TAP vai manter limites de vento que definiu para aterrar na Madeira – Antonoaldo Neves

14-09-2018 (11h54)

“Mesmo que os limites sejam alterados, a TAP vai manter” os limites de vento que definiu para aterragens na Madeira, porque estudou o assunto e tem o “seu padrão de operação e de segurança”, afirmou o CEO da transportadora, Antonoaldo Neves.

O tema foi dos que mais marcaram a audição de ontem na comissão parlamentar de Antonoaldo Neves que, aos jornalistas, precisou caber ao regulador, em alguns assuntos, poder definir limites e que “cabe ao operador decidir se opera naquele limite ou num limite um pouco abaixo daquele limite”.

“A TAP está confortável com o limite que opera hoje, por acreditar que é a forma mais segura de operar”, referiu o executivo, informando ter pedido, quando chegou à presidência da TAP, uma “avaliação profunda dos limites praticados na Madeira” com as actuais e futuras aeronaves da ilha.

Aos jornalistas, depois da audição de mais de três horas na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o CEO da companhia de aviação frisou que quando afirma que “mesmo que os limites sejam alterados, a TAP vai manter” é porque estudou o assunto.

“Terceiros podem chegar a conclusões diferentes da TAP, mas a TAP tem o seu padrão de operação, tem o seu padrão de segurança, que eu revi, junto com os técnicos, e julgamos que estão muito adequados, inclusivamente com base no avião novo - A320 neo- que aterrou recentemente na Madeira, justamente para testar os limites do vento”, indicou.

O CEO da transportadora esclareceu ontem, dentro e fora da sala da audição parlamentar, que a TAP “não opera para a Madeira, ou para outro destino, na legislação de serviço público”.

“Nós operamos num ambiente concorrencial. Colocámos mais dois mil voos nas regiões autónomas desde que a empresa foi privatizada. Só na Madeira mais 200 mil assentos por ano”, acrescentou, para argumentar que se quisesse preços altos não tinha aumentado o número de lugares.

Segundo o gestor, a TAP “quer e tem trabalhado para baixar os preços para a Madeira”, e que os valores atuais são mais baixos do que antes da privatização da empresa.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Madeira

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Está pronto para a era do NDC? – por Ian Heywood

21-09-2018 (16h36)

Com a New Distribution Capability (NDC) da IATA ainda a ser essencialmente um conjunto de interrogações, mas já a ‘abalar’ o mundo da comercialização de viagens, o PressTUR publica as reflexões de Ian Heywood, Global Head of Product & Marketing, Air Commerce da Travelport.

Algarve aprova taxa turística de 1,5 euros para cobrar de Março a Outubro

21-09-2018 (15h39)

As câmaras municipais algarvias aprovaram esta sexta-feira a criação de uma taxa turística, no valor de 1,5 euros, para cobrar entre Março e Outubro, com a qual esperam arrecadar 20 milhões de euros por ano.

Turkish Airlines já ultrapassou os 50 milhões de passageiros este ano

21-09-2018 (15h06)

A Turkish Airlines, única companhia de aviação com voos regulares entre Portugal e a Turquia, e que em Portugal também vende conexões além Istambul, nomeadamente para o Extremo Oriente, informou que no fim de Agosto já somava mais de 50 milhões de passageiros transportados este ano, com um aumento médio em 13,1%.

Grupo LATAM reconhecido como líder nas Américas na área da sustentabilidade

21-09-2018 (14h54)

O LATAM Airlines Group foi nomeado na categoria "World" do Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI) pelo quinto ano consecutivo.

Presidente de Angola decreta transformação da TAAG em sociedade anónima

21-09-2018 (14h15)

O Presidente de Angola aprovou num decreto a transformação da companhia aérea angolana TAAG em sociedade anónima, primeiro passo para a provável privatização da empresa, cujo Conselho de Administração foi exonerado.