Governante da ilha do Príncipe defende aposta no turismo, agricultura e pesca

24-10-2018 (15h46)

O presidente do executivo regional do Príncipe, António José Cassandra, apontou hoje a aposta na pesca, na agricultura e no turismo para atrair investimento estrangeiro e permitir um “salto qualitativo e quantitativo” em São Tomé e Príncipe.

“Eu estou convencido de que se actuarmos correctamente nesses três sectores - turismo, agricultura e pesca -, São Tomé e Príncipe dará um salto quantitativo e qualitativo”, disse o governante, em entrevista à Lusa em Lisboa, onde se encontra esta semana.

Quanto à pesca, António José Cassandra salientou o “enorme potencial” deste sector, recordando que São Tomé e Príncipe tem uma superfície marítima 160 vezes maior do que a terrestre.

“Devíamos olhar para a pesca numa perspectiva empresarial, em que iríamos formar quadros, criar infraestruturas, termos um porto pesqueiro, mas que servisse também de transformação do próprio pescado. Criaríamos muitos postos de emprego, uma cadeia de exportação, para permitir a entrada de divisas para o país, que é fundamental”, afirmou, lamentando que o país actualmente exporte “muito pouco”, além do “cacau, algum turismo ou pimenta”.

Na agricultura, propõe a diversificação, por exemplo, para a plantação de baunilha ou de “café com qualidade”, com vista à exportação, defendendo “uma política de atracção de investimentos estrangeiros para estas áreas”.

Falta também no país uma fileira de transformação de frutas, como conservas e frutos secos, “com alta qualidade para conquistar um nicho no mercado internacional”, sustentou.

"Com o turismo, com a agricultura e a pesca, podemos fazer entrar investidores estrangeiros directos que possam actuar nessas áreas, de forma a garantirmos o crescimento económico. Tínhamos de pensar seriamente nisso", salientou.

‘Tozé’ Cassandra, como é conhecido, aponta ainda os serviços como uma área a explorar pelo país, “dada até a localização”, e de que “se fala muito pouco”.

“Devíamos acrescentar serviços da área financeira, dada a estabilidade que o país tem. Fazemos parte de uma sub-região com mais de 250 milhões de habitantes. Temos condições para atrair outros serviços e, nessa área, há muito que se podia fazer”, considerou.

Cassandra sugeriu ainda a criação, em São Tomé e Príncipe, de “residências fiscais”, sobretudo “garantindo a segurança, a estabilidade, a tranquilidade a quem esteja à procura”, como “acontece na Madeira”, recusando a designação de ‘off shore’.

Além disso, o país também pode ser escolhido como sede de empresas, sugeriu, recordando que se situa “a menos duas horas de avião de cerca de dez capitais africanas”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: São Tomé e Príncipe

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Oásis Atlântico vai abrir um eco resort na praia do Tarrafal em Cabo Verde

16-01-2019 (18h10)

O grupo hoteleiro português Oásis Atlântico anunciou que vai abrir um eco resort de 5-estrelas na praia do Tarrafal, no Norte da ilha de Santiago, em Cabo Verde.

Barceló compra resort de 5-estrelas e dois terrenos em Marraquexe

16-01-2019 (11h50)

O Barceló Hotel Group comprou um resort de 5-estrelas na Palmeraie de Marraquexe, um terreno adjacente para construir mais quartos e outro terreno próximo do centro da cidade para construir um hotel novo.

Thomson Airways volta a voar de Gatwick para Faro a partir de Maio

08-01-2019 (10h11)

A Thomson Airways, companhia de aviação britânica do TUI, maior grupo europeu de organização e comercialização de viagens volta a voar a partir de 5 de Maio de Londres Gatwick para Faro, Algarve, uma rota que não opera desde Abril de 2015.

Reservas para Cabo Verde até 20 de Março não serão afectadas pela nova TSA

07-01-2019 (18h39)

Os operadores turísticos Solférias e Soltrópico avançaram hoje que as reservas dos seus pacotes para Cabo Verde, apesar da entrada em vigor a 1 de Janeiro de uma nova Taxa de Segurança Aeroportuária (TSA) no país, “não sofrerão alterações de preços para reservas efectuadas até às 18h dia 20 de Março”, desde que tenham sido enviados os dados de passaporte dos viajantes.

Isenção de vistos para Cabo Verde alargada para cidadãos de 36 países europeus

03-01-2019 (16h13)

Cidadãos de 36 países europeus deixaram desde terça-feira de estar obrigados a um visto de curta duração para entrar em Cabo Verde, mais quatro do que os anunciados inicialmente pelo Governo, segundo uma rectificação publicada entretanto em Boletim Oficial.