Para que querem o meu email?

31-08-2014 (10h58)

Qualquer site de viagens ( Agencias, Hotéis, rent a car, etc) luta para ter um tráfego constante, i.e. bastantes visitas diárias e consultas aos seus programas e ofertas.

Uma das formas mais eficazes para esse aumento de tráfego ( para além do mais imediato que seria comprar) é criar newsletters  ou emails regulares para uma base de dados de clientes e potenciais clientes. Mas a pergunta sempre presente sobre este assunto é :

Estão as pessoas disponíveis para receber os seus emails? 

Quando num site colocamos um formulário de subscrição (emails, newsletters) a reação é variada, mas a maior parte das vezes os visitantes do site têm alguma relutância em dar os seus contactos. As reações normais são, entre outras:

" Não quero ser bombardeado com imensos emails de ofertas especiais que nunca irei utilizar"
ou
" Porque não quero a minha caixa de correio cheia de emails prefiro vir ao site apenas quando procuro algo específico. Não preciso da vossa newsletter"

O problema desta segunda opinião é que quem gere o site não pode confiar no princípio que ele virá ao site quando necessitar. Existem muitos sites e a concorrência é feroz. Quem gere quer recordar constantemente um potencial cliente das suas ofertas e da utilidade dos seus serviços, bem como informar de novos produtos.

Mas para os visitantes do seu site, o problema prende-se sempre com o "serem inundados de emails"  de forma constante (todas as semanas? Todos os dias como operam os sites das ofertas em grupo?) e muitas vezes com conteúdos irrelevantes.


Então qual a solução?

As palavras chave são "inundado", "constante" e "irrelevante". Então, o primeiro passo será sempre o de deixar bem claro que nada disso será feito. Ou seja, num formulário para deixar um email será sempre muito importante prometer que não inundaremos a sua caixa de email, que lhe enviaremos apenas informação útil para quem nos visita e acima de tudo ser claro que o consumidor pode retirar o seu email da nossa newsletter/informação a qualquer momento.

Outra solução possível e bem útil, é a de tornar o formulário de email adaptado ao conteúdo de quem visita o site. Estou numa página de um hotel, na sua área de restauração, porque não deixar um formulário que diga : deixe-nos o seu email e enviar-lhe-emos as melhores receitas de cozinha Portuguesa. Ou num site de viagens na página das Caraíbas: deixe-nos o seu email e receba as melhores promoções para as Caraíbas.

O princípio será o de pedir o email comunicando que lhe serão enviadas informações relevantes. E o que pode ser relevante para quem visita determinada página? Exatamente algo sobre o assunto que ele consulta.

O desafio, torna-se então grande pela necessidade de adaptar conteúdos a cada visitante. Mas pensando nesta questão poderemos sempre  ( como em tudo) simplificar.

Enviar mais emails? Ou escolher?

Quando um potencial cliente nos deixa o seu email, ele quer ser contactado. Para questões do seu interesse, e  nós queremos agarrá-lo e fazê-lo regressar ao nosso site. 
Assim a pergunta é: Devemos colecionar todos os emails possíveis e inundá-los com a nossa mensagem ou segmentar?

Nos sites de vendas em grupo abrimos sempre a página com um pedido de inscrição, com uma promessa, de pelo menos 50% de desconto nos produtos e serviços que comercializam. Funciona? Sim, porque acabam por obter inúmeros endereços de email  a quem enviam as suas mensagens de forma regular. Se estes sites convertem todos esses contactos em vendas já é mais complicado de medir. A estratégia é enviar ao máximo de contactos possível, e alguns clientes, nalgum email que recebam poderão ver a oferta que querem. A sua eficácia será tanto maior quanto o produto que promovam seja passível de uma compra por impulso. Será este o tipo de compra nas viagens e estadias?

Nos sites dos comparadores de aviação quando procuramos uma determinado preço  para um determinado destino podemos deixar o nosso email para acompanhar o preço para esse destino. Assim recebemos um email diário com o preço e as alterações deste. Eficaz? Estão a enviar-me o que quero num momento em que provavelmente estarei disponível para decidir. Parece-nos que sim.

Estratégias:

São duas estratégias diferentes.  Mas em ambas temos o consumidor e o tipo de produto que oferecemos em mente. Assim quando pensar em comunicar regularmente com os seus potenciais clientes por email ( o que entendemos deverá fazer) terá que ter em conta o seu cliente, e o seu produto e oferta. Entre outros deverá pensar se o seu cliente:

- Estará mais interessado em descontos e ofertas?
- Estará mais interessado em conteúdos e inspiração ( destinos, locais, etc)?
- Gostam de concursos e passatempos?

E no que se refere às suas ofertas em serviços terá que ter em conta o que pretende promover.  Produto simples, ou algo que exige maior planeamento e informação? Se pretende promover os dois deverá ter em conta esse dado ao criar a sua base de dados, e na forma de recolha dos emails para a construir.
 
As viagens e o turismo são muito ricos em conteúdos e ofertas pelo que existe muito espaço para fazer algo diferente e efetivo.

Tenham um bom e saudável "Emailing".
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal, turismo e inovação

06-08-2014 (16h52)

Portugal foi um país pioneiro na institucionalização do turismo na orgânica do Estado, há um século, e tornou-se um dos mais importantes países turísticos europeus. Os seus recursos naturais e culturais e os produtos e destinos turísticos próprios, reconhecidos nacional e internacionalmente, são aspectos estruturantes quando pensamos e falamos de como ultrapassar a crise actual. Um dos binómios fundamentais para a mudança é, seguramente, o turismo com a inovação. Mas como?

“TACV têm solução” — defende Armando Ferreira

29-03-2009 (16h01)

“TACV têm solução” é o título escolhido por Armando Ferreira, director geral da Soltrópico, operador que em 2008 levou a Cabo Verde 16.472 turistas portugueses, mais 7,8% que em 2007, a um comentário enviado ao PressTUR sobre a notícia que revela o teor da carta que o presidente da transportadora aérea cabo-verdiana escreveu aos trabalhadores da companhia, com o título: “Ou mudamos ou fechamos” — aviso do presidente da TACV aos trabalhadores.

Turismo é “aposta segura” mas “necessita de uma atenção mais profunda”

05-03-2009 (16h53)

“Estamos a falar de «exportações», que correspondem a mais de cinco vezes às do maior exportador de Portugal – a famosa Quimonda”, sublinha Vítor Neto ao referir-se o montante de receitas externas geradas pelo turismo em 2008 e como essa notícia “foi menosprezada pela informação em geral”.

Vítor Neto no “Diário Económico”: O Algarve sem “mitos e ilusões”

07-08-2006 (12h37)

“O viajante arrisca-se a afirmar que o Algarve não é, de longe, a região da área do Mediterrâneo que está pior e, se existir inteligência, é  capaz de construir um desenvolvimento turístico sustentável e competitivo”, escreve hoje Vítor Neto, na sua coluna habitual no “Diário Económico”, em que aborda o “difícil” tema dos “mitos e ilusões” sobre a maior região turística do País.

Vítor Neto propõe reflexão sobre fenómeno low cost e turismo

24-07-2006 (13h33)

“O futuro do Turismo vai passar cada vez mais pela capacidade competitiva dos seus aeroportos, desde logo para as low cost”, defende Vítor Neto, empresário e ex-secretário de Estado do Turismo, na sua coluna publicada hoje no “Diário Económico”, sob o tema “Turismo, aeroportos e low cost”, na qual alerta que o fenómeno das low cost “é importantíssimo, contém enormes potencialidades, mas também desafios e riscos” e, por conseguinte, “exige um acompanhamento sério”.