TAAG precisa de capitalização do Estado de mais de 800 milhões de euros

09-05-2018 (12h25)

Foto: TAAG
Foto: TAAG

A companhia aérea angolana TAAG, totalmente pública, necessita de uma capitalização estatal de 952 milhões de dólares (805 milhões de euros) para fazer face às perdas acumuladas nos últimos anos, anunciou a administração da empresa.

A informação foi avançada na terça-feira, em Luanda, pelo presidente do conselho de administração da TAAG, José Kuvíndua, ao apresentar o plano estratégico da companhia de bandeira para o período 2018/2022 durante um seminário promovido pelo Ministério dos Transportes.

A preocupação da administração da TAAG agrava-se com a necessidade de pagamento de empréstimos contraídos para a aquisição, desde 2015, de três novas aeronaves, bem como revisões planeadas de motores e de manutenção.

Por esse motivo, José Kuvíndua sublinhou a importância da recepção atempada do subsídio de combustível atribuída pelo Estado, bem como uma nova injecção de capital de pelo menos 150 milhões de dólares (127 milhões de euros) no imediato, para eliminar ou reduzir o défice oriundo de perdas anteriores.

No primeiro semestre de 2017 a TAAG registou um prejuízo líquido de 12 milhões de dólares (10,1 milhões de euros), mais do dobro do saldo negativo de todo o ano de 2016, mas devido a dívidas de 2010.

A companhia estatal referiu anteriormente que os resultados financeiros não auditados dos primeiros seis meses de 2017 registaram, ainda assim, "algumas melhorias", apesar do prejuízo do semestre comparar com os cinco milhões de dólares (4,2 milhões de euros) de todo o ano anterior.

"Este nível de desempenho é muito melhor se tivermos que comparar com prejuízos históricos superiores a 150 milhões de dólares [126,6 milhões de euros] em alguns anos", refere a companhia, que até 10 de Julho de 2017 foi gerida (desde finais de 2015, por contrato de concessão) pela Emirates, com Peter Hill como presidente do conselho de administração.

A companhia explicou o agravamento nas contas com a realização de uma provisão total de 21 milhões de euros nos primeiros seis meses, relativa a "passivos fiscais não pagos em escalas, no exterior, referente ao ano de 2010".

"Se não fosse a redução no subsídio de combustível e a provisão para o passivo fiscal, a companhia teria sido lucrativa. O prejuízo é ainda agravado pelo facto de a TAAG ter de abastecer as suas aeronaves com o máximo combustível permitido em Luanda, onde ele é mais caro, na impossibilidade de o poder fazer nas escalas do exterior, onde o combustível é mais barato, devido à escassez de divisas", reconheceu a companhia.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAAG

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Privatização parcial da TAAG avança ainda este ano, diz ministro dos Transportes angolano

20-03-2019 (17h07)

O ministro dos Transportes angolano, Ricardo de Abreu, disse hoje à agência Lusa que a privatização parcial da companhia de aviação angolana TAAG deverá avançar ainda este ano.

Vila Galé “vai analisar” concurso Revive em São Tomé e Príncipe

15-03-2019 (12h11)

O administrador do grupo hoteleiro Vila Galé, Gonçalo Rebelo de Almeida, disse à Lusa que "vai analisar" o concurso Revive em São Tomé e Príncipe, que prevê a recuperação de edifícios históricos para fins turísticos.

São Tomé e Príncipe tem oito roças com potencial turístico identificadas pelo Revive Internacional

15-03-2019 (11h47)

O ministro adjunto e da Economia avançou que o programa Revive Internacional identificou oito roças com potencial turístico em São Tomé e Príncipe e desafiou os empresários portugueses a aproveitar as oportunidades de negócios.

Concessão de aeroportos de Cabo Verde avança este ano – primeiro-ministro

14-03-2019 (01h00)

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, disse esta quarta-feira que quer ver finalizado ainda em 2019 o processo de concessão dos aeroportos do país, depois da privatização da TACV – Cabo Verde Airlines.

Portugal assina com São Tomé e Príncipe primeiro acordo internacional do Revive

14-03-2019 (00h50)

Portugal assinou esta quarta-feira com São Tomé e Príncipe o primeiro acordo internacional do programa Revive, para apoiar a recuperação de edifícios históricos do país africano.