Goa e Moçambique estão entre os possíveis destinos para as Pousadas de Portugal

25-05-2018 (13h10)

foto: Pestana
foto: Pestana

A expansão internacional das Pousadas de Portugal prevê a construção cinco unidades até 2023, estando já uma em funcionamento no Brasil, duas localizações aprovadas, no Uruguai e em São Tomé, e mais duas em estudo, que poderão ser Goa e Moçambique.

Frederico Costa, administrador das Pousadas de Portugal, disse ontem aos jornalistas na inauguração da Pousada Vila de Óbidos, que a unidade no Brasil “já está a funcionar, é só transformar em Pousada e adaptar aos nossos standards”.

Em São Tomé, “em princípio vamos fazer ao lado do nosso hotel. Há lá uma roça que vamos transformar em Pousada”, e em Montevideu, no Uruguai, o grupo já tem um edifício comprado.

Outro destino possível é Goa, na Índia. “Estão muito disponíveis”, afirmou Frederico Costa, sublinhando que o grupo tem estado em conversações com a embaixadora da Índia em Portugal, Nandini Singla, e com o governo de Goa.

O objectivo é ter cinco Pousadas fora de Portugal, especificou o executivo. “Se nós conseguirmos fechar o acordo com o Turismo de Portugal para estes cinco anos que estão em cima da mesa [de expansão do contrato de concessão até 2028], acho que em um ano abrimos São Tomé”.

Outro destino internacional das Pousadas poderá ser Moçambique, afirmou na mesma ocasião Dionísio Pestana, presidente do grupo hoteleiro.

“Temos vários [destinos possíveis], mas ainda não está finalizado, ainda falta tempo”, afirmou Dionísio Pestana, acrescentando que “são oportunidades de negócio que aparecem”.

Luís Castanheira Lopes, presidente do Grupo Pestana Pousadas de Portugal, por sua vez, especificou que estão aprovadas pela Enatur as localizações de Montevideu e São Tomé e, com a unidade do Brasil já em funcionamento, falta escolher duas localizações, como já havia delcarado em entrevista à Agência Lusa em Fevereiro deste ano (clique para ler: Pousadas de Portugal mantêm objectivo de chegar às cinco unidades no estrangeiro).

“Enquanto não escolhermos estes dois lugares, não começamos”, disse Castanheira Lopes, sublinhando que o prazo para abertura das cinco unidades vai até 2023. “Para cumprirmos o plano temos que as fazer até essa altura”.

A rede das Pousadas de Portugal teve em 2017 um aumento das receitas em 14% face a 2016, atingindo um valor global na ordem dos 40 milhões de euros (clique para ler: Pousadas de Portugal crescem 14% em 2017).

 

Clique para mais notícias: Pestana

Clique para mais notícias: Pousadas de Portugal

Clique para mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air Austral é a próxima companhia a alugar o A380 da portuguesa Hi Fly

06-08-2018 (11h25)

A companhia de aviação francesa Air Austral vai alugar o avião A380 da portuguesa Hi Fly para operar voos de e para a sua sede em Saint-Denis, na Ilha da Reunião.

Governo de Cabo Verde diz ter quase 20 interessados em comprar os TACV

31-07-2018 (14h09)

Quase 20 empresas e empresários nacionais e investidores estrangeiros já manifestaram interesse na compra da transportadora aérea cabo-verdiana TACV, informou hoje o Governo, indicando que o comprador fará a gestão da empresa por, pelo menos, cinco anos.

Abreu, Solférias e Soltrópico anunciam dois charters TAP para Réveillon em Cabo Verde

27-07-2018 (16h03)

A Abreu, a Solférias e a Soltrópico lançaram para o mercado dois voos charter contratados à TAP para o Fim de Ano nas Ilhas do Sal e da Boavista, em Cabo Verde, programados para partir de Lisboa no dia 26 de Dezembro.

Companhia aérea moçambicana LAM indica nova direcção-geral

24-07-2018 (09h26)

A Assembleia-Geral da transportadora Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) nomeou João Carlos Pó Jorge director-geral da companhia, "para assegurar o normal funcionamento da empresa".

TAP vai alterar routing dos voos para Lomé e Accra

17-07-2018 (17h56)

A TAP, que actualmente tem quatro voos por semana de Lisboa para Lomé e seguidamente Accra, a partir do início do Inverno IATA fará duas dessas ligações indo primeiro a Accra e só depois a Lomé.