Participação na feira Destino Brasil

04-05-2005 (08h44)

Pinto Lopes ao presstur.com (5)

Relativamente à feira Destino Brasil. Como vai ser a participação da terraBrasil?
Nós fomos convidados a participar. Analisámos a oportunidade da feira, o seu timing e o resultado que isso poderia trazer para o nosso negócio. O timing parece-nos adequado, porque o mercado começa a reagir para a temporada alta em finais de Maio e princípios de Junho e a feira acontece na terceira semana de Maio, quando as pessoas já têm as férias marcadas, já sabem para onde querem ir e o evento pode ser um aliciante para que realizem opções definitivas.

Como?
Como a terraBrasil não pode vender directamente ao consumidor final, criámos um circuito para poder vender através das agências que estiverem presentes, colocando nas respectivas estruturas o nosso sistema de vendas online.

E a terraBrasil vai apresentar produtos específicos para a feira?
Dentro do nosso catálogo, que abrange todo o Brasil, vamos criar um desconto de feira que lhe permite comprar tudo o que lá estiver beneficiando desse desconto. Além disso, vamos criar produto específico para os três dias do evento, com o qual vamos privilegiar, obviamente, tudo o que esteja fora do período de 20 de Julho a 30 de Agosto, onde não nos interessa esmagar margens.
Existe alguma confusão, que a feira é uma feira de produto barato. Não, é uma feira que vai proporcionar um desconto de feira, somente isso.

Mas a feira apela para o preço como factor de incentivo?
É preciso saber qual é a referência para o preço reduzido e a referência são os preços de catálogo. É verdade que hoje já não se vende a preço de catálogo, mas isso não acontece nos três dias da feira. Acontece 365 dias no ano. Na feira o que se pretende é criar um apelo especial para a compra por antecipação. E ainda este fim de semana tivemos um fenómeno idêntico, com o Mundo Abreu, a quem eu tiro o chapéu. Mas eles têm uma facilidade que é serem um grossista que tem a sua rede de retalho. Nós não temos. Então temos que ir buscar retalho avulso e aliciá-lo a estar na feira connosco.
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal será “um hub” da expansão do Minor Hotel Group na Europa

02-02-2016 (18h52)

"Acho que Portugal vai tornar-se um hub europeu na continuação da nossa expansão na Europa", afirmou ao PressTUR o CEO do Minor Hotel Group, Dillip Rajakarier, sublinhando que os seus planos passam por tornar a Tivoli numa marca global e por trazer para Portugal outras marcas do grupo.

É preciso que haja coragem para rever as leis de ordenamento do território

19-06-2006 (15h29)

“Enquanto não houver coragem de mexer na Rede Natura, na Reserva Ecológica e na Reserva Agrícola” muitos projectos turísticos de qualidade, nomeadamente no interior algarvio, vão permanecer parados, e a pressão vai continuar a exercer-se sobre o litoral, advertiu o presidente da Região de Turismo do Algarve, Hélder Martins, que em declarações ao PressTUR afirmou estar indignado com o chumbo do empreendimento turístico de Corte Velho, no concelho de Castro Marim, pelo secretário de Estado do Ambiente.

RTA defende nova legislação para enquadrar camas paralelas

19-06-2006 (15h28)

A Região de Turismo do Algarve defende que a nova lei dos empreendimentos turísticos deveria prever a figura do alojamento particular que permita enquadrar essa oferta, porque a actual legislação, de 1997, não permite a sua legalização e enquadramento.

Projectos Algarvios candidatos ao QCA

19-06-2006 (15h21)

O Centro Oceanográfico de Sagres, a requalificação das ilhas da Ria Formosa e o Pavilhão Multiusos do Algarve são os “três projectos públicos emblemáticos na área do turismo”, eventualmente candidatáveis a financiamento do próximo Quadro Comunitário de Apoio, anunciou ao PressTUR o presidente da RTA, Hélder Martins.

Revisão do PROTAL deve acautelar projectos que aguardam aprovação

19-06-2006 (15h18)

A revisão do PROTAL - Plano Regional de Ordenamento do Território do Algarve deve acautelar os projectos que aguardam aprovação, defende o presidente da RTA, que, além disso, preconiza a adopção de “restrições no litoral, de acordo com o que já está aprovado no Plano de Ordenamento da Orla Costeira, e no aumento do perímetro urbano”.