Pousadas de Portugal tiveram “crescimento muito moderado” em 2018

13-05-2019 (10h05)

Foto: Pousadas de Portugal
Foto: Pousadas de Portugal

As Pousadas de Portugal tiveram um "crescimento muito moderado" em 2018, com um aumento de 2,5% das receitas, impulsionado pelo aumento do preço médio, embora com menos dormidas que há um ano, disse Luís Castanheira Lopes, em entrevista à Lusa.

“Passámos dos 41 milhões de euros de receita em 2018”, disse o presidente das Pousadas de Portugal em entrevista à Lusa, o que significa um aumento de cerca de 2,5% face aos 40 milhões de euros registados em 2017.

“Não digo que estabilizámos porque o ano 2018 foi um ano de crescimento, mas foi um ano de crescimento muito moderado. Os crescimentos de dois dígitos de 2016 para 2017 e de 2017 para 2018 terminaram”, afirmou Luís Castanheira Lopes.

A taxa de ocupação média das Pousadas rondou os 62% a 63% em 2018, o que, em termos globais , foi "ligeiramente inferior" ao ano anterior.

Os mercados norte-americano e francês foram os “que mais cresceram”, enquanto os mercados britânico e alemão registaram quebras.

O mercado português manteve-se estável face a 2017, embora tenha aumentado a sua quota “por causa da queda do número de [clientes] estrangeiros”, disse Luís Castanheira Lopes.

“Os portugueses ficaram muito perto de um terço [mais de 33%], quando em 2017 representavam quase 30%”, afirmou o presidente das Pousadas.

Por outro lado, “conseguimos um preço melhor, sim. Os resultados obtidos são, sobretudo, pelo lado do preço. Porquê? Porque nos últimos anos fizemos fortes investimentos na rede de pousadas, com melhores pousadas e com pousadas com melhor produto (entrou na rede a Pousada de Lisboa, a da Covilhã, tínhamos melhorado várias no Alentejo com Spa, etc)”, explicou Castanheira Lopes.

O presidente das Pousadas de Portugal referiu ainda, sem concretizar, a subida de "cerca de 8% do resultado bruto de exploração", numa média agregada, "já abaixo dos 10% e, portanto, muito diferente" dos crescimentos dos anos anteriores.

"Este resultado decorre de uma actividade díspar ao nível nacional. As pousadas são desse ponto de vista um bom barómetro porque temos pousadas no interior, no litoral, na serra, nas cidades, e, portanto, conseguimos ter essa leitura global da nossa procura. Se analisarmos área a área, temos áreas que decresceram, como, por exemplo, as pousadas do Algarve, que tiveram um comportamento em 2018 pior do que em 2017. Globalmente melhorámos por causa dos impactos que tivemos em Lisboa, em Viana do Castelo, em Viseu, na Covilhã, pousadas que estiveram melhores do que no ano anterior", acrescentou.

Tal como nos últimos anos, o responsável garante que os eventos nas pousadas "mantiveram-se e são o reflexo da melhoria da actividade económica", no geral.

"Os casamentos e outros eventos de natureza social ou societária têm a ver com o rendimento disponível das famílias e empresas, naturalmente. Desde 2016 que há melhoria face ao ano anterior e desse ponto de vista há melhoria [em 2018] face a 2017", referiu, acrescentando que dentro da operação do grupo "é um nicho interessante" porque acontecendo em todas as épocas do ano, em algumas alturas "são absolutamente decisivos para a manutenção de uma actividade significativa", que a empresa deseja ter sempre.

"Os eventos, casamentos e outros eventos de celebração têm peso nas receitas e foi com muita satisfação quando vimos que 2018 consolidou esta tendência nos lugares que habitualmente são escolhidos para essa finalidade, que normalmente são Palmela e Arraiolos", afirmou Castanheira Lopes.

Questionado sobre nacionalidades de quem procura este tipo de serviços, Castanheira Lopes disse que "este é um mercado, sobretudo, de portugueses", mas "não apenas": "Temos estrangeiros a virem casar às pousadas: espanhóis em Estremoz, britânicos em Arraiolos, japoneses em Amares", exemplificou.

O Grupo Pestana Pousadas de Portugal tem 49% da Enatur, proprietária da marca e de um conjunto de pousadas que integram a rede, sendo 51% do Estado, através do Turismo de Portugal.

O Grupo Pestana Pousadas de Portugal é detido a 100% pelo Grupo Pestana.

A gestão das 34 pousadas foi concedida ao Grupo Pestana pelo governo em 2003.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Internacionalização das Pousadas de Portugal poderá passar por Marrocos

 

Clique para ver mais: Pousadas de Portugal

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

DER Touristik quer ficar com agências Holiday Land e hotéis Sentido do grupo Thomas Cook

13-11-2019 (08h56)

A DER Touristik anunciou que chegou a acordo para comprar a rede de agências de viagens Holiday Land, incluindo os contratos de franquia, e que pretende adquirir a rede de hotéis Sentido, subsidiárias do falido grupo Thomas Cook.

Hotel nas Galerias Lumiére no Porto recebe parecer positivo da Direcção Regional de Cultura

13-11-2019 (08h03)

A Direcção Regional de Cultura do Norte (DRCN) deu parecer favorável ao Pedido de Informação Prévia (PIP) para uma unidade hoteleira a instalar nas Galerias Lumière, no Porto, que vão encerrar em 2020, revelou aquele organismo.

Meliá abre hotel da marca Innside em Saragoça

12-11-2019 (17h14)

A Meliá Hotels International anunciou a abertura de um hotel da sua marca Innside em Saragoça, um “destino obrigatório para os amantes de novas tendências”, segundo descreve.

Turismo de Portugal tem em curso 38 projectos de enoturismo com 60 milhões de euros já aprovados

12-11-2019 (15h59)

O Turismo de Portugal tem em curso 38 projectos de desenvolvimento da oferta de enoturismo, com mais de 60 milhões de euros de investimento já aprovados, disse a entidade à agência Lusa.

Regulamento de Alojamento Local do Porto teve 55 participações em consulta pública

12-11-2019 (15h41)

O regulamento de Alojamento do Local (AL) do Porto teve 55 participações no âmbito da discussão pública do documento que terminou em Setembro, revelou o vereador do Turismo na Câmara do Porto, Ricardo Valente.

Noticias mais lidas