Trivago inclui Grande Lago do Alqueva em Top10 de destinos para observar o céu

05-10-2015 (08h48)

O portal Trivago divulgou uma lista dos dez destinos com melhores condições para ver as estrelas, em que inclui o Grande Lago do Alqueva, no Alentejo, que conta com a Reserva Dark Sky Alqueva.



A selecção dos dez destinos mais indicados para observar o céu nocturno realça o turismo astronómico, descrito pela Trivago como uma “actividade que combina cultura, ciência e meio ambiente”, e inclui cinco localidades na Europa, duas em África e na América, e uma na Oceânia.
O Grande Lago do Alqueva, no Alentejo, é o primeiro destino a receber o certificado da Starlight Initiative, que surge em 2007 como “uma acção internacional em defesa dos valores associados com o céu nocturno e o direito generalizado de observar as estrelas”.
O Alqueva conta com uma regulação da intensidade da iluminação, o que torna possível a observação do céu nocturno durante a maior parte do ano, bem como a Reserva Dark Sky Alqueva, onde decorrem acções relacionadas com esta temática, entre os quais os eventos ‘Star Party Alqueva’, descreve o Trivago.
As Ilhas Canárias, nomeadamente as ilhas de La Palma e de Tenerife, conhecidas por serem destinos de praia, também contam com a certificação international Starlight e regulamentação relativa aos níveis de poluição e das rotas aéreas, o que lhes confere um lugar nesta lista.
Havelland, na Alemanha, conta com o Parque Natural de Westhavelland, reconhecido pela IDA – International Dark-Sky Association, fundada em 1988 com o intuito de “proteger os céus nocturnos para as gerações presentes e futuras” através do combate à poluição luminosa.
Em Havelland é possível ver a luz zodiacal, o reflexo da luz solar na poeira espacial, e o Gegenschein, o reflexo da luz solar na poeira espacial que se encontra na órbita do Sol, ainda mais difícil de observar que a luz zodiacal.
A Península de Iveragh, na Irlanda, conhecida pela rota turística Anel de Kerry que engloba o perímetro da península, conta com as montanhas Kerry e o Oceano Atlântico para proteger a área de poluição luminosa, permitindo assim observar a Via Láctea e a galáxia de Andrómeda. A região conta com a Kerry International Dark-Sky Reserve, a primeira com este estatuto na Irlanda.
Glaciares, vulcões e auroras boreais todo o ano, mas com mais visibilidade em Setembro e Abril, são o ‘pack’ quase exclusivo da Islândia que coloca o país na lista que beneficia de uma baixa poluição luminosa.
Em África encontra-se o Deserto do Namibe, na Namíbia, que conta com a Reserva Natural NamibRand, que para além de se dedicar à protecção da fauna e flora, também promove a preservação dos céus nocturnos e é a primeira reserva africana a ser reconhecida pelo IDA.
A região semi-deserta do grande Karoo, na África do Sul, faz parte desta lista principalmente devido à presença do maior telescópio do hemisfério sul na pequena cidade de Sutherland onde são promovidas uma série de actividades de aventura.
Os Estados Unidos entram lista com o inevitável deserto do Arizona, que tem nas regiões de Sedona e Flagstaff uma série de actividades astronómicas como visitas à cratera de Barringer, ao Observatório Lowell e ao Red Rock State Park.
Ainda na América, mas no Sul, o deserto de Atacama no Chile devido às suas características topográficas e climatéricas tem as condições ideiais para a observação do cosmos, conta com mais de 30 observatórios, entre os quais o Observatório de Paranal onde são organizadas actividades relacionadas com o turismo astronómico, um terço de todos os telescópios do mundo, e é o primeiro destino sul-americano a receber o certificado da Starlight.
Na Nova Zelândia, no Parque Nacional Aoraki é possível observar a aurora boreal e as nuvens de Magalhães, constituídas por duas pequenas galáxias irregulares.
Este parque também é considerado o berço da primeira reserva de observação de céus nocturnos no hemisfério sul, a Aoraki Mackenzie Dark Sky Reserve, que é considerada a maior do mundo e que de 9 a 11 de Outubro vai receber o Starlight Festival onde vão decorrer actividades educativas e de consciencialização relacionadas com a poluição luminosa e a valorização do ambiente e espaço.

Trivago 
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Miguel Garcia é o novo director do hotel Tivoli Avenida Liberdade (Corrige)

15-06-2018 (17h52)

Miguel Garcia, que esteve desde 2016 nos comandos do hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, no Brasil, é o novo director-geral do hotel Tivoli Avenida Liberdade.

Miguel Garcia é o novo director dos hotéis Tivoli e Avani em Lisboa

15-06-2018 (10h57)

Esta notícia foi corrigida e alterada.

Vinci muda gestores de topo da gestora dos aeroportos portugueses

11-06-2018 (14h17)

O grupo francês Vinci, que comprou a ANA Aeroportos de Portugal no processo da sua privatização conduzido pelo Governo PSD-CDS, nomeou uma nova gestão de topo para a empresa que tem o monopólio da gestão dos aeroportos em Portugal.

ABAV já tem novo presidente

08-06-2018 (19h03)

Geraldo Rocha, fundador da GR Turismo e Viagens, com sede em Curitiba, é o novo presidente da ABAV, Associação Brasileira das Agência de Viagens, em substituição de Carlos Palmeira.

Celestino Grave é o novo Chef Executivo do Porto Palácio

07-06-2018 (15h10)

O Porto Palácio Congress Hotel & SPA, unidade da Sonae Capital, anunciou a escolha de Celestino Grave para seu novo Chef Executivo, realçando que vai liderar uma equipa de uma dezena de profissionais responsável por espaços como o Bar Nautilus e o Porto Palácio VIP Lounge.