LATAM cresce menos do que esperava em Maio no Brasil e em voos internacionais

11-06-2018 (17h32)

Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films
Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films

O grupo LATAM, cuja subsidiária brasileira começa a voar para Lisboa em inícios de Setembro, terminou Maio com uma queda da taxa de ocupação por crescimentos do tráfego abaixo dos aumentos de capacidade nas rotas internacionais e em voos domésticos no Brasil.

Os dados de tráfego publicados hoje pelo grupo indicam uma queda da taxa de ocupação em Maio de 2,1 pontos, para 80,9%, pelas quedas em 2,9 pontos nas rotas domésticas no Brasil, para 75,2%, e em 2,7 pontos nas rotas internacionais, para 83,9%.

Os dados mostram que no Brasil a LATAM Brasil aumentou a capacidade (em ASK, do inglês para lugares x quilómetros voados) em 7,3%, mas o crescimento do tráfego (em RPK, do inglês para passageiros x quilómetros voados) ficou em 3,3%.

Nas rotas internacionais, o grupo aumentou a capacidade em 5,9% mas o crescimento do tráfego ficou em 2,6%.

O único sector onde o grupo teve crescimentos do tráfego (+6,9%) superiores aos aumentos de capacidade (+4,7%) foi o das operações domésticas em países de língua espanhola (Chile, Peru, Argentina, Equador e Colômbia), as quais tiveram assim uma melhoria da taxa de ocupação dos voos em 1,7 pontos, para 80%.

Em número de passageiros embarcados, os dados indicam que as companhias do grupo tiveram em Maio 5,287 milhões, com um aumento em 3,5% ou 178 mil, e nos cinco meses desde o início do ano estão com um aumento em 2,8% ou 755 mil, totalizando 27,6 milhões.

As operações da LAN nos voos domésticos no Chile, Peru, Argentina, Equador e Colômbia são as que mais contribuem para o crescimento, com 69,7% do aumento em Maio (+7,4% ou mais 124 mil) e 45,7% no conjunto dos primeiros cinco meses (+3,9% ou mais 345 mil).

O maior sector em número de passageiros continua a ser porém o dos voos domésticos no Brasil, com 41,3% em Maio (2,18 milhões) e 41,6% nos cinco meses (11,48 milhões).

O grupo indicou que nos primeiros cinco meses do aumento somou 27,6 milhões de passageiros, com um aumento m 2,8% ou 755 mil, incluindo +3,9% ou mais 345 mil nos voos domésticos no Chile, Peru, Argentina, Equador e Colômbia, +1,3% ou mais 150 em voos domésticos no Brasil e +3,9% ou mais 262 mil em voos internacionais.

 

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Low cost argentina Flybondi recebe autorização para entrar no Brasil

17-02-2019 (12h16)

A low cost argentina Flybondi foi autorizada a entrar no Brasil pela Agência Nacional de Aviação Civil do país (ANAC), através de uma publicação no Diário Oficial da União, mas ainda necessita de uma autorização operacional para começar voar.

Companhia aérea britânica Flybmi declara falência e cancela todos os voos

17-02-2019 (12h07)

A companhia aérea regional britânica Flybmi cancelou todos os voos por ter entrado em bancarrota por diversas "dificuldades", incluindo a subida dos preços dos combustíveis e as incertezas criadas pelo Brexit, anunciou a empresa no sábado.

Apoios do Governo para projectos turísticos no interior de Portugal ascendem a 310 milhões de euros

15-02-2019 (17h11)

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje que o Governo apoiou com cerca de 310 milhões de euros investimentos no sector do turismo no interior do país, no âmbito dos programas Valorizar e Portugal 2020.

Vueling vai ter voos Tenerife - Lisboa

15-02-2019 (16h56)

A Vueling, low cost do IAG, grupo de que fazem parte também a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus e a Level, vai ter voos entre Tenerife e Lisboa a partir de Abril.

Springwater vai finalmente apostar na “aproximação/integração” Geostar - Top Atlântico

15-02-2019 (16h35)

O grupo espanhol Wamos, do fundo suíço Springwater, vai avançar finalmente para a “aproximação/integração” das suas redes em Portugal, a Top Atlântico comprada ao antigo GES e a Geostar comprada ao grupo Sonae em 2015.