Novo Hotel Savoy Palace, Funchal, reabre em Abril de 2019

07-06-2018 (12h32)

O novo hotel Savoy Palace, no Funchal, deverá abrir portas em Abril de 2019, informou hoje o administrador do grupo AFA, Bruno Freitas, no dia em que ficou concluída a estrutura total do edifício.

"A abertura do hotel, caso sejam cumpridos todos os ‘timings', deverá acontecer em Abril de 2019", declarou, acrescentando que desde 2016 que a ocupação da unidade está a ser comercializada.

"Temos estado agora mais intensamente junto da tour operação e junto de canais directos de comercialização a fazer uma abordagem sobre esta unidade hoteleira", disse.

‘Herdeiro' do conhecido Savoy Hotel, construído em 1912 e demolido em 2009 com vista a uma nova unidade do grupo SIET, então propriedade de Horácio Roque e Joe Berardo, o novo Savoy, agora propriedade da AFA - Avelino Farinha Agrela, tem merecido várias críticas devido à sua volumetria: tem 16 andares e 560 quartos com capacidade para 1.128 camas, num investimento superior a 120 milhões de euros.

No dia em que se concluiu a estrutura definitiva, a polémica mantém-se, com o presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, a reiterar que, caso o projecto fosse apresentado ao seu executivo, não o licenciava.

"Eu já disse e volto a repetir: se este projecto tivesse entrado enquanto eu fosse presidente de Câmara, nunca teria sido aprovado. Este projecto tem efectivamente uma volumetria bastante elevada, bastante grande, e não teria aprovado na forma como o projecto foi", afirmou.

Apesar da polémica, o autarca pretendeu resolver o impasse que se criou aquando da morte do banqueiro Horácio Roque.

"A questão é que estamos perante uma realidade e a realidade tinha de ter uma solução, e neste aspecto temos de ser pragmáticos e aquilo que eu espero é que a qualidade deste empreendimento seja uma qualidade de excelência", afirmou.

O actual presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, que era o presidente da autarquia do Funchal quando o projecto teve início reafirmou hoje que fez o melhor para cidade, contrariando a posição de Paulo Cafôfo.

"Eu aceitei e assumo. Eu não tenho medo de tomar decisões nem ando aqui ao sabor do politicamente correcto", disse, recordando que "o plano foi aprovado, foi contestado, mas obviamente que quem está em democracia tem de assumir as suas responsabilidades, quem governa tem de assumir as suas responsabilidades".

O governante referiu que, enquanto autarca, teve uma outra situação polémica, a construção do teleférico do Funchal, sublinhando que, apesar da controvérsia, acabou por se revelar uma aposta ganha.

"Eu tenho a certeza de que fiz o melhor para a cidade e, quando o empreendimento estiver pronto, vai ser como o teleférico. Durante um ano e meio levei pancada por causa do teleférico, hoje em dia é uma obra que está em funcionamento, é um caso de sucesso e é, obviamente, um pólo de atractividade turística para a Madeira", defendeu.

Na cerimónia estiveram presentes centenas de convidados, entre eles o ex-presidente do Governo Regional Alberto João Jardim, para quem a volumetria do hotel não é chocante.

"Sempre fui a favor disto", afirmou, advogando que "a volumetria dos edifícios é um factor a considerar no licenciamento" e argumentando que, para ter investimento, "tem de ser investimento rentável".

"Às vezes é preciso abdicar um pouco, desde que não seja em termos escandalosos, e aqui isto está perfeitamente enquadrado", concluiu.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Amadeus concretiza compra da TravelClick por 1,52 mil milhões de dólares

13-08-2018 (18h26)

O Amadeus confirmou já a concretização da compra da TravelClick, que descreve como um reforço do seu portefólio com soluções para a hoteleria designadamente para empresas de média dimensão e independentes.

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.

Turistas brasileiros ultrapassam pela primeira vez o milhão de dormidas na hotelaria portuguesa num 1º semestre

13-08-2018 (15h53)

A hotelaria portuguesa somou pela primeira vez num primeiro semestre mais de um milhão de dormidas de turistas residentes no Brasil, que atingiram o total de 1,062 milhões de pernoitas tornando-se, assim, o 5º principal emissor na primeira metade do ano.

Verão começa ‘muito nublado’ para a hotelaria portuguesa, com quebras da maioria dos principais emissores

13-08-2018 (13h42)

A hotelaria portuguesa teve em Junho quebras de turistas de 11 dos 15 principais emissores com dados publicados pelo INE, escapando a uma quebra no número de hóspedes totais pelos aumentos dos residentes em Portugal e dos ‘longínquos’ Brasil, Estados Unidos e Canadá.