Governante da ilha do Príncipe defende aposta no turismo, agricultura e pesca

24-10-2018 (15h46)

O presidente do executivo regional do Príncipe, António José Cassandra, apontou hoje a aposta na pesca, na agricultura e no turismo para atrair investimento estrangeiro e permitir um “salto qualitativo e quantitativo” em São Tomé e Príncipe.

“Eu estou convencido de que se actuarmos correctamente nesses três sectores - turismo, agricultura e pesca -, São Tomé e Príncipe dará um salto quantitativo e qualitativo”, disse o governante, em entrevista à Lusa em Lisboa, onde se encontra esta semana.

Quanto à pesca, António José Cassandra salientou o “enorme potencial” deste sector, recordando que São Tomé e Príncipe tem uma superfície marítima 160 vezes maior do que a terrestre.

“Devíamos olhar para a pesca numa perspectiva empresarial, em que iríamos formar quadros, criar infraestruturas, termos um porto pesqueiro, mas que servisse também de transformação do próprio pescado. Criaríamos muitos postos de emprego, uma cadeia de exportação, para permitir a entrada de divisas para o país, que é fundamental”, afirmou, lamentando que o país actualmente exporte “muito pouco”, além do “cacau, algum turismo ou pimenta”.

Na agricultura, propõe a diversificação, por exemplo, para a plantação de baunilha ou de “café com qualidade”, com vista à exportação, defendendo “uma política de atracção de investimentos estrangeiros para estas áreas”.

Falta também no país uma fileira de transformação de frutas, como conservas e frutos secos, “com alta qualidade para conquistar um nicho no mercado internacional”, sustentou.

"Com o turismo, com a agricultura e a pesca, podemos fazer entrar investidores estrangeiros directos que possam actuar nessas áreas, de forma a garantirmos o crescimento económico. Tínhamos de pensar seriamente nisso", salientou.

‘Tozé’ Cassandra, como é conhecido, aponta ainda os serviços como uma área a explorar pelo país, “dada até a localização”, e de que “se fala muito pouco”.

“Devíamos acrescentar serviços da área financeira, dada a estabilidade que o país tem. Fazemos parte de uma sub-região com mais de 250 milhões de habitantes. Temos condições para atrair outros serviços e, nessa área, há muito que se podia fazer”, considerou.

Cassandra sugeriu ainda a criação, em São Tomé e Príncipe, de “residências fiscais”, sobretudo “garantindo a segurança, a estabilidade, a tranquilidade a quem esteja à procura”, como “acontece na Madeira”, recusando a designação de ‘off shore’.

Além disso, o país também pode ser escolhido como sede de empresas, sugeriu, recordando que se situa “a menos duas horas de avião de cerca de dez capitais africanas”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: São Tomé e Príncipe

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Riu Hotels investiu 70 milhões de euros no novo Riu Palace Boavista

13-11-2018 (15h10)

A Riu Hotels & Resorts anunciou que investiu 70 milhões de euros no seu novo resort Riu Palace Boavista, um empreendimento com 505 quartos, incluindo 100 duplos com piscina privativa, para alojamento em regime de tudo incluído (TI).

Quatro feridos em incidente com despressurização da cabine de avião da TAAG

12-11-2018 (13h36)

A despressurização da cabine num avião Boeing 737-700 da companhia aérea angolana TAAG obrigou no Domingo a uma aterragem de emergência em Luanda, provocando quatro feridos, indica hoje em comunicado a transportadora.

TAAG já está com mais voos Luanda - São Paulo

07-11-2018 (13h14)

A companhia de aviação angolana TAAG já está com sete voos por semana entre Luanda e São Paulo, com a introdução de voos de Luanda às quartas e sextas-feiras (DT749) em Boeing 777-200ER.

Portugal e Moçambique criam condições para haver mais concorrência nos voos entre os dois países

30-10-2018 (15h28)

Portugal e Moçambique acabaram com a chamada 'mono designação' nas ligações entre os dois países, pela qual cada país podia autorizar apenas uma companhia para operar essas ligações, actualmente a TAP por Portugal e a LAM por Moçambique, embora só a portuguesa esteja a voar entre Lisboa e Maputo.

Riu Palace Boavista abre a 2 de Novembro

26-10-2018 (12h43)

A Riu anunciou que vai inaugurar o seu novo resort na ilha cabo-verdiana da Boavista na próxima sexta-feira, dia 2 de Novembro, destacando "a sua excelente localização à frente da praia, a excelente qualidade do serviço tudo incluído 24 horas, os quartos com piscina privada", e outros atributos.