Pousadas de Portugal tiveram “crescimento muito moderado” em 2018

13-05-2019 (10h05)

Foto: Pousadas de Portugal
Foto: Pousadas de Portugal

As Pousadas de Portugal tiveram um "crescimento muito moderado" em 2018, com um aumento de 2,5% das receitas, impulsionado pelo aumento do preço médio, embora com menos dormidas que há um ano, disse Luís Castanheira Lopes, em entrevista à Lusa.

“Passámos dos 41 milhões de euros de receita em 2018”, disse o presidente das Pousadas de Portugal em entrevista à Lusa, o que significa um aumento de cerca de 2,5% face aos 40 milhões de euros registados em 2017.

“Não digo que estabilizámos porque o ano 2018 foi um ano de crescimento, mas foi um ano de crescimento muito moderado. Os crescimentos de dois dígitos de 2016 para 2017 e de 2017 para 2018 terminaram”, afirmou Luís Castanheira Lopes.

A taxa de ocupação média das Pousadas rondou os 62% a 63% em 2018, o que, em termos globais , foi "ligeiramente inferior" ao ano anterior.

Os mercados norte-americano e francês foram os “que mais cresceram”, enquanto os mercados britânico e alemão registaram quebras.

O mercado português manteve-se estável face a 2017, embora tenha aumentado a sua quota “por causa da queda do número de [clientes] estrangeiros”, disse Luís Castanheira Lopes.

“Os portugueses ficaram muito perto de um terço [mais de 33%], quando em 2017 representavam quase 30%”, afirmou o presidente das Pousadas.

Por outro lado, “conseguimos um preço melhor, sim. Os resultados obtidos são, sobretudo, pelo lado do preço. Porquê? Porque nos últimos anos fizemos fortes investimentos na rede de pousadas, com melhores pousadas e com pousadas com melhor produto (entrou na rede a Pousada de Lisboa, a da Covilhã, tínhamos melhorado várias no Alentejo com Spa, etc)”, explicou Castanheira Lopes.

O presidente das Pousadas de Portugal referiu ainda, sem concretizar, a subida de "cerca de 8% do resultado bruto de exploração", numa média agregada, "já abaixo dos 10% e, portanto, muito diferente" dos crescimentos dos anos anteriores.

"Este resultado decorre de uma actividade díspar ao nível nacional. As pousadas são desse ponto de vista um bom barómetro porque temos pousadas no interior, no litoral, na serra, nas cidades, e, portanto, conseguimos ter essa leitura global da nossa procura. Se analisarmos área a área, temos áreas que decresceram, como, por exemplo, as pousadas do Algarve, que tiveram um comportamento em 2018 pior do que em 2017. Globalmente melhorámos por causa dos impactos que tivemos em Lisboa, em Viana do Castelo, em Viseu, na Covilhã, pousadas que estiveram melhores do que no ano anterior", acrescentou.

Tal como nos últimos anos, o responsável garante que os eventos nas pousadas "mantiveram-se e são o reflexo da melhoria da actividade económica", no geral.

"Os casamentos e outros eventos de natureza social ou societária têm a ver com o rendimento disponível das famílias e empresas, naturalmente. Desde 2016 que há melhoria face ao ano anterior e desse ponto de vista há melhoria [em 2018] face a 2017", referiu, acrescentando que dentro da operação do grupo "é um nicho interessante" porque acontecendo em todas as épocas do ano, em algumas alturas "são absolutamente decisivos para a manutenção de uma actividade significativa", que a empresa deseja ter sempre.

"Os eventos, casamentos e outros eventos de celebração têm peso nas receitas e foi com muita satisfação quando vimos que 2018 consolidou esta tendência nos lugares que habitualmente são escolhidos para essa finalidade, que normalmente são Palmela e Arraiolos", afirmou Castanheira Lopes.

Questionado sobre nacionalidades de quem procura este tipo de serviços, Castanheira Lopes disse que "este é um mercado, sobretudo, de portugueses", mas "não apenas": "Temos estrangeiros a virem casar às pousadas: espanhóis em Estremoz, britânicos em Arraiolos, japoneses em Amares", exemplificou.

O Grupo Pestana Pousadas de Portugal tem 49% da Enatur, proprietária da marca e de um conjunto de pousadas que integram a rede, sendo 51% do Estado, através do Turismo de Portugal.

O Grupo Pestana Pousadas de Portugal é detido a 100% pelo Grupo Pestana.

A gestão das 34 pousadas foi concedida ao Grupo Pestana pelo governo em 2003.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Internacionalização das Pousadas de Portugal poderá passar por Marrocos

 

Clique para ver mais: Pousadas de Portugal

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Etihad chega a mais dez destinos com a TAP via Lisboa e Porto

16-10-2019 (16h02)

A Etihad Airways, companhia de aviação do Abu Dhabi, anunciou que vai expandir o code-share com a TAP a mais dez rotas via Lisboa e Porto, a partir do início do fim deste mês, início do chamado Inverno IATA.

AHP perspectiva manter este ano 400 participantes no seu Congresso anual

16-10-2019 (15h32)

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, declarou que está previsto repetir este ano os 400 congressistas na reunião anual que organizam para debater o sector e que vai reunir-se em Viana do Castelo.

Congresso da AHP vai discutir como “seduzir Espanha” e captar turistas que gastem mais

16-10-2019 (15h22)

A presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Cristina Siza Vieira, anunciou ontem em Lisboa que o próximo Congresso da Associação vai ter um painel sobre a convergência ibérica e tentar perceber se é possível captar espanhóis com mais poder de compra.

TAP anuncia nova classe EconomyXtra no médio curso

15-10-2019 (16h53)

A TAP anunciou hoje que os seus clientes passaram a ter nos voos de médio curso mais uma opção de viagem, a EconomyXtra, que proporciona “espaço extra para as pernas” e “refeições melhoradas face às actuais”, incluindo “refeições quentes nos horários de almoço/jantar, em algumas rotas, como Paris, Roma ou Frankfurt, entre outras”.

Alojamento local faz 27,5% do aumento de proveitos da hotelaria portuguesa em Agosto

15-10-2019 (16h34)

O alojamento local é o segmento do alojamento turístico que mais está a crescer este ano em Portugal, tendo atingido um aumento de proveitos em Agosto, principal mês da actividade turística em Portugal, que equivale a 27,5% do aumento dos proveitos totais do sector.

Noticias mais lidas