG quer abrir capital ao investimento privado, mas “não total” – presidente

14-11-2018 (16h42)

A TAAG deixou de ser uma empresa pública para ser uma sociedade comercial e o próximo passo será a abertura de parte do capital ao investimento privado, mas "não total", uma vez que se trata de "uma empresa estratégica para o Estado angolano", de acordo com o presidente da transportadora, Rui Carreira.

Porto – Luanda “continua a ser para nós um bom voo”, mesmo com quebra de passageiros – TAAG

14-11-2018 (16h40)

O tráfego aéreo de passageiros entre Porto e Luanda está com uma quebra de 8,7% até Outubro, mas não é por isso que deixa de ser "um bom voo", garantiu ao PressTUR o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, assegurando que a rota é para manter com a mesma frequência de voos.