Angola facilita vistos de entrada no país para dinamizar turismo

26-02-2018 (14h48)

Cidadãos de 61 países, incluindo os da União Europeia, que pretendam viajar para Angola, a partir de 30 de Março terão que apresentar apenas comprovativos de alojamento e meios de subsistência no pedido de visto de Turismo, que já será emitido na chegada a Luanda.

A informação consta do decreto presidencial 56/18, de 20 de Fevereiro, a que a Lusa teve hoje acesso e que aprova o diploma que estabelece o regime de isenção e os procedimentos de simplificação dos actos administrativos para a concessão de visto de Turismo, que entra em vigor a 30 de Março.

Na componente de simplificação da concessão deste tipo de visto, que abrange estes 61 países, incluindo Portugal, e também Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Brasil e Timor-Leste, o documento define a necessidade de apresentação, apenas, de comprovativo de reserva de hotel ou de acolhimento por cidadão residente em Angola, de meios de subsistência e de cartão internacional de vacinas actualizado, além de bilhete de passagem de ida e volta e passaporte com validade superior a seis meses.

O novo diploma acaba, nomeadamente, a necessidade de uma carta de chamada subscrita e reconhecida em Angola, em que um cidadão residente no país assume a responsabilidade e o convite à visita do cidadão estrangeiro, um dos maiores entraves à entrada de turistas em Angola.

“Além das missões diplomáticas e consulares da República de Angola, o cidadão pode apresentar o pedido de visto via online, através do portal oficial do Serviço de Migração e Estrangeiros”, estabelece ainda o mesmo decreto.

Online, após a entrada do pedido, o cidadão recebe pela mesma via uma “pré-autorização de entrada”, que “deve ser apresentada no posto de fronteira”, que no caso da generalidade dos cidadãos estrangeiros é no aeroporto internacional de Luanda.

Depois, “após confirmação”, é “aposto o visto no documento de viagem", lê-se ainda no documento.

Estas medidas vão permitir facilitar fortemente o acesso de estrangeiros a Angola, aponta o documento, que afirma que a “dinamização do sector do Turismo depende em grande medida da política de vistos vigente no país e obriga à adopção de medidas mais flexíveis".

Além disso, tal como a Lusa tinha noticiado anteriormente, a entrada e permanência em Angola, até 30 dias, vai deixar de obrigar à emissão de visto em passaporte para cidadãos de quatro países africanos e um asiático.

De acordo com o mesmo documento, a isenção de vistos aplica-se a cidadãos do Botsuana, Ilhas Maurícias, Seicheles e Zimbabué (África) e Singapura (Ásia).

Angola passa a isentar de vistos de Turismo para estada até 30 dias por entrada e 90 dias por ano aos cidadãos destes países, com base no “princípio de reciprocidade diplomática”.

Desde Dezembro que Angola já tinha aplicado idênticas isenções, recíprocas, em acordos com a África do Sul e Moçambique.

O mesmo decreto orienta o Ministério das Relações Exteriores a comunicar aos países visados sobre a isenção e sobre o mecanismo de simplificação dos vistos de turismo, refere a mesma informação.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

 

Clique para mais notícias: Angola

Clique para mais notícias: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TACV programa voos para Dakar a partir de DezembroTitulo

15-11-2018 (11h00)

A companhia de aviação cabo-verdiana Cabo Verde Airlines (TACV) vai começar a voar entre a ilha do Sal e a capital do Senegal, Dakar, a partir de 9 de Dezembro, duas vezes por semana, com o seu Boeing B757.

Angola quer mais aposta em lodges e resorts - Ministra

14-11-2018 (17h45)

A ministra do Turismo de Angola, Ângela Bragança, defendeu hoje que Luanda já tem suficientes hotéis de cinco estrelas, sendo necessária apostar nos lodges e nos resorts para aumentar o fluxo turístico para o país.

Presidente da TAAG está seguro que fluxo de passageiros entre Portugal e Angola vai aumentar

14-11-2018 (16h46)

Com o ‘desanuviamento' das relações entre Portugal e Angola, "não tenho dúvida nenhuma de que vai haver aumento de fluxo de passageiros entre Luanda e Lisboa", afirmou ao PressTUR o presidente da companhia de aviação angolana TAAG, Rui Carreira.

TAAG quer abrir capital ao investimento privado, mas “não total” – presidente

14-11-2018 (16h42)

A TAAG deixou de ser uma empresa pública para ser uma sociedade comercial e o próximo passo será a abertura de parte do capital ao investimento privado, mas "não total", uma vez que se trata de "uma empresa estratégica para o Estado angolano", de acordo com o presidente da transportadora, Rui Carreira.

Porto – Luanda “continua a ser para nós um bom voo”, mesmo com quebra de passageiros – TAAG

14-11-2018 (16h40)

O tráfego aéreo de passageiros entre Porto e Luanda está com uma quebra de 8,7% até Outubro, mas não é por isso que deixa de ser "um bom voo", garantiu ao PressTUR o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, assegurando que a rota é para manter com a mesma frequência de voos.

Ultimas Noticias