Portugal "está nos radares da maior companhia hoteleira do mundo" - Pedro Santos, Sheraton Cascais

06-02-2018 (16h10)

Foto: Sheraton Cascais
Foto: Sheraton Cascais

Portugal está "nos radares de toda a gente", incluindo no da Marriott, disse ao PressTUR o director-geral do Sheraton Cascais, Pedro Santos, alertando porém para problemas que devem preocupar o país, como a capacidade aeroportuária de Lisboa.


PressTUR: Como é que encara a situação do Aeroporto de Lisboa estar próximo de esgotar a sua capacidade?

Pedro Santos: Preocupa muito. Temos consciência que há projectos que estão a ser verificados como alternativas que têm um período de implementação bastante longo. Se nós conseguirmos construir o novo aeroporto que está pensado, no mínimo dos mínimos estamos a falar de sete anos. O que é que vamos fazer durante estes sete anos? Quais são as alternativas? O turismo a crescer ao ritmo que está, Lisboa e Portugal com a força que estão, não ter capacidade para acolher e receber os turistas deixa-me claramente preocupado. Tem que haver força política no sentido de se tomarem decisões e não andarem a arrastar o tema do aeroporto, porque provavelmente é o maior problema que vamos ter nos próximos anos para o turismo em Portugal.


PressTUR: Disse sete anos, mas a previsão para o Montijo é 2022.

Pedro Santos: Quando vejo sete anos é entre adjudicar, implementar e estar feito. E honestamente, os sete anos são no caso de tudo correr bem.


PressTUR: A recuperação da Turquia, Tunísia e Egipto é algo que o preocupa em termos de procura? Ou esses destinos que atravessaram maus anos turísticos recentemente não concorrem com Cascais?

Pedro Santos: Nesta fase não estamos nada preocupados com esse ponto porque sentimos que neste momento Cascais consegue diferenciar-se claramente dessas regiões. São regiões que tentam competir através do preço e portanto podem afectar alguns tipos de segmentos, que não são os principais com que trabalhamos. Nós trabalhamos com clientes que procuram qualidade, segurança e que, por esse motivo, estão também dispostos a pagar mais. Se pensarmos em alguns segmentos que são mais sensíveis ao preço, aí, sim, podem arrastar algum negócio para essas regiões. Nesta fase, e principalmente para o Sheraton Cascais, nós não sentimos que vamos ter qualquer problema desses mercados para já.


PressTUR: Nota alguma reacção por parte da Starwood e da Marriott em relação ao facto de Portugal aparecer tantas vezes como um destino a visitar e receber tantos prémios?

Pedro Santos: Sim. A Marriott em Portugal tem vindo a evoluir bastante favoravelmente. Neste momento temos uma dezena de propriedades. E há, pelas comunicações que nos fazem chegar, intenção de investimento na Península Ibérica. Portanto, Portugal está nos radares de toda a gente. E estando nos radares de toda a gente, claro que está nos radares da maior companhia hoteleira do mundo. Existe muito interesse da parte da cadeia com as suas várias marcas. Acho que neste momento é mais ao contrário, é dizer: quem é que não está a olhar para Portugal?



Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.

Miguel Garcia é o novo director do hotel Tivoli Avenida Liberdade (Corrige)

15-06-2018 (17h52)

Miguel Garcia, que esteve desde 2016 nos comandos do hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, no Brasil, é o novo director-geral do hotel Tivoli Avenida Liberdade.

EUA e Brasil lideram resistência da hotelaria portuguesa ao ‘lado negro’ do efeito Páscoa

15-06-2018 (13h03)

Estados Unidos e Brasil, mercados emissores de onde os turistas chegam a Portugal principalmente em voos TAP, foram os líderes em crescimento das dormidas na hotelaria portuguesa no primeiro quadrimestre, e no mês de Abril, em que este ano se fez sentir o ‘lado negro' do efeito Páscoa mais cedo, foram mesmos os únicos com aumentos a dois dígitos.

Alta dos preços da hotelaria portuguesa supera ‘lado negro’ do efeito Páscoa mais cedo

15-06-2018 (11h53)

A Páscoa mais cedo que em 2017 exerceu o seu ‘lado negro’ em Abril, com quebras de hóspedes e dormidas, mas sem travar a série de 48 meses consecutivos de aumentos homólogos de proveitos, ainda que com a variação mais fraca desde Março de 2014.