RIU reabre resorts na ilha do Sal rebaptizados

11-11-2016 (14h08)

A rede hoteleira RIU, detida em partes iguais pela família espanhola Riu e pelo grupo TUI, anunciou a reabertura dos seus dois resorts na ilha do Sal, Cabo Verde, duas das unidades mais utilizadas pelos portugueses em férias na ilha, mas com o ClubHotel Funaná a ceder o nome para o antigo RIU Garopa e passar a designar-se RIU Palace Cabo Verde.

A rede destaca que o antigo Funaná, datado de 2005, tornou-se assim o primeiro da sua gama Palace em Cabo Verde e que o antigo Garopa, de 2006, passou a apresentar um “novo estilo e serviços”.

As mudanças são o resultado de um investimento que totalizou 37 milhões de euros no que a RIU descreve como “uma renovação completa da sua oferta na ilha do Sal”, ao mesmo tempo que destaca que foi das primeiras cadeias hoteleiras a apostar no turismo em Cabo Verde, acrescentando que essa aposta prossegue, pois também em curso uma ampliação do seu resort na ilha da Boavista, o RIU Touareg.

A reabertura do dois resorts da ilha do Sal, segundo indica em comunicado, ocorreu na passada sexta-feira, 4 de Novembro, e a rede hoteleira assinala que ambos proporcionam aos hóspedes “o reconhecido serviço Tudo Incluído 24 horas da RIU”.

Quanto ao investimento, a rede hoteleira diz que as obras mais extensas foram no antigo Funaná, “que subiu de categoria”.

“Os seus 500 quartos e suites, incluindo as casas de banho, foram completamente reformados e a sua decoração combina cores claras e aconchegantes com um atrevido vermelho”, diz a rede, que destaca ainda que o resort rebaptizado Palace Cabo Verde “contará agora com dois restaurantes completamente novos”, um denominado Krystal, com “uma atractiva cozinha de fusão” e exclusivo dos Palace da RIU, e o outro, o Sofia, de comida italiana.

A unidade mantém ainda o seu restaurante principal, um asiático e uma steakhouse.

O Palace Cabo Verde conta ainda com sete bares, incluindo uma nova cafetaria e pastelaria denominada Capuchino.

Em relação ao antigo Garopa, a rede diz que com as obras também dotou a unidade de “novo estilo e serviços”, referindo que foram redecorados os seus 572 quartos “com o novo estilo fresco e contemporâneo que a RIU imprime a todos os seus projectos”.

Outra inovação é uma novo acesso à praia, o restaurante Kulinarium, “com um conceito de cozinha moderna que utiliza principalmente ingredientes locais frescos e técnicas culinárias inovadoras”.

 

Clique para mais notícias: RIU

/pesquisa?q=RIU

Clique para mais notícias: Hotelaria

/empresas---negocios/hotelaria/

Clique para mais notícias: Cabo Verde

/pesquisa?q=Cabo+Verde

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.

Miguel Garcia é o novo director do hotel Tivoli Avenida Liberdade (Corrige)

15-06-2018 (17h52)

Miguel Garcia, que esteve desde 2016 nos comandos do hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, no Brasil, é o novo director-geral do hotel Tivoli Avenida Liberdade.

EUA e Brasil lideram resistência da hotelaria portuguesa ao ‘lado negro’ do efeito Páscoa

15-06-2018 (13h03)

Estados Unidos e Brasil, mercados emissores de onde os turistas chegam a Portugal principalmente em voos TAP, foram os líderes em crescimento das dormidas na hotelaria portuguesa no primeiro quadrimestre, e no mês de Abril, em que este ano se fez sentir o ‘lado negro' do efeito Páscoa mais cedo, foram mesmos os únicos com aumentos a dois dígitos.

Alta dos preços da hotelaria portuguesa supera ‘lado negro’ do efeito Páscoa mais cedo

15-06-2018 (11h53)

A Páscoa mais cedo que em 2017 exerceu o seu ‘lado negro’ em Abril, com quebras de hóspedes e dormidas, mas sem travar a série de 48 meses consecutivos de aumentos homólogos de proveitos, ainda que com a variação mais fraca desde Março de 2014.