Turim Hotels espera poder abrir hotel de 5 estrelas em Sintra até final do ano

16-05-2019 (17h44)

Palácio Nacional da Pena, Sintra (Foto: PSML, Luis Duarte)
Palácio Nacional da Pena, Sintra (Foto: PSML, Luis Duarte)

O presidente executivo do Turim Hotels, Ricardo Martins, afirmou hoje que o grupo espera abrir o Turim Sintra Palace Hotel até ao final de 2019, desvalorizando as questões que têm envolvido este projecto, e que lhe são anteriores.

"Não sei se vai ser possível", admitiu no entanto o executivo num almoço com jornalistas no novo restaurante Salitre, que o grupo está a lançar no seu primeiro hotel 5 estrelas, na Avenida da Liberdade, em Lisboa, ainda em soft-opening.

Quando questionado se o facto de não saber se é possível a abertura da unidade hoteleira de Sintra ainda este ano estar condicionada à questão do embargo da obra, Ricardo Martins respondeu: "Não há [nenhuma] questão. [Sintra] nunca teve nada que impedisse [a abertura]".

Em 15 de Fevereiro, a Lusa noticiou que a Câmara Municipal de Sintra embargou a obra do hotel na Casa da Gandarinha, no centro histórico da vila, alegando "desconformidades" com o projecto que foi aprovado e licenciado, situação que se mantém.

"Na sequência de uma fiscalização à obra, determinada pelo presidente da Câmara Municipal de Sintra, foram detectadas desconformidades com o projecto aprovado e licenciado, que justificaram o embargo, hoje determinado pelo presidente da Câmara", disse, então, à Lusa fonte da autarquia, liderada por Basílio Horta (PS).

A mesma fonte disse ainda que as desconformidades identificadas configuram "irregularidades" e deverão ser objecto de "pedido de licenciamento tendente à sua legalização, ficando a obra embargada até finalizado o respectivo procedimento".

Num documento a que a Lusa teve acesso, as desconformidades em causa dizem respeito ao aumento das áreas de estacionamento, rectificados os vãos e reduzida a edificação nova prevista e recuado o muro na rua Luís de Camões.

"Verifica-se ainda que o alvará de licenciamento de obras de alteração n.º 124/2016 não se encontra averbado no nome do presente titular do processo/proprietário", acrescenta a informação.

A empresa Urbibarra adquiriu em 1997 a Gandarinha, imóvel do século XIX onde funcionou uma instituição de protecção a raparigas abandonadas, em fase avançada de ampliação para o futuro Turim Sintra Palace Hotel.

O projecto, com cem quartos, salas de reuniões e 137 lugares de estacionamento, foi aprovado em Setembro de 2005, mas o Ministério Público questionou a autarquia, em 2007, se estava disponível para "reposição da legalidade" face a infracções ao Plano de Urbanização de Sintra, relacionadas com índices de construção e afastamentos à estrada.

O licenciamento foi deferido em 2011, mas o então presidente da Câmara indeferiu, em Julho de 2013, um segundo pedido de prolongamento do prazo para emissão do alvará, porque os serviços concluíram que o Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) só admite "uma única" prorrogação.

A empresa requereu o deferimento tácito do pedido de prorrogação de prazo ou aplicação do regime excepcional de extensão de prazos, previsto em Decretos-lei de 2010 e 2013, para minimizar a crise na construção.

Duas informações municipais, já na presidência de Basílio Horta (PS), consideraram que os diplomas não se aplicavam ao processo e outro técnico salientou que um novo projecto teria de ponderar, entre outros aspectos, a falta do estudo hidrogeológico exigido pelo Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico (Ippar).

O presidente da autarquia, com uma nova informação atestando o "interesse público" da reabilitação urbana e com base na extensão de prazos de 2013, revogou, em Abril de 2014, o despacho de Fernando Seara (PSD), autorizando "uma prorrogação, por três meses", para ser pedida a licença.

"O projecto em causa cumpre o Plano de Urbanização de Sintra e foi fundamental para garantir a segurança de pessoas e bens, com a inerente consolidação do talude, com mais de vinte metros de altura, ali existente", afirmou anteriormente Basílio Horta à Lusa.

Em Janeiro deste ano, o Ministério Público instaurou um novo procedimento administrativo para verificar a legalidade da revogação da caducidade, em 2013, pelo presidente da Câmara de Sintra do licenciamento do hotel.

A Procuradoria-Geral da República (PGR), numa resposta enviada à agência Lusa, informou que "tendo o Ministério Público da jurisdição administrativa tomado conhecimento informal da revogação da declaração de caducidade do licenciamento em causa, foi determinada a instauração de novo PA [procedimento administrativo]".

"Este procedimento tem em vista aferir da legalidade do despacho que revogou a declaração de caducidade do licenciamento em causa - declaração de caducidade essa que foi o único fundamento para o despacho de arquivamento" de anterior PA, explicou a PGR.

Os serviços liderados pela procuradora-geral Lucília Gago esclareceram que o novo processo visa também verificar, "caso venha a ser caso disso, da legalidade do próprio licenciamento de construção", determinando-se que "ficasse apenso" o anterior PA ao que está em curso.

O Ministério Público junto do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Sintra, em Outubro de 2013, comunicou à Câmara o arquivamento de uma acção de verificação de legalidade da ampliação para hotel da Casa da Gandarinha, entre São Pedro e o centro histórico.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Turim Hotels

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

RIU Palmeras reabre após investimento de 22 milhões de euros

20-08-2019 (15h02)

A RIU Hotels & Resorts anunciou que reabriu o seu primeiro hotel localizado na Gran Canária, o Riu Palmeras, após uma renovação em que investiu 22 milhões de euros.

Trabalhadores dos hotéis da Fundação INATEL estão hoje em greve

16-08-2019 (12h43)

Os trabalhadores do sector hoteleiro da Fundação INATEL estão hoje em greve para reivindicar melhorias salariais e a um horário de trabalho de 35 horas semanais.

EUA subiram em Junho a maior mercado fora da Europa para a hotelaria portuguesa

14-08-2019 (17h00)

Os turistas residentes nos Estados Unidos foram no mês de Junho os não europeus que fizeram mais dormidas na hotelaria portuguesa, ultrapassando os brasileiros, e cotaram-se como o 5º principal emissor internacional, a seguir a Reino Unido, Alemanha, França e Espanha.

Turistas vêm mais a Portugal, mas ficam cada vez menos tempo

14-08-2019 (16h52)

O alojamento turístico português viu-se mais uma vez confrontado em Junho com um maior afluxo de turistas estrangeiros que não se traduz na mesma proporção em dormidas, porque a estada média cai desde pelo menos 2013, tendo pela primeira vez sido inferior às três noites.

Portugueses, espanhóis, brasileiros e americanos proporcionam melhor Junho de sempre em número de clientes

14-08-2019 (15h47)

A hotelaria portuguesa teve este ano um total recorde para um mês de Junho com 2,71 milhões de hóspedes alojados, graças principalmente aos aumentos de turistas residentes em Portugal, em Espanha, no Brasil e nos Estados Unidos.

Noticias mais lidas