Pousada de Lisboa é a unidade mais rentável do Grupo Pestana - José Roquette

03-10-2018 (17h20)

Restaurante da Pousada de Lisboa (Foto: Pousada de Portugal)
Restaurante da Pousada de Lisboa (Foto: Pousada de Portugal)

Portugal é actualmente o mercado mais rentável para o Pestana Hotel Group

“Penso que hoje o hotel mais rentável, por quarto, do grupo é a Pousada de Lisboa, no Terreiro do Paço [em Lisboa]”, revelou ontem o seu administrador responsável pelo desenvolvimento, José Roquette, citado pela Agência Lusa.

Num encontro com a imprensa durante a qual anunciou os próximos planos do grupo, o executivo realçou que a “expansão internacional continua muito intensa, mas a verdade é que temos hoje em Portugal os nossos melhores casos de investimento”, especificando que “mesmo comparando com todos os outros mercados onde estamos a concretizar projectos ou a ver projectos, não temos nenhum mercado onde seja tão rentável investir como em Portugal”.

“Esta é uma realidade dos últimos dois, três anos e julgo que vai ser uma realidade durante alguns anos”, acrescentou José Roquette, que não deixou de assinalar também que “não será sempre”.

Portugal, afirmou ainda José Roquette, “tem conseguido manter-se competitivo como destino turístico”, tem conseguido “subir nos 'rankings' [da receita por quarto disponível - RevPAR]” europeus — “comparando-se com Roma e Milão, um orgulho” - e “conseguido converter isso em rentabilidade”.

Este quadro justifica o reforço da aposta em zonas históricas de Lisboa e Porto, por exemplo, avançou José Roquette que tinha acabado de anunciar a abertura de cinco hotéis em Lisboa e no Porto (para ler mais clique: Grupo Pestana vai abrir cinco hotéis em Lisboa e no Porto e reforçar presença internacional da marca Pestana CR7).

“O Grupo Pestana como líder do mercado em Portugal faria um erro em não aproveitar desse momento [de boa rentabilidade]”, comentou o executivo, que assinalou seguidamente que, “nos últimos anos, Portugal conseguiu crescer extraordinariamente”.

“Penso que hoje o hotel mais rentável, por quarto, do grupo é a Pousada de Lisboa, no Terreiro do Paço [em Lisboa]”, avançou então José Roquette, que realçou que cinco anos antes o hotel do grupo em Londres “liderava esse 'ranking' [de rentabilidade] e nunca imaginámos que um hotel nosso em Portugal pudesse chegar a esse patamar”.

“Hoje temos três hotéis que o superam (Pousada de Lisboa, a Pousada do Freixo e o Pestana Vintage), que ultrapassam os níveis de rentabilidade por quarto que predominam nas grandes capitais europeias: estamos a falar de 40 mil euros por quarto”, especificou.

Mas “é preciso ter a noção de que isto é cíclico”, que Portugal “já viveu momento difíceis” e que “nada é para sempre, quer para o bem quer para o mal”, frisou José Roquette, que afirmou ainda que “temos de ter a noção que estamos num país que está a viver um período turístico muito bom, está a viver um ciclo muito positivo, em parte, sobretudo, no Algarve e na Madeira, beneficiou muito das consequências da Primavera Árabe, mas não tenhamos ilusões, esses efeitos com o tempo diluem-se, podem voltar outra vez, mas a verdade é que são cíclicos”.

“Acreditamos que se olharmos para a estrutura económica do nosso país, a fragilidade do endividamento existe. Não nos admiremos se, passados uns anos, Portugal possa vir a estar novamente numa situação mais frágil e, obviamente, o grupo precisa de estar preparado para isso”, acrescentou.

José Roquette defendeu que essa perspectiva sustenta a necessidade de diversificação do investimento em mercados e tipo de negócio – com unidade em alugueres e outras apenas em gestão –, bem como por alterar “a dependência do grupo”, ajudando-o a ter “mais equilíbrio” na sua oferta hoteleira.

Exemplo é o impacto da abertura das cinco unidades hoteleiras anunciadas para as duas maiores cidades portuguesas, pois, disse, vai alterar o impacto no peso dos resultados do grupo por região: Lisboa ficará perto dos 25%, o Porto vai superar os 15%, mantendo o Algarve 20% e a Madeira 30%.

José Roquette referiu ainda que o EBITDAR (resultado antes de juros, impostos, amortizações, depreciações e rendas) do grupo deverá ascender este ano a 130 milhões de euros, o que representa “um crescimento de, pelo menos, 10%”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Pestana Hotel Group

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vila Galé já tem acordo para edifício do Vila Galé Paulista em São Paulo - Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h17)

A Vila Galé já chegou a acordo para a aquisição de um edifício em São Paulo, que pretende transformar no hotel Vila Galé Paulista, o seu primeiro hotel na maior metrópole brasileira, que o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida, avançou ao PressTUR terá 110 quartos, restaurante, bar e piscina.

Construção do Vila Galé Costa do Cacau deverá começar em Abril/Maio – Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h09)

A construção do Vila Galé Costa do Cacau, um resort com 450 unidades de alojamento em Una, perto de Ilhéus, uma zona da Bahia celebrizada pelos livros de Jorge Amado, deverá começar em Abril/Maio de 2019, para concluir no final de 2020, avançou ao PressTUR o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

AHP confirma hotelaria portuguesa mais rentável mesmo com ocupação em queda

17-10-2018 (16h59)

O AHP Tourism Monitor publicado hoje pela AHP, Associação da Hotelaria de Portugal, indica que em Agosto, mês de maior actividade hoteleira em Portugal, apesar de uma queda da ocupação dos quartos em 1,3 pontos, a receita média de quartos por quarto disponível subiu 4%, ‘puxada’ por uma subida do preço médio de quartos em 6%.

W São Paulo abre em 2021 com assinatura de Nini Andrade Silva

16-10-2018 (14h16)

A Marriott International anunciou que vai abrir o seu primeiro hotel de luxo no Brasil em 2021, o W São Paulo, que terá a assinatura da designer portuguesa Nini Andrade Silva.

Receitas da hotelaria portuguesa crescem há 52 meses... mas abrandamento instala-se

15-10-2018 (17h00)

A hotelaria portuguesa concluiu em Agosto o 52º mês consecutivo de aumento dos proveitos, mas já sem os aumentos a dois dígitos que se sucediam desde o primeiro quadrimestre de 2014, tendo registado em Agosto o aumento mais fraco desde 2013, se excluídos os efeitos de calendário pelas alterações da data da Páscoa.