Portugal está a atrair a atenção de cadeias como a Hilton – director do DoubleTree by Hilton Lisbon

09-03-2018 (17h06)

Foto: DoubleTree by Hilton Lisbon
Foto: DoubleTree by Hilton Lisbon

O director do hotel DoubleTree by Hilton Lisbon, Gonçalo Coelho de Sousa, considera que Portugal está a reunir condições para atrair atenção de cadeias internacionais como a Hilton, através da melhoria do RevPAR e da percepção como um destino a visitar.

 

PressTUR: O que diferencia o DoubleTree de outros hotéis da mesma gama na cidade?

Gonçalo Coelho de Sousa: Acho que Lisboa tem falta de marcas internacionais fortes na nossa área. Agora estamos numa maré de atingir um RevPAR [receita de quartos por quarto disponível] bastante interessante para o comum investidor estrangeiro. Estamos finalmente a atingir um nível de preço interessante para o retorno do investimento. Isso acaba por atrair investimento estrangeiro.

 

PressTUR: Lisboa ainda tem espaço para mais hotéis?

Gonçalo Coelho de Sousa: Há mercado para mais cadeias internacionais entrarem em Lisboa. E, nomeadamente, há mercado para haver mais hotéis da nossa cadeia na cidade de Lisboa. Precisamente porque não só traz um mindset diferente em termos de estar na hotelaria, mas porque também traz consigo um mercado que não viajava tradicionalmente para Lisboa. De certa forma, na altura quando nos implementámos aqui em Lisboa o mercado americano não tinha expressão. Há outras cadeias como a Marriott, que também está presente, mas de certa forma fomos nós que viemos contribuir para que houvesse uma ‘abertura de fronteiras’, que ficássemos mais expostos enquanto destino turístico nos Estados Unidos. E depois, todas essas situações de instabilidade política e social  em outros países que concorriam connosco em termos turísticos vieram fazer com que os americanos, que são muito sensíveis à segurança, viessem a optar por Portugal como destino de férias.

 

PressTUR: Qual é a reacção da Hilton ao facto de Portugal estar na moda?

Gonçalo Coelho de Sousa: Noto que vê Portugal com um olhar mais atento. A Hilton está em todos os continentes e tem mais de cinco mil hotéis. Portugal era uma semente no meio de todo esse portefólio. O foco agora está virado para Portugal como um destino emergente para mercados em que não o era. Estamos a acumular prémios, Portugal está conceituado como um dos melhores destinos turísticos do mundo. Aparecemos em tudo o que é revistas e jornais internacionais. Temos outros factores a ajudar-nos, como ganhar a Eurovisão e a próxima edição do festival realizar-se em Portugal em Maio e o facto de termos ganho o Campeonato Europeu de Futebol.

 

PressTUR: E o foco da Hilton também está virado para Portugal?

Gonçalo Coelho de Sousa: Nós estamos a analisar várias coisas. Não posso dizer mais do que isso. É um destino interessante. Para quem investe não só é importante a estabilidade governamental, mas a estabilidade em termos de justiça e outros factores. E nós estamos a posicionar-nos em termos europeus como um país de respeito. Já nos chamam o país nórdico do Sul da Europa em termos de mindset. Somos um país muito disciplinado. Quando é preciso, somos os primeiros a dar o exemplo. Isto faz com a todos os níveis o foco esteja voltado para Portugal, nomeadamente para a capital, Lisboa, e para o Porto também, como destinos prováveis para consolidar ainda mais uma eventual presença.

 

PressTUR: Há outro motivo que influencia a decisão de investir. O preço médio e a RevPAR já fazem justiça à qualidade dos hotéis?

Gonçalo Coelho de Sousa: Ainda não. Estamos no caminho certo. Acho que 2017 foi um ano recorde para todos. Mas foi um ano recorde porque conseguimos finalmente recuperar algum do tempo perdido em termos de posicionamento de preço a um nível mais justo. Não digo que estejamos num nível ideal, mas estamos no caminho certo para chegarmos a um patamar em que poderemos dizer que a oferta que temos e o serviço que prestamos se enquadra com aquilo que nos pagam.

 

PressTUR: A oferta continua acima daquilo que é o preço médio?

Gonçalo Coelho de Sousa: Sim, exactamente.

 

Continua:

DoubleTree by Hilton Lisbon teve o melhor ano de sempre em 2017 – Gonçalo Coelho de Sousa, director

 

Para ler a entrevista completa clique:

Mercado norte-americano cresce todos os anos no DoubleTree by Hilton Lisbon – Gonçalo Coelho de Sousa, director

Portugal está a atrair a atenção de cadeias como a Hilton – director do DoubleTree by Hilton Lisbon

“Portugal tem tudo para crescer”, mas precisa de mais condições – Gonçalo Coelho de Sousa

Proximidade de outras atracções pode ser a chave para aumentar a estada média em Lisboa – director do DoubleTree by Hilton Lisbon

Portugal tem que aproveitar a boa maré para se afirmar como destino turístico – director do DoubleTree by Hilton Lisbon 

 

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: DoubleTree by Hilton 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Marriott e Alibaba testam check-in com reconhecimento facial

16-07-2018 (16h05)

A joint-venture da rede hoteleira Marriott International e do Alibaba Group, detentora da plataforma de serviços de turismo Fliggy, anunciou que vai testar tecnologia de check-in com reconhecimento facial em duas unidades na China.

Flor de Sal é o novo restaurante do Cabanas Park Resort

16-07-2018 (15h23)

O Cabanas Park Resort, em Tavira, vai contar com um novo restaurante a partir de quinta-feira, dia 19, o Flor de Sal, resultado de uma parceria entre a cadeia hoteleira AP Hotels e a marca de vinhos Quinta de São Sebastião.

Tryp Lima Miraflores vai ser inaugurado no primeiro dia de Agosto

16-07-2018 (12h31)

O Tryp Lima Miraflores, segunda unidade da Meliá Hotels International em Lima, no Peru, vai ser inaugurado no dia 1 de Agosto.

UE insta Airbnb a cumprir legislação europeia e ameaça com medidas coercivas

16-07-2018 (11h57)

A Comissão Europeia instou hoje o Airbnb a harmonizar as suas condições de utilização com as normas de defesa do consumidor da União Europeia (UE) e a ser mais transparente na apresentação dos preços, sob pena de sofrer medidas coercivas.

Proveitos da hotelaria portuguesa ‘disparam’ 9,1% em Maio apesar da quebra da procura internacional

13-07-2018 (17h00)

A hotelaria portuguesa conseguiu facturar em Maio +9,1% ou mais 28,6 milhões de euros que em 2017, ainda que tenha registado um ‘magro’ aumento das dormidas em 1,1% e, inclusivamente, uma quebra de 0,2% das pernoitas de turistas estrangeiros.