TAAG faz dois voos de Luanda para Lisboa e Porto para repatriar portugueses

21-03-2020 (08h35)

Novo Boeing B777-300ER “Iona” da TAAG (Foto: Boeing)
Novo Boeing B777-300ER “Iona” da TAAG (Foto: Boeing)

A transportadora aérea angolana TAAG programou dois voos, um na sexta e outro hoje, de Luanda para Lisboa e Porto para cidadãos que queiram regressar a Portugal, já que cerca de 500 portugueses solicitaram o repatriamento, segundo fontes contactadas pela Lusa.

Angola fechou as fronteiras aéreas a passageiros, para evitar a propagação da pandemia de Covid-19 e a entrada de casos importados, às 00h00 de sexta-feira, embora ainda não haja registo de infeções por coronavírus no país.

O Governo português negociou a possibilidade de repatriamento dos cidadãos portugueses que têm pedido o seu regresso dos PALOP, apesar das restrições colocadas por alguns países africanos, entre os quais Angola, devido ao combate à covid-19.

Na sua página da internet, o consulado-geral de Portugal em Luanda recomenda a quem quer adquirir bilhetes que contacte os balcões da TAAG.

Cerca de 500 pessoas contactaram os serviços consulares em Angola, manifestando a intenção de regressar a Portugal, indicou uma fonte.

Os serviços avaliam se os cidadãos cumprem os requisitos para o repatriamento, nomeadamente estarem transitoriamente em Angola, como turistas e empresários, doentes, com carências graves ou outras situações humanitárias, definindo prioridades consoante o grau de vulnerabilidade.

Os cidadãos que precisem de apoio para regressar a Portugal e cumpram estas condições podem fazê-lo através do endereço eletrónico regressoaportugalao@gmail.com, até hoje, 21 de março, devendo indicar o nome completo, dados do passaporte, contactos atualizados morada em Portugal e breve descrição da situação em que se encontra, devidamente comprovada.

Alguns seguirão nos aviões da TAAG e outros deverão embarcar num voo fretado à euroAtlantic previsto para as próximas 24 horas, segundo outras fontes.

Angola é o país africano lusófono com maior comunidade portuguesa, estimando-se que cerca de 130 mil residam no país.

Angola fechou todas as suas fronteiras terrestres, marítimas e aéreas à circulação de pessoas, suspendendo todos os voos comerciais e privados de passageiros, por um período de 15 dias para prevenir a propagação da doença Covid-19, provocada pelo novo coronavírus.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Coronavirus

Clique para mais notícias: Angola

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Detectados quatro casos de coronavírus em São Tomé

06-04-2020 (15h43)

O Primeiro-Ministro de São Tomé e Príncipe, Jorge Bom Jesus, convocou um Conselho de Ministros extraordinário para adoptar “medidas mais restritivas” depois de terem sido detectados quatro casos de infectados pelo novo coronavírus no país.

África tem mais de 300 mortes e 7.700 doentes com covid-19

04-04-2020 (12h02)

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África ultrapassou hoje as 300 num universo de mais de 7.700 doentes infectados em 50 países, de acordo com a mais recente atualização dos dados da pandemia no continente.

São Tomé prolonga estado de emergência por mais 15 dias

01-04-2020 (10h41)

O Presidente de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, prorrogou por mais 15 dias, a pedido do Governo, o estado de emergência sanitária no país, previsto terminar na próxima sexta-feira, segundo um decreto distribuído aos jornalistas.

Moçambique entra hoje em estado de emergência por 30 dias

01-04-2020 (10h16)

Moçambique passa a estar hoje em estado de emergência, por 30 dias, acrescentando a proibição de todos os eventos e o fecho de alguns estabelecimentos às medidas que têm vindo a ser tomadas para prevenir a pandemia de covid-19.

Número de mortos com covid-19 em África subiu para 117

28-03-2020 (15h41)

O número de mortes causadas pela covid-19 em África subiu para 117 em 46 países, havendo a registar 3.924 pessoas infectadas e 276 recuperadas, segundo as mais recentes estatísticas sobre a pandemia.

Noticias mais lidas