“Nós não estamos contra a Booking. Só estamos contra a cláusula de paridade” — presidente da AHP

11-11-2017 (11h56)

"A única coisa em que nós estamos contrários é à cláusula de paridade" diz ao PressTUR o presidente da AHP, Raul Martins, relativamente à Booking, quando há um ano, na véspera do seu Congresso nos Açores anunciava que tinham em vista uma alternativa à OTA líder em Portugal.

“Nós não temos essa pretensão. O que nós sentimos é que há hotéis que não têm visibilidade, porque não têm sequer site, e nós havemos de fazer com que haja uma plataforma que tenha os hotéis todos de Portugal”, explica Raul Martins, que relativamente à Booking diz que o que a Associação gostaria é que “Portugal alinhasse” com os países que já obrigam à retirada da cláusula de paridade que ainda vigora nos contratos da OTA, como são os casos de França, Itália, Suécia, Alemanha e Áustria.

Até porque, realça, “a Booking é, para a maior parte dos hotéis, uma ferramenta muito útil” e mesmo em termos de preços “têm estado a ser um bocadinho mais modestos”.

 

PressTUR: Há um ano no congresso a questão que se punha era que a Associação iria fomentar uma ferramenta capaz de pôr os hotéis a competir com a Booking...

Raul Martins: Nós não temos essa pretensão. Os que nós sentimos é que há hotéis que não têm visibilidade, porque não têm sequer site, e nós havemos de fazer com que haja uma plataforma que tenha os hotéis todos de Portugal.

 

PressTUR: Essa plataforma avançou?

Raul Martins: Há-de avançar. A seu tempo há-de aparecer.

 

PressTUR: É preciso muito dinheiro…

Raul Martins: Não, não. Nós não somos uma alternativa à Booking. Somos um complemento. É evidente que os grandes hotéis têm o seu site e fazem as suas promoções directas e competem com a Booking dessa forma. Mas há uma situação que de uma vez por todas tem que ser regulada na Europa. Há uma queixa apresentada na Europa a dizer que a cláusula de paridade não é válida.

 

PressTUR: Mas há países que já conseguiram…

Raul Martins: Há. França, Itália, Suécia, Alemanha e Áustria … Há vários países que já denunciaram. Portugal não. Nós gostávamos que Portugal alinhasse nesses. Mas Portugal está à espera da Europa, talvez por ser muito pequeno.

 

PressTUR: Não há já uma decisão europeia?

Raul Martins: Não, é por países. Não há decisão ao nível europeu. Nós esperamos que haja este ano. França, Itália, Suécia, Alemanha e Áustria já acabaram com a imposição da cláusula de paridade. A Booking continuará a existir. A única coisa em que nós estamos contrários é à cláusula de paridade.

 

PressTUR: Que significa que o hotel não pode pôr o preço mais baixo que na Booking...

Raul Martins: Essa cláusula de paridade é ilegal. É imposta comercialmente. [Dizem:] Senão fazes assim vais para baixo.

 

PressTUR: Mas isso vai continuar a existir.

Raul Martins: Se houver uma directiva europeia que diga que a Booking não pode estar na Europa a fazer isso é evidente que dá uma força aos hotéis para negociarem essa situação.

 

PressTUR: A Booking pode sempre dizer que não há paridade, mas coloca esse hotel no 15º quinto monitor, por exemplo…

Raul Martins: 15º ou muito pior que isso... Vamos supor que a Booking acabava. Não deixávamos de ter cá os turistas. [Mas] atenção que a Booking, especialmente aos hotéis pequenos, veio trazer uma visibilidade que eles não tinham. Têm fotografias, que eles não tinham, fizeram tudo. Portanto, a Booking é, para a maior parte dos hotéis, uma ferramenta muito útil. Custa ‘x’, custa o que custa, mas há hotéis que não têm um elemento comercial. Há hotéis em Portugal que dependem a 90% da Booking.

 

PressTUR: Isto apesar de todos os bed banks que existem?

Raul Martins: Sim, sim. Nós não estamos contra a Booking. Só estamos contra a cláusula de paridade.

 

PressTUR: A certa altura também estavam preocupados com as comissões que eles cobravam.

Raul Martins: Claro.

 

PressTUR: Isso mudou?

Raul Martins: Eles têm estado a ser um bocadinho mais modestos.

 

Continua:

“Tem que haver um controlo sobre o alojamento”, defende Raul Martins

Entre hotéis e alojamento local “a concorrência não existe”, defende presidente da AHP

AHP faz avaliação positiva deste Governo, afirma presidente da Associação 

Aeroporto de Lisboa e RJET são as prioridades da ‘agenda’ da AHP

 

Ver também:

Calendário da solução aeroportuária para Lisboa “não está a ser respeitado”, alerta Raul Martins, presidente da AHP

“ATL terá que desenvolver soluções que façam prolongar a estadia”, defende Raul Martins

Redução da verba para promoção no Orçamento de Estado “é um contra-senso”

“Se temos qualidade, podemos ter melhor preço”, defende presidente da AHP

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Quinta da Pacheca aumenta capacidade hoteleira com investimento de 4,9 milhões de euros

21-06-2018 (11h33)

A unidade hoteleira The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, localizada no Douro, está a desenvolver um projecto de renovação e aumento da sua oferta com um investimento de 4,9 milhões de euros.

Be Live Hotels incorpora dois novos hotéis em Varadero

19-06-2018 (11h33)

A Be Live Hotels, divisão hoteleira do grupo Globalia, incorporou dois novos hotéis de 4-estrelas em Varadero, elevando a sua oferta hoteleira em Cuba para 1.502 quartos em sete unidades.

Taxa turística de Gaia começa em Setembro com valores diferentes para época alta e baixa

19-06-2018 (09h42)

A “Taxa de Cidade de Vila Nova de Gaia”, como foi baptizada a taxa turística de Gaia, entra em vigor em Setembro e vai custar dois euros em época alta e metade em época baixa.

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.