British Airways suspende voos para Luanda por falta de rentabilidade

25-05-2018 (10h34)

Foto: Nick Morris/British Airways
Foto: Nick Morris/British Airways

A British Airways vai suspender os seus voos entre Londres Heathrow e Luanda a partir de Junho, por não serem comercialmente viáveis, o que deixa o Reino Unido sem voos directos para a capital de Angola.

Os voos, operados duas vezes por semana, deixam de ser realizados depois de 7 de Junho para Angola e de 9 de Junho para Heathrow.

“Os voos não são comercialmente viáveis”, diz a transportadora numa declaração enviada à agência Lusa.

Os clientes com voos reservados para Luanda após 7 de Junho e com voos para Londres após 9 de Junho serão reembolsados ou, em alternativa, podem antecipar a viagem para finais de Maio ou início de Junho.

Angola enfrenta desde finais de 2014 uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra das receitas com a exportação de petróleo. A situação levou igualmente à saída de milhares de trabalhadores estrangeiros e tem limitado o acesso a divisas.

A falta de passageiros tinha já levado a transportadora espanhola Iberia a suspender, em Junho de 2016, as três ligações aéreas semanais entre Luanda e Madrid.

Algumas companhias, nomeadamente a portuguesa TAP, já tinham restringido o pagamento em moeda nacional angolana (kwanza) a viagens apenas com origem em Luanda, devido à falta de divisas para repatriar os dividendos.

A companhia portuguesa reduziu em 2016 as ligações aéreas para Luanda de dez para oito frequências semanais.

A Emirates reduziu igualmente, em 2017, as ligações aéreas directas para Luanda, queixando-se de dividendos, provenientes da venda de bilhetes, por repatriar em Angola.

A dívida de Angola para as companhias áreas estrangeiras estava avaliada no início deste ano em 540 milhões de dólares (460 milhões de euros), disse em Janeiro o presidente do Conselho de Administração da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), Alexandre Juniac, considerando a situação preocupante.

Falando aos jornalistas em Luanda, à margem da conferência internacional sobre aviação civil, o responsável considerou ainda crítica a situação dos bloqueios impostos para as transportadoras repatriarem os seus rendimentos, alertando que a situação pode impedir companhias de voar para Angola.

"Porque se não estiver a pagar é claro que não vai aumentar novas rotas e frequências para Angola, daí ser um problema que deve ser resolvido", observou.

O presidente da IATA explicou ainda que a questão dos recursos bloqueados não se regista apenas em Angola, mas em mais oito países africanos, argumentando que apesar de estes países estarem a viver grande problemas económicos a "saída não é bloquear recursos".

"É do interesse de todos garantir o pagamento adequado das companhias áreas, a taxas de câmbio justas e no valor total", explicou.

De acordo com Alexandre Juniac, em face desta dívida, a IATA elaborou um plano de 12 meses já apresentado ao Governo angolano, com o intuito de se desbloquear a situação.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: África

Clique para mais notícias: British Airways

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHP assina protocolo de cooperação com congénere angolana

15-06-2018 (10h11)

A AHP - Associação da Hotelaria de Portugal assinou um protocolo de cooperação com a AHRA - Associação de Hotéis e Resorts de Angola para promover a colaboração entre as duas entidades ao nível da partilha de conhecimento e experiências.

Emirates vai avançar para voo diário para Luanda

14-06-2018 (13h59)

A Emirates, que é a companhia de aviação com mais A380 e B777 em operação, vai pôr mais dois voos por semana na rota Dubai - Luanda, chegando assim a voo diário.

Operadores portugueses promovem roadshow sobre a Tunísia na próxima semana

14-06-2018 (11h00)

Os operadores turísticos portugueses Sonhando, Solférias e Soltrópico vão promover apresentações sobre a Tunísia para agentes de viagens nos dias 19, 20 e 21 de Junho, no Porto, em Coimbra e Lisboa.

Banco Millennium Bim anuncia linha de crédito para projectos de ecoturismo em Moçambique

11-06-2018 (18h13)

O banco Millennium Bim anunciou a criação de uma linha de crédito de 50 milhões de dólares (42 milhões de euros) para o financiamento de projectos de ecoturismo em Moçambique

Líder do PSD aponta potencial da Guiné Bissau para expansão dos empresários de turismo portugueses

11-06-2018 (13h46)

A Guiné-Bissau “é efectivamente” um país com potencial para os empresários portugueses de turismo expandirem as suas actividades e onde “podem vir a ter um papel importante”, declarou o líder do PSD em Bissau, após uma audiência com o Presidente guineense, José Mário Vaz.