Redução da verba para promoção no Orçamento de Estado “é um contra-senso”

11-11-2017 (12h04)

"Quando o turismo traz cada vez mais dinheiro para o país, mais receitas para o país, estarem a cortar na promoção...", enfatiza o presidente da AHP que taxativamente rejeita a redução de verbas para a promoção no Orçamento de Estado, dizendo que "é um contra-senso".

 

PressTUR: Está satisfeito com a verba prevista para promoção no Orçamento de Estado.

Raul Martins: Não. Foi cortada. Não estou satisfeito. É um contra-senso. Quando o turismo traz cada vez mais dinheiro para o país, mais receitas para o país, estarem a cortar na promoção... Nós temos que manter a promoção porque esta situação de moda para ser sustentável temos que continuar a mostrar o país. Felizmente que a verba para as regiões de turismo se manteve.

 

PressTUR: Mantém-se há quantos anos?

Raul Martins: Pois, mantém-se há muitos anos. Penso que as regiões de Portugal até pela dimensão que passaram a ter são hoje muito mais eficazes na promoção. Veja-se a situação da região Centro no último ano. O seu filme promocional tem tido prémios um pouco por todo o lado. A Madeira voltou a ser a melhor ilha turística da Europa.

 

PressTUR: Em números não.

Raul Martins: Aumentou.

 

PressTUR: Todo o país aumentou, mas se há região que aumenta pouco é a Madeira...

Raul Martins: Mas já sabe que é porque já estava muito em cima.

 

PressTUR: Quem está em cima é Lisboa e o Algarve...

Raul Martins: A Madeira foi sempre… Enquanto Lisboa baixou a Madeira manteve-se muito mais em cima.

 

PressTUR: Se formos ver os proveitos de Lisboa, Algarve e Madeira, a Madeira é 3º.

Raul Martins: Certo. Mas em termos de percentagem de ocupação é a primeira.

 

PressTUR: Porque há menos camas.

Raul Martins: Está bem, mas é uma atractividade da Madeira.

 

PressTUR: Foi uma política da Madeira limitar a oferta. O que fez subir…

Raul Martins: Sim, o que fez subir o preço.

 

Continua:

“Se temos qualidade, podemos ter melhor preço”, defende presidente da AHP

“Nós não estamos contra a Booking. Só estamos contra a cláusula de paridade” — presidente da AHP

“Tem que haver um controlo sobre o alojamento”, defende Raul Martins

Entre hotéis e alojamento local “a concorrência não existe”, defende presidente da AHP

AHP faz avaliação positiva deste Governo, afirma presidente da Associação 

Aeroporto de Lisboa e RJET são as prioridades da ‘agenda’ da AHP

 

Ver também:

Calendário da solução aeroportuária para Lisboa “não está a ser respeitado”, alerta Raul Martins, presidente da AHP

“ATL terá que desenvolver soluções que façam prolongar a estadia”, defende Raul Martins

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Quinta da Pacheca aumenta capacidade hoteleira com investimento de 4,9 milhões de euros

21-06-2018 (11h33)

A unidade hoteleira The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, localizada no Douro, está a desenvolver um projecto de renovação e aumento da sua oferta com um investimento de 4,9 milhões de euros.

Be Live Hotels incorpora dois novos hotéis em Varadero

19-06-2018 (11h33)

A Be Live Hotels, divisão hoteleira do grupo Globalia, incorporou dois novos hotéis de 4-estrelas em Varadero, elevando a sua oferta hoteleira em Cuba para 1.502 quartos em sete unidades.

Taxa turística de Gaia começa em Setembro com valores diferentes para época alta e baixa

19-06-2018 (09h42)

A “Taxa de Cidade de Vila Nova de Gaia”, como foi baptizada a taxa turística de Gaia, entra em vigor em Setembro e vai custar dois euros em época alta e metade em época baixa.

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.